Metilação do DNA – Epigenética – Ácido Fólico / Metilfolato / Vitaminas do Complexo B

 em Nutrologia e Prática Ortomolecular, Obstetrícia

Recife, 5 de maio de 2018

Estudo publicado na Maternal & Child Nutrition de abril de 2017, por Murphy MM et. al. com o título “A homocisteína materna moderadamente elevada na pré-concepção está inversamente associada ao desempenho cognitivo em crianças de 4 meses e 6 anos após o nascimento” traz importantes reflexões principalmente sobre a importância da avaliação da homocisteína materna na pré-concepção e também na gravidez e sua correlação com o metabolismo do ácido fólico. Nas redes sociais frequentemente nos deparamos com informações imprecisas sobre o assunto que precisam das referências científicas. Segue o resumo dos principais pontos do trabalho:

A deficiência pré-natal de doador de metil leva ao acúmulo de homocisteína no cérebro e ao comprometimento do neurodesenvolvimento em ratos. Nós investigamos o efeito de níveis moderadamente elevados pré-concepção da homocisteína plasmática total (tHcy) em jejum no neurodesenvolvimento infantil em um estudo prospectivo de 67 e 76 pares de mãe e filho aos 4 meses e 6 anos de idade, respectivamente.

Amostras de sangue em jejum com 2-10 semanas de pré-concepção, do cordão umbilical (sem jejum) e a mãe e filho 6 anos após o nascimento, foram coletadas.

O desenvolvimento psicomotor e mental foi avaliado aos 4 meses usando a Escala Bayley de Desenvolvimento Infantil (BSID) e desenvolvimento cognitivo aos 6 anos usando o Wechsler Preschool e Primary Scale of Intelligence (WPPSI).

O mais alto tercil pré-concepção de tHcy (≥9,04 µmol / L), foi classificado como moderadamente elevado e tercil médio-baixo como normal.

As crianças, nascidas de mães com níveis moderadamente elevados de Homocisteína em comparação com os níveis pré-concepcionais normais apresentaram menor desenvolvimento psicomotor e mental.

A análise de regressão logística múltipla mostrou que níveis moderadamente elevados de tHcy em comparação com o nível pré-concepcional normal, foi associado com maior probabilidade, OR (95% CI), de pontuação no tercil mais baixo para o desenvolvimento psicomotor de BSID e tercis inferiores para WPPSI completo, verbal e desempenho, quociente intelectual.

Concluímos que níveis pré-concepcionais moderadamente elevados de tHcy estão inversamente associados aos escores de desenvolvimento psicomotor e cognitivo em lactentes e crianças.

Fonte: DOI: 10.1111 / mcn.12289

 


Recife 18 de janeiro de 2018

jamaautism

 

Mais um artigo que corrobora o que já venho escrevendo desde o estudo de Baltimore: USO DE ÁCIDO FÓLICO E POLIVITAMÍNICOS NA GRAVIDEZ REDUZEM O RISCO DE TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA (TEA) NOS SEUS DESCENDENTES!!!

➡O Objetivo do estudo foi examinar as associações entre o uso de suplementos de ácido fólico e polivitamínicos maternos antes e durante a gravidez e o risco de TEA na prole . ➡

Trata-se de um estudo de coorte caso-controle de 45 300 crianças israelitas nascidas entre 1º de janeiro de 2003 e 31 de dezembro de 2007 que foram acompanhadas desde o nascimento até 26 de janeiro de 2015, para o risco de TEA .

➡Os casos foram todas crianças diagnosticadas com TEA e os controles foram uma amostra aleatória de 33% de todas as crianças nascidas vivas .

➡Metodologia ✔

Os suplementos vitamínicos maternos foram classificados como ácido fólico, suplementos polivitamínicos e qualquer combinação deles expostos nos intervalos antes e durante a gravidez.

A associação entre suplementação vitamínica materna e o risco de TEA na prole foram quantificados com riscos relativos (RR) e seus IC 95% ajustando os modelos de regressão de riscos proporcionais ajustados para fatores de confusão.

Foram realizadas análises de sensibilidade para testar a robustez dos resultados.

➡RESULTADOS:

  • ✔Das 45 300 crianças do estudo (22 090 meninas e 23 210 meninos, idade média, 10,0 anos no final do seguimento), 572 (1,3%) receberam um diagnóstico de TEA.
  • A exposição materna ao suplemento de ácido fólico e / ou polivitamínico antes da gravidez foi associada de forma estatística significativamente com menor probabilidade de TEA na prole em comparação com nenhuma exposição antes da gravidez (RR, 0,39; IC 95%, 0,30-0,50; P <0,001).
  • ✔A exposição materna a suplementos de ácido fólico e / ou multivitamínicos durante a gravidez foi significativamente associada com uma menor probabilidade de TEA na prole em comparação com nenhuma exposição durante a gravidez(RR, 0,27; IC 95%, 0,22-0,33; P <0,001) .
  • Os RR correspondentes foram estimados para a exposição materna ao ácido fólico antes da gravidez (RR, 0,56, IC 95%, 0,42-0,74; P = 0,001), exposição materna ao ácido fólico durante a gravidez (RR, 0,32; IC 95%, 0,26-0,41 , P <0,001), exposição materna a suplementos multivitamínicos antes da gravidez (RR, 0,36; IC 95%; 0,24-0,52; P <0,001) e exposição materna a suplementos multivitamínicos durante a gravidez (RR, 0,35; IC 95% 0,28-0,44; P <0,001)
  • Os resultados geralmente permaneceram estatisticamente significativos em todas as análises de sensibilidade.

➡CONCLUSÕES E RELEVÂNCIA: ✔A exposição materna aos suplementos de ácido fólico e polivitamínicos antes e durante a gravidez está associada a um risco reduzido de TEA na prole em comparação com a prole das mães sem essa exposição. Portanto, querido profissional de saúde que por acaso, inocência, desconhecimento, falta de leitura, enfim, por algum motivo postou que o ácido fólico está associado ao autismo, por favor, exclua seu post, porque agora temos mais um trabalho, de uma importante revista científica da Psiquiatria, com um grande grupo populacional, com mais de 10 anos de duração, que corrobora com inúmeros outros trabalhos que enfatizam: ÁCIDO FÓLICO E POLIVITAMÍNICOS NA GESTAÇÃO PROTEGEM CONTRA O AUTISMO NOS DESCENDENTES!!!

 


 

  1. Vídeo explicando a bioquímica do ácido fólico e um caso que acompanhei de uma cliente com histórico de 3 abortamentos, um defeito do tubo neural (anencefalia) e estava com um beta-HCG sem ascender de forma adequada. Graças a Deus a ultrassonografia foi normal, com a visibilização de um embrião com batimentos cardíacos. Neste caso, um colega prescreveu o ácido folínico na dose 3x maior do que o usual para o ácido fólico. Deu certo!!! Explico a diferença entre ácido fólico, folato, ácido folínico e metilfolato. Segue o vídeo:


Vídeo Sobre o Ácido Fólico e Metilação do DNA

 


 

Neste vídeo converso um pouco sobre o que entendo da metilação do DNA.

 


ácido fólico e oxidantes

 

✔️ Os oxidantes incluem moléculas ativas importantes que são criadas no corpo e atacam moléculas biológicas, especialmente lipídios, carboidratos, ácidos nucleicos e proteínas e causam oxidação e várias doenças no corpo
✔️Os antioxidantes existentes no corpo ajudam a evitar a incidência dessas lesões
✔️As mulheres grávidas estão entre aquelas em que a oxidação de moléculas biológicas pode causar danos irreparáveis a eles e seus embriões
.
➡️Materiais e métodos:
✔️quarenta e cinco mulheres grávidas participaram deste estudo.
✔️Elas foram divididas em dois grupos: o grupo 1 incluiu 23 mulheres que receberam 5 mg / dia de ácido fólico e o grupo 2 incluiu 23 mulheres que tomaram 0,5 mg / dia de ácido fólico antes da gravidez até a 36ª semana de gravidez
✔️Foram medidas as variáveis bioquímicas no soro de gestantes no início e no final do estudo

 

➡️Resultados: o ácido fólico reduziu a homocisteína plasmática em grupos de dose baixa e alta (p = 0,035, p = 0,012, respectivamente). Além disso, os resultados mostraram que a prescrição de ácido fólico levou a reduzir o nível plasmático de grupos carbonilo em grupos de dose baixa e alta (p = 0,01, p = 0,03, respectivamente). Além disso, os resultados mostraram que não há diferença significativa entre dois grupos e o ácido fólico afeta ambos os grupos igualmente
.
➡️Conclusão: é possível que a administração de ácido fólico reduza os níveis plasmáticos de homocisteína e carbonilo durante a gravidez de maneira independente da dose
.
*️⃣Em geral, este estudo mostrou que a suplementação de ácido fólico antes e durante a gravidez pode reduzir os níveis plasmáticos de homocisteína e a oxidação de proteínas e, através disso, pode reduzir o estresse oxidativo e prevenir o aparecimento de distúrbios como hipertensão e malformação congênita e outras doenças durante a gravidez que são resultado do estresse oxidativo


 

 

epigenética2

.
O ser humano é produto do meio, já diziam pensadores antigos da Grécia… preocupar-se com o ambiente físico, mental, nutricional e espiritual é fundamental para o neurodesenvolvimento fetal e do próprio ser humano. É mais ou menos o que descreve um artigo publicado na Revista Genes agora em março de 2017
.
✔Ambientes adversos pré-natal, como estresse materno, exposições toxicológicas e infecções virais, podem perturbar o desenvolvimento normal do cérebro e contribuir para distúrbios do desenvolvimento neurológico, incluindo esquizofrenia, depressão e autismo
.
✔Evidências crescentes mostram que estes efeitos a curto e longo prazo das exposições pré-natais na estrutura e função do cérebro são mediados por mecanismos epigenéticos
.
✔Estudos em animais demonstram que a exposição pré-natal ao estresse, toxinas, miméticos virais e drogas induz alterações epigenéticas duradouras no cérebro, incluindo genes que codificam receptores de glicocorticóides (Nr3c1) e fator neurotrófico derivado do cérebro (Bdnf). Essas mudanças epigenéticas têm sido associadas a alterações na expressão gênica cerebral, reatividade ao estresse e comportamento e, muitas vezes, esses efeitos são mostrados como dependentes da janela gestacional de exposição, sexo e nível de exposição
.
✔Embora a evidência de estudos humanos seja mais limitada, a exposição gestacional aos riscos ambientais em seres humanos está associada a alterações epigenéticas nos tecidos periféricos e estudos futuros são necessários para entender se podemos usar biomarcadores periféricos para prever resultados neurocomportamentais
.
Será necessário um extenso esforço de investigação que combine estudos humanos e animais bem concebidos, com análises epigenômicas abrangentes dos tecidos periféricos e cerebrais ao longo do tempo, para melhorar a nossa compreensão da base epigenética dos distúrbios do desenvolvimento neurológico
.
#riomartradecenter3sala1010 #tea#consultóriodrglauciusnascimento #epigenética

 


 

 

 

epigenética


Posts para estudiosos, profissionais de saúde, pesquisadores

.
Figura/gráfico interessante de um artigo sobre epigenética e neurodesenvolvimento fetal publicado na revista Genes agora em março de 2017
.
O epigenoma como substrato para os efeitos duradouros dos estressores pré-natais sobre a função e o comportamento do cérebro
.
✔O epigenoma é particularmente vulnerável à interrupção por agentes ambientais durante o desenvolvimento pré-natal, quando ocorre uma extensa reprogramação e programação de modificações epigenéticas
.
✔A “reprogramação epigenética” pós-fertilização (zigoto ao estágio blastocito) inclui a eliminação quase completa da metilação do DNA tanto no genoma paterno (linha azul) como no genoma materno (linha vermelha), que é então restabelecido (linha cinzenta sólida) , levando a metilação diferencial do DNA e padrões de expressão gênica nas primeiras linhagens celulares
.
✔Nos estágios posteriores do desenvolvimento, as marcas epigenéticas são menos dinâmicas (linha cinzenta tracejada), mas ainda participam ativamente da programação de expressão gênica, relevante para estágios posteriores de diferenciação celular (“programação epigenética”)
.
✔Como exemplo, durante a diferenciação de células cerebrais (ver imagem inserida), a metilação do DNA e modificações de histonas estão envolvidas na programação de expressão genética que diferencia células tronco neuronais em progenitores neuronais e gliais e ainda em células neuronais e gliais mais especializadas (astrócitos e oligodendrócitos)
.
Assim, a exposição pré-natal a fatores ambientais que afetam o epigenoma (estresse, infecção, toxinas) pode interromper a programação de expressão gênica no embrião / feto, resultando em déficits de desenvolvimento, incluindo o desenvolvimento anormal do cérebro que pode levar a distúrbios comportamentais tardios
.
O epigenoma é também dinâmico em neurônios maduros pós-mitóticos (representados como uma linha tracejada cinza pós-natal), portanto anormalidades comportamentais de longo prazo também podem resultar da programação inadequada do desenvolvimento da máquina epigenética do cérebro que continua sendo usada por neurônios maduros
.
#epigenética


 

epig

.
No Congresso The Truth About Cancer que minha amiga @dra.denise_decarvalho participou, ela fez referência a um metabólito importante do estradiol, o 2-metoxi-estradiol
.
Pois bem, o 2-metoxi-estradiol é formado pela metilação do 2-hidroxi-estradiol
.
Opa, METILAÇÃO??? Isto mesmo, metilação!!! Esta simples reação transforma um metabóltio com potencial carcinogênico em outro com efeito protetor basicamente através da doação do radical metil (CH3)
.
A metilação está presente em diversas reações vitais do nosso corpo. Saber “metilar” é uma dávida, dependente de nutrientes importantes e também de determinados polimorfismos
.
E no final das contas, a alimentação e a supementação nutracêutica personalizada baseada na individualidade bioquímica e genética é a mais pura verdade sobre a adequada metilação


epig2

.
➡️Hoje num grupo de discussão de médicos de todo o Brasil, nossa colega @dra.denise_decarvalho nos presenteou com alguns slides de um Congresso que ela está participando no Texas – EUA e eu particularmente fiquei filosofando sobre este da foto aqui que postei
.
➡️Apesar de nem estar presente no Congresso, tenho plena convicção de que o Professor Jonathan Wright estava falando sobre a importância da metilação do DNA e de alguns nutrientes melhoram tal reação bioquímica vital como o 5-metilfolato, a metilcobalamina, a S-Adenosil-Metionina, a Betaína e o Metilsufonulmetano. Lembro-me como hoje, quando comecei a prescrever o metilfolato, ficava desconfiado com a repercussão do que isso poderia trazer para minha prática médica e principalmente obstétrica… Depois comecei a associar em outros casos a metilcobalamina e pude evidenciar a melhora da metilação do DNA com a redução da homocisteína e melhora dos níveis de vitamina B12. Só quem estuda os polimorfismos genéticos envolvidos nas enzimas da diversas reações bioquímicas da metilação do DNA (MTHFR, MTR, MTRR, CBS, VDR…) sabe dar importância ao conhecimento destes nutrientes
.
Obrigado @dra.denise_decarvalho , você é
.
#mthfr #metilfolato #polimorfismo #dnamethylation #thetruthaboutcancer #thetruthaboutcancerlivesymposium

metc

.
O metabolismo de um carbono ou de transferência de radical metil ou mais popularmente conhecido como metabolismo do ácido fólico, é um componente crucial do metabolismo em todas as células e tecidos, suporta a função crítica de síntese de purinas, timidilato e metilação por meio de múltiplas metiltransferases movidas pelo metil doador S-adenosilmetionina (SaMe)
.
Serina é o doador de metil primário para o pool do metabolismo de um carbono (Ops, lembre da Síndrome Anticorpo Antifosfolípide, quando a gente dosa os anticorpos anti-fosfatidilSERINA e os riscos de resultados adversos na gravidez)
.
Folatos intracelulares e metabolismo da metionina são os componentes críticos para o metabolismo de um carbono
.
O Metabolismo da metionina requer vitamina B12, B6, tal como cofatores e é modulado por sinais endócrinos e é responsivo a ingestão de nutrientes
.
Perturbações no metabolismo de um carbono podem ter efeitos profundos sobre a proliferação celular, crescimento e função
.
Estudos epidemiológicos em humanos e em modelo experimental estabeleceram uma forte relação entre o crescimento fetal prejudicada e as consequências imediatas e a longo prazo para a saúde da prole
.
Especula-se que durante o desenvolvimento, as influências ambientais e de nutrientes maternos pelos seus efeitos sobre uma transferência de carbono pode ter impacto na saúde da mãe, prejudicar o crescimento e reprogramar o metabolismo do feto, e causar morbidade a longo prazo na prole
.
O potencial de tais efeitos é reforçada pelas respostas únicas no metabolismo da metionina na mãe durante a gravidez humana, a ausência de atividade transulfuração no feto, o desenvolvimento do metabolismo da metionina na placenta e o metabolismo único de serina e glicina no feto
.
Restrição de proteínas animais na dieta nos seres humanos provoca alterações características em um metabolismo de carbono
.
O impacto de perturbações no metabolismo de um carbono na saúde da mãe durante a gravidez, no crescimento fetal e do recém-nascido precisam ser discutidos (➡️Aliás precisam ser discutidas ampla e serenamente, afinal a ACIDOFOLICOFOBIA
é uma moda infundada cientificamente!)


metdna

.
✔️Fatores dietéticos que influenciam o metabolismo homocisteína e a metilação do DNA. Ácido fólico, vitamina B6, vitamina B12, colina, e metionina obtida a partir da proteína da dieta interagem para manter níveis adequados de homocisteína e regular a metilação de DNA
.
✔️A metilação do DNA são processos epigenéticos, que podem modificar os resultados fenotípicos, com efeitos a longo prazo sobre a saúde e doença
.
✔️Ambos folato e vitamina B12 são necessários no início da gravidez para proteção contra Defeitos do tubo neural
.
✔️Durante a gravidez, folato e vitamina B12 ajudam a prevenir a anemia megaloblástica. Estas vitaminas, juntamente com colina, servem como fontes de doadores do radical metil na metilação do DNA e, portanto, podem ter efeitos de longa duração sobre a saúde da prole se o fornecimento na dieta materna inadequado
.
✔️Ácido fólico, vitamina B12, vitamina B6 e colina trabalham em conjunto para regular os níveis de homocisteína circulante, que está associada a doenças cardiovasculares e outros efeitos adversos, se presente em níveis elevados
.
✔️A vitamina B6 está envolvida nesta via como um cofator para enzimas metabolizadoras de homocisteína
.
✔️Na gravidez, a homocisteína pode aumentar o risco de transtornos placentárias vasculares, parto prematuro, baixo peso ao nascer, e pequeno para a idade gestacional (PIG)
.
✔️Todos esses micronutrientes são obrigados a manter os níveis de homocisteína baixo, permitindo uma metilação adequada e influenciando positivamente a expressão epigenética
.
Extraído de: M.A. Hanson et al. / International Journal of Gynecology and Obstetrics 131 S4 (2015) S213–S253
.
➡️Simplificando: Avaliar homocisteína, ácido fólico, vitamina B12 e B6 e suplementar quando bem indicado e da forma mais adequada pode ser importante para qualificar a metilação do DNA, ou seja, diversos processos como por exemplo a multiplicação celular. Uma metilação do DNA adequada cursa com uma multiplicação celular otimizada o que leva nas gestantes a um bom crescimento e desenvolvimento do bebê, além de contribuir com a redução da homocisteína, aminoácido relacionado com processos inflamatórios, tromboembólicos e doenças cardiovasculares

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.02.52

✅Conhecerás a bioquímica do ácido fólico e entenderás a importância deste nutriente
.
Se você é profissional de saúde e deseja informações sobre o ácido fólico, uma das maneiras interessantes é buscar através do pubmed no link http://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/?term=folic%20acid&page=2
.
Se ainda assim vc (profissional de saúde) justificar que alguns artigos são pagos e você não quer pagar, segue outra opção http://www.ncbi.nlm.nih.gov/m/pubmed/?term=folic%20acid&page=2&filters=ffrft
.
Se ainda assim você (profissional de saúde) justificar que não quer ler artigos em inglês, dou-lhe outro link com diversos artigos sobre ácido fólico em português: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&q=ácido+fólico&btnG=&lr=lang_pt
.
Só não seja trapaceiro, divulgando artigos que nem foram publicados na íntegra, que vc sequer leu, de reportagens tendenciosas, pois você deixará de ser um profissional de saúde e se tornará um profissional da doença, da mídia, da mentira
.
➡️ Este post não é pessoal a ninguém, mas serve para reflexão sobre o que está acontecendo nas redes sociais
➡️ Se tem dificuldade de acessar os links no seu smartphone, copie pelo computador
➡️ Não sou dono da verdade, tenho apenas estudado bastante o ciclo do ácido fólico e odeio quando a “mentira científica” é divulgada
.

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.06.32

➡️ Aí a pessoa se “entope” de Carboidratos refinados, glúten, alimentos pro-inflamatórios, depois lê no rótulo dos produtos a presença de farinha de trigo enriquecida com ácido fólico e aí conclui: “Ah, agora eu sei por que estou engordando, sentindo-me mal, a culpa é do ácido fólico”…
.
Sou frontalmente contra esta onda de “acidofolicofobia” ou “folatofobia”. Considero uma irresponsabilidade absurda a forma como estão tratando o assunto.
.
Ácido fólico é uma vitamina (B9) importante para diversas reações do nosso corpo, um supernutriente
.
O excesso de qualquer coisa pode fazer mal, principalmente de ignorância
.
Conhecer o metabolismo do ácido fólico, da Homocisteína, estudar os polimorfismos, os nutrientes envolvidos (B12, B6, Colina, dimetilglicina, Betaína), entender a diferença entre ácido fólico e Metilfolato, correlacionar com o ciclo da tetrahidrobiopterina na produção de neurotransmissores (serotonina e dopamina) é muito mais importante que interpretá-lo erradamente e disseminar está “pseudo-cultura” nas redes sociais
.
✌️Pratique o bem, divulgue aquilo que você considera importante. Várias gestantes estão interrompendo ácido fólico por conta de uma irresponsabilidade na mídia. Pense nisso!
.

 WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.21.31
O comprimido disponibilizado no Brasil de ácido fólico é de 5mg
.
http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/01/Caderneta-Gest-Internet.pdf
http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/fevereiro/20/elenco-fp1-20-08-12.pdf
.

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.23.34

Disponível em http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/01/Caderneta-Gest-Internet.pdf

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.24.53

➡️Este texto foi copiado “ipsis litteris” do site, não fui eu quem escreveu… Ainda bem que algumas pessoas concordaram com o prejuízo desta “folatofobia”
.
✔️Os resultados foram apresentados em uma conferência em Baltimore, no estado americano de Maryland, por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, e ainda não foram publicados, nem revistos por pares
.
✔️Alguns especialistas classificaram as alegações como “irresponsáveis” e os resultados como improváveis de serem reproduzidos, e afirmaram que a pesquisa mostra uma correlação, mas não uma relação de causa e efeito
.
✔️”Com base nos seus dados, que não foram revisados por colegas, os autores estão provocando riscos”, disse Max Davie, do Royal College of Paediatrics and Child Health, que não participou do estudo
.
✔️Davie acrescentou que os pesquisadores “estão sendo bastante irresponsáveis em solapar o trabalho de saúde pública que tem sido feito há décadas para aumentar o número de mulheres que tomam folato antes e durante a gravidez, a fim de prevenir doenças neurológicas potencialmente devastadoras”
.
✔️”Essa pesquisa não sugere nenhum efeito prejudicial dos suplementos de folato tomados no início da gravidez”, disse Andrew Shennan, professor de obstetrícia na King’s College London
.
✔️”As mulheres deveriam continuar a ingeri-los”, acrescentou Shennan, que não participou do estudo
.
✔️James Cusack, diretor de pesquisas da Autistica, fundação de apoio aos estudos sobre autismo, concordou
.
✔️O transtorno do espectro autista é uma condição do neurodesenvolvimento infantil que afeta uma em cada 68 crianças nos Estados Unidos, e provoca dificuldades na interação social e na comunicação, assim como interesses restritos, entre outros sintomas
.
✔️Suas causas continuam pouco conhecidas, mas pesquisadores afirmam que a doença é provavelmente resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais
.
fonte:
http://www.bolsademulher.com/bebe/medico-rebate-estudo-que-liga-acido-folico-a-autismo-gravida-nao-deve-parar-de-tomar
http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/afp/2016/05/11/ceticos-questionam-estudo-que-sugere-ligacao-entre-acido-folico-e-autismo.htm

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.26.06

  • O polêmico artigo que a mídia divulgou irresponsavelmente relacionando ácido fólico com transtorno do espectro autista (TEA)
    .
    ✅Níveis plasmáticos de Vitamina B12, Folato e suplementação de polivitamínicos durante a gravidez e risco de transtorno do espectro autista – Coorte de Boston
    .
    ✅ O objetivo do trabalho foi entender a relação entre a suplementação de polivitamínicos durante a gravidez e os níveis plasmáticos de ácido fólico e vitamina B12 dosados 24-72 horas após o parto e o risco tardio de TEA nas crianças
    .
    ✅ Num total de 1391 crianças de Boston, 107 apresentaram TEA e 1284 foram considerados como grupo controle (sem TEA)
    .
    ✅ A suplementação de polivitamínicos na gravidez (3-5x por semana) esteve associada com risco significativamente baixo no primeiro, segundo e terceiro trimestres de gravidez de TEA
    .
    ✅ Contudo, quando o nível de ácido fólico foi > 59nmol/L e vitamina B12 > 600pmol/L, o risco de TEA foi maior
    .
    ✅ Apesar de apresentar nos resultados a redução de TEA com a suplementação de polivitamínicos na gravidez, o estudo conclui apenas informando o risco de TEA quando há excesso materno de ácido fólico e vitamina B12 (dosado 24-72h após o parto e nos valores respectivos de 59nmol/L e 600pmol/L). Aí os irresponsáveis da mídia colocaram apenas o risco do excesso de ácido fólico e B12 como os responsáveis do TEA
    .
    Este estudo não justifica a presente “folatofobia” ou “acidofolicofobia”!!! Na literatura científica existem diversos estudos que associam o ácido fólico como fator protetor para TEA, além de ser considerada uma das opções terapêuticas. Mais ainda, já é sabidamente conhecido que ácido fólico reduz alguns defeitos congênitos como anencefalia e meningomielocele
    .
    Ácido fólico e Vitamina B12 são importantes nutrientes para o desenvolvimento do sistema nervoso do feto
    .
    E o mais importante de tudo: O que vocês acham que ocorre no Brasil – Deficiência de nutrientes como o ácido fólico, ou excesso?
    .
  • Não avaliaram os polimorfismos genéticos associados no metabolismo do ácido fólico e B12, não dosaram homocisteína, não dosaram o ácido metilmalônico, não foram explicitadas as características sócio-demográfica da população e outra coisa, dosar B12 e ácido fólico após o parto, pra mim não faz sentido, pois há uma importante modificação hemodinâmica após o parto
  • .
    ➡️ OBS: Eu avalio ácido fólico, homocisteína e vitamina B12 no pré-natal das gestantes que acompanho e encontro FREQUENTEMENTE níveis baixos. Nunca vi um resultado de ácido fólico > 59nmol/L. .

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.27.59 (1)
⚠️ Post bem específico, apenas pra estimular a leitura do trabalho !! .
✅Tanto a formação dos gametas masculinos ou femininos são dependentes da metilação do DNA, das modificações no metabolismo das histonas (as principais proteínas que compõem o nucleossomo, unidade estrutural da cromatina), do imprinting genômico e dos micro-RNA
.
✅A própria remodelação da cromatina depende da regulação dinâmica das modificações nas histonas e na metilação do DNA
.
✅A regulação dinâmica da epigenética também está relacionada com .
Diferenciação celular que por sua vez está ligada a
o Reprogramação
o Proliferação
o Gametogênese
o Embriogênese
Moduladores epigenéticos que por sua vez estão ligados a
o Dieta
o Toxinas
o Estilo de Vida
o Doenças
o Drogas terapêuticas
Bases da Epigenética conforme a
o Metilação do DNA
o Modificação das histonas
o Expressão do micro-RNA
o Posicionamento do nucleossomo
Destino anormal, seja na forma de
o Infertilidade
o Câncer do Trato reprodutivo (ou de outros órgãos)
o Técnicas de Reprodução Assistida e Distúrbios do imprinting genético
o Herança transgeracional
.
➡️ Mais uma vez tentando simplificar a complexidade deste trabalho: Se você quer modificar sua genética, faça através das mudanças do seu estilo de vida, da sua alimentação, da atividade física, elimine toxinas, trate/controle/cure suas patologias, gerencie bem o sono e o estresse. Isso altera os mecanismos de metilação do DNA, das modificações das histórias, dos micro RNA e do posicionamento dos nucleossomos. Assim, você terá uma verdadeira reprogramação genética benéfica que aumenta a sua fertilidade, bem como propicia a formação de excelentes gametas, futuros bons embriões (a depender do seu/sua parceiro/a) e filhos saudáveis. Tratar infertilidade ou qualquer doença começa com as modificações já propostas, não é o ideal APENAS procurar a reprodução assistida, ou o medicamento mágico
.
http://ecerm.org/Synapse/Data/PDFData/3087CERM/cerm-43-59.pdf
.

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.33.57
Moduladores da Epigenética provocam .
………………………….⬇️
Modificações epigenéticas através da
…………………………⬇️
metilação do DNA, modificações no metabolismo das histonas, expressão dos micro-RNA e no posicionamento do nucleossomo que promove
…………………………⬇️
A remodelação da cromatina que irá
…………………………⬇️
Ativar ou Silenciar determinado gene o que posteriormente
…………………………⬇️
Altera a transcrição, tradução, metabolism, sinalização e o fenótipo
.
Muito legal esta figura!!!

WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.35.43
⚛Diferentes conjuntos de modificações epigenéticas consecutivas formam a base da capacidade reprodutiva .
⚛A epigenômica pode ser influenciada por fatores nutricionais e/ou metabólicos, ambos podendo também influenciar o microambiente celular durante o desenvolvimento inicial e nas fases tardias na vida. .
⚛O desempenho generalizado das técnicas de reprodução assistida para tratar infertilidade, sugere ainda uma investigação mais aprofundada a partir da perspectiva epigenética, incluindo uma estratégia abrangente e pretende abordar a nutrição, os fatores ambientais e na produção in vitro de embriões
.
⚛Assim, um organismo pode ser propenso a erros reprogramação epigenética durante a reposição do genoma de gametas e zigotos, que se diferenciam para criar diversos tipos de tecidos específicos. .
⚛Por outro lado, a reversibilidade da epigenética marcas sugere a possibilidade de que a atividade de genes-chave podem ser regulados como uma abordagem terapêutica
.
O artigo aos leigos (mas ao meu ver muito importante para médicos) parece um pouco complicado, mas irei descomplicar através de algumas imagens do trabalho na íntegra (em posts posteriores). De forma simplificada, o que é mais importante compreender de tudo isto é que nossa saúde reprodutiva é diretamente relacionada aos nossos hábitos alimentares, nossa saúde INTEGRAL que o influenciam diretamente a qualidade da capacidade reprodutiva. Melhorar a saúde como um todo influencia diretamente na modificação genética e na saúde reprodutiva. Até para os resultados nas técnicas de reprodução assistida, se a cliente melhorar os hábitos alimentares, a prática de atividade física e o gerenciamento do estresse e sono, certamente suas chances reprodutivas serão maiores e melhores.
.
➡️A base da epigenética se dá através da metilação do DNA, das modificações no metabolism das histonas, nas expressões dos micro-RNA (que silenciam diversos RNA mensageiros) e do posicionamento dos nucleossomos
.
✅Ah, só lembrando que epigenética e epigenômica são pilares da prática ortomolecular
.

 WhatsApp Image 2017-05-21 at 07.00.11✅Segue mais um trabalho que acompanhou crianças portadoras de autismo e verificou a melhora clínica (socialização, capacidade cognitiva, afetiva e comunicação) e laboratorial após a administração de 400ug de ácido fólico duas vezes ao dia em 44 crianças portadoras de autismo, comparada com 22 crianças do grupo controle, durante 3 meses. Laboratorialmente, observou-se um aumento na concentração sérica do ácido fólico após a suplementação e a redução da homocisteína. O trabalho traz outros detalhes bem relevantes, difíceis de sintetizar e postar aqui, para os quais sugiro a leitura do artigo na íntegra pelos interessados no assunto
.
✅Certa vez a mídia polemizou (de forma irresponsável) inferindo uma possível relação entre o autismo e a suplementação de ácido fólico. Na verdade, um trabalho apresentado num congresso propôs esta associação, sem sequer avaliar corretamente os polimorfismos genéticos que podem estar envolvidos com a não metabolização adequada do ácido fólico, onde se destaca o polimorfismo MTHFR, mas também MTR e MTRR, dentre outros. No mesmo congresso, outros trabalhos relacionavam a deficiência de ácido fólico com o autismo
.
✅O risco é a não metabolização do ácido fólico pela ocorrência de algum polimorfismo genético que atrapalhe esta metabolização ou a carência de outros nutrientes envolvidos na mesma metabolização
.
✅No mundo todo, a deficiência de ácido fólico é preocupação de várias sociedades médicas e de saúde, incluindo a Organização Mundial de Saúde. Ácido fólico é o nutriente mais ajudou a reduzir o número de malformações, principalmente relacionadas aos defeitos do tubo neural, principalmente meningomielole e anencefalia
.
✅Num cenário onde a ocorrência de malformações do sistema nervoso (principalmente a Mirocefalia), faz muito sentido preocupar-se com a alimentação e suplementação cuidadosa de nutrientes envolvidos no ciclo da metilação do DNA, favorecendo o desenvolvimento do sistema nervoso como ácido fólico, vitaminas B6 e B12, além do entendimento dos polimorfismos genéticos .
OBS: não discuto trabalho científico nas redes sociais com ninguém. Não irei entrar numa postagem de alguém que por acaso discorde. O meu objetivo é apenas difundir a informação que julgo oportuna para colegas na area de saúde e clientes que procuram informação. Não sou nem quero ser especialista em autismo, mas venho estudando o ciclo do ácido fólico há um certo tempo, de forma constante e intensa e fico muitas vezes chateado com algumas publicações que queiram detonar este mecanismo tão vital. Ao contrário, compreendo que o ciclo do ácido fólico pode ser melhor estudado para diversas patologias não apenas relacionadas à minha especialidade principal: ginecologia e obstetrícia. Profissionais de outras especialidades como Nutrologia, Cardiologia, Cirurgia Vascular, Pediatria, Clínica médica podem se beneficiar do conhecimento a respeito deste assunto e principalmente promover melhoria no tratamento de seus clientes. Discordou do post ou quer saber mais sobre o trabalho? Leia o trabalho neste link http://www.mdpi.com/2072-6643/8/6/337 . Discorda do que foi ditto? Crie um post criticando o artigo ou a suplementação de ácido fólico

WhatsApp Image 2017-05-21 at 07.17.02

✳️DEFICIÊNCIAS DE COBALAMINA (VITAMINA B12) E ÁCIDO FÓLICO (VITAMINA B9) ENTRE AS MULHERES EM IDADE REPRODUTIVA TÊM RECEBIDO MAIOR INTERESSE NÃO SÓ DEVIDO À ASSOCIAÇÃO COM DEFEITOS DO TUBO NEURAL E POBRE DESENVOLVIMENTO COGNITIVO PARA OS DESCENDENTES, MAS TAMBÉM POR CAUSA DO AUMENTO DO RISCO DE HIPERHOMOCISTEINEMIA, QUE PODE SER UM FATOR DE RISCO INDEPENDENTE PARA A RESISTÊNCIA À INSULINA E RESULTADOS ADVERSOS DA GRAVIDEZ
.
Outro estudo publicado em junho de 2016, avaliou a ingestão de B9 e B12 em 500 mulheres não gestantes, em idade reprodutiva no Nepal. Além da avaliação laboratorial, foram investigadas a ingestão presumida pela respostas de questionários que avaliaram o recordatório alimentar
.
✅Como principais resultados:
.
✔️20% não consumiam nenhum alimento que continha B12
✔️72% possuíam consumo diário de B12 era inferior a 1ug
✔️84% possuíam consumo diário de B12 era abaixo da média recomendada (2ug/dia)
✔️12% possuíam ingestão de B9 menor que 100ug/dia
✔️62% possuíam a ingestão de B9 entre 100 e 320ug/dia
✔️42% apresentaram níveis séricos inadequados de B12 (<150pmol/L)
✔️88% apresentaram níveis séricos elevados de ácido metilmalônico (>0,26umol/L)
✔️72% apresentaram Homocisteína > 7,5umol/L
✔️5% tinha deficiência sérica de ácido fólico
✔️Dentre as mulheres com homocisteína > 7,5umol/L, 87% aprensentavam níveis elevados de ácido metilmalônico ou níveis baixos de B12
.
PORTANTO: NA POPULAÇÃO ESTUDADA FOI MAIS FREQUENTE A DEFICIÊNCIA DE VITAMINA B12 QUE DE ÁCIDO FÓLICO. NOVOS ESTUDOS DEVEM AVALIAR DE FORMA DETALHADA A INGESTÃO, DEFICÊNCIA LABORATORIAL E SUPLEMENTAÇÃO OPORTUNA DE NUTRIENTES FUNDAMENTAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA NERVOSO DO FETO E PARA O ADEQUADO FUNCIONAMENTO DO CICLO DO ÁCIDO FÓLICO E HOMOCISTEÍNA PROMOVENDO MELHORES RESULTADOS MATERNOS E PERINATAIS
.
➡️ No Nepal, várias mulheres são vegetarianas
.

WhatsApp Image 2017-05-21 at 07.01.22

Por FEBRASGO: Federação das Associações de Ginecologia e Obstetrícia do Brasil .
Mulheres grávidas devem tomar ácido fólico durante a gravidez para prevenir defeitos do tubo neural em seus bebês. Agora, um novo estudo americano publicado na revista científica JAMA Pediatrics, atesta mais benefícios do suplemento. É que foi descoberto que o uso de ácido fólico durante a gravidez pode reduzir o risco de obesidade em crianças.
Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores estudaram 1.517 mães e seus filhos, medindo os níveis sanguíneos de ácido fólico delas no momento do parto e acompanharam as crianças numa média de 6 anos de idade.

WhatsApp Image 2017-05-21 at 09.11.17
✔️Postei este estudo apenas para referenciar a associação entre metilfolato, metilcobalamina e piridoxal-fosfato (vitaminas B9, B12 e B6) no tratamento de algumas patologias, como neste caso a neuropatia periférica diabética. .
✔️Trata-se de um tratamento eficaz, com elevado grau de satisfação para os pacientes e melhora do quadro álgico e da qualidade de vida. E são NUTRIENTES!!! Pensar em outros medicamentos ou hábitos de vida que podem depletar nossas vitaminas também é salutar para a reposição vitamínica adequada. .
✔️Fora do Brasil existem várias marcas, aqui no país, ainda não conseguimos esta associação apenas importando ou por farmácia magistral.
.
Link do trabalho (free) http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1185/03007995.2015.1103215


 

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar