Dispositivo IntraUterino (DIU)

 em Ginecologia, Ultrassonografia



Neste vídeo abaixo é possível perceber a técnica tradicional de implante de DIU hormonal ou não

 


 

 

Eu sou a favor da inserção do DIU guiada por ultrassonografia sob analgesia local (no consultório) ou geral endovenosa (no hospital). No vídeo abaixo, apresento umas das técnicas que utilizo para o implante de DIU guiada por ultrassonografia. Neste caso, a inserção é realizada com a utilização da ultrassonografia abdominal em tempo real.


 

Segue também num próximo vídeo, uma live que produzi no consultório com a participação de vários seguidores do instagram que fizeram perguntas sobre a contracepção por DIU. *Há um momento (por volta do minuto 39) que falo sobre a inserção do DIU em mulheres no primeiro filho, considerem que quis dizer nas mulheres que nunca tiveram filho .

 

 

 


Muitas mulheres não conhecem o processo de colocação do DIU, o que gera preocupação, esse video explica o procedimento.
Dispositivo intrauterino (DIU) e Sistema intrauterino (SIU – também conhecido como DIU medicado ou DIU Hormonal) são, como o nome já diz, sistemas ou dispositivos que devem ser inseridos por médicos, dentro do útero. A grande vantagem destes métodos é a comodidade posológica e a alta eficácia, que pode proteger a mulher durante 5 a 10 anos, dependendo do produto.

Qual a diferença entre os dois?

Ambos impedem a penetração e passagem dos espermatozoides, não permitindo seu encontro com o óvulo. A grande diferença é que o DIU é feito de cobre, um metal, e não possui nenhum tipo de hormônio, enquanto o SIU libera um hormônio dentro do útero. Além do efeito contraceptivo, o hormônio pode apresentar outros efeitos, como reduzir o fluxo menstrual.
Como posso utilizar o DIU/SIU?

O método deve ser inserido pelo seu médico após ele ter sido indicado para você. Algumas vezes antes do procedimento de inserção o médico poderá solicitar exames complementares, variando de caso a caso.

O procedimento de inserção é simples, rápido e costuma ser realizado no próprio consultório do médico, sem a necessidade de anestesia geral, porém pode causar um desconforto durante a inserção. E em alguns casos, opta-se pela inserção via hospitalar sob analgesia. A escolha é da cliente!!! Qualquer mulher pode utilizar o DIU/SIU?

Não, existem poucas situações em que o DIU e o SIU são contraindicados. A escolha do melhor método para cada tipo de mulher deve ser feita sob orientação médica, após a discussão e avaliação das suas necessidades e preferências.

https://www.instagram.com/p/BD9dY5zgUR2/?tagged=intrauterinedevice

 


LARC versus SARC: Estudo importante demonstra benefícios claros da contracepção reversível de longa duração em comparação com a contracepção reversível de curta duração

Os benefícios do aumento da absorção voluntária de LARC podem se estender a populações mais amplas do que se pensava anteriormente, de acordo com um grande estudo no American Journal of Obstetrics and Gynecology

          Artigo de 2016 fornece fortes evidências científicas de que a contracepção reversível de longa duração (LARC) beneficia uma população mais ampla de usuários potenciais do que se pensava anteriormente. As mulheres que tentaram métodos de ação prolongada (dispositivos intra-uterinos e implantes subdérmicos), apesar de sua preferência geral por contraceptivos orais ou injeções, encontraram LARC altamente satisfatório. Além disso, o estudo mostrou que a decisão de tentar um anticoncepcional de longa duração impediu a gravidez não intencional muito melhor do que o uso de um método de ação curta. Essas duas descobertas só foram alcançadas devido a abordagens científicas aprimoradas. Este grande estudo é publicado no American Journal of Obstetrics and Gynecology (DOI http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2016.08.033).

          Os LARCs, como os dispositivos intrauterinos (DIU) e os implantes sob a pele, são mais eficazes do que a contracepção reversível de curta duração (SARC), como a pílula anticoncepcional. Uma vez inseridos, os dispositivos de ação prolongada fornecem pelo menos três anos de proteção contínua da gravidez e são mais de 99% efetivos porque não estão sujeitos a erros de uso que possam reduzir a eficácia dos métodos de ação curta. Aproximadamente 48% das gravidezes não planejadas ocorrem no mês em que a contracepção é utilizada. Até agora, a aceitabilidade e o sucesso da LARC entre as mulheres inicialmente buscando um método de ação curta não tinham sido medidos.

          “A gravidez e o aborto involuntários são problemas teimosos nos Estados Unidos. Nos dados mais recentes de 2011, ocorreram 2,8 milhões de gravidezes indesejadas, o que representou 45% do número total de gravidezes nesse ano. Além disso, 42% das gravidezes não planejadas terminaram no aborto (totalizando mais de um milhão de procedimentos). Esses altos níveis não mudaram muito desde meados da década de 1990 “, explicou o investigador principal David Hubacher, PhD daCarolina do Norte, que conduziu a pesquisa em colaboração com a Planned Parenthood South Atlântico (PPSAT). “Um aumento na aceitação voluntária de LARC poderia ajudar a evitar muitas gravidezes indesejadas, reduzindo os riscos para a saúde associados e outras conseqüências negativas”.

          Os pesquisadores realizaram um teste de preferência de paciente parcialmente randomizado na Carolina do Norte e recrutaram mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 29 que inicialmente buscavam um método anticoncepcional de ação curta. As mulheres que concordaram com a randomização foram distribuídas aleatoriamente para uma das duas categorias: LARC ou SARC. As mulheres que recusaram a randomização, mas concordaram em acompanhar, escolheram seu próprio método preferido. Os participantes que foram randomizados escolheram um método específico na categoria e receberam-no gratuitamente, enquanto os participantes que escolheram seu método preferido pagaram sua contracepção de acordo com a forma usual. Dos 916 participantes, 43% escolheram randomização e 57% escolheram a opção de preferência.

          Os participantes foram seguidos de forma prospectiva para medir os resultados primários da continuação do método e gravidez não desejada aos 12 meses. Os pesquisadores também mediram a aceitabilidade em termos de nível de satisfação com os produtos. Um ano após o início do estudo, as mulheres randomizadas para LARC apresentaram altas taxas de continuação e, conseqüentemente, apresentaram proteção superior contra a gravidez não intencional em comparação com as mulheres que utilizam SARC. Os níveis de satisfação com LARC foram elevados (aproximadamente 78%).

“Nossa pesquisa encontrou evidências científicas de que usuários típicos de anticoncepção reversível de curta ação podem achar o LARC altamente aceitável”, disse o Dr. Hubacher. “No entanto, apesar dessas descobertas, certamente reconhece que nem todas as mulheres querem LARC e é claro que nem todas as mulheres estarão satisfeitas com a LARC”.

          O Dr. Hubacher observou que esses resultados fornecem evidências adicionais para recomendações de políticas que exigem maior acesso ao LARC para melhorar a saúde reprodutiva para adolescentes e mulheres nos EUA. Por exemplo, a Academia Americana de Pediatria recomenda agora a LARC como uma opção de primeira linha para adolescentes que escolhem não ser abstinentes. O American College of Obstetricians and Gynecologists emitiu recomendações semelhantes.

          O especialista notável David Turock, MD, MPH, professor associado, Departamento de Obstetrícia e Ginecologia, Universidade de Utah, Salt Lake City, UT, comentou: “Dr. Hubacher e colegas completaram uma investigação única na pesquisa de contraceptivos. Eles assumiram um grande risco pois eles não sabiam se os participantes concordariam em ser randomizados para diferentes tipos de contracepção. Este estudo demonstra claramente que são os LARCs (DIU e implantes), e não o tipo de mulheres que os preferem, que causam baixas taxas de gravidez. “

          Editor-em-chefe do American Journal of Obstetrics and Gynecology , Ingrid Nygaard, MD, acrescentou: “Este ensaio dissipa a noção de que a contracepção de longa duração funciona tão bem, principalmente porque as pessoas que a tomam são diferentes das pessoas que tomam ação curta contracepção, o qual poderia ser concluído a partir de estudos observacionais “.

Fonte: https://www.elsevier.com/about/press-releases/research-and-journals/larc-versus-sarc-major-study-demonstrates-clear-benefits-of-long-acting-reversible-contraception-compared-to-short-acting-reversible-contraception

 


CONTRACEPÇÃO EM MULHERES MILITARES DO SERVIÇO ATIVO DOS ESTADOS UNIDOS ENTRE 2012 E 2016 – Aumento na Contracepção por Contracepção de longa duração (DIU e implantes hormonais)

Este artigo (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29211490) resume a prevalência anual de esterilização permanente, bem como o uso de contraceptivos reversíveis de longa e curta duração (LARCs e SARCs, respectivamente), serviços de aconselhamento contraceptivo e uso de contracepção de emergência de 2012 até 2016 entre as mulheres do serviço ativo dos EUA .

  • LARC não hormonal: DIU de Cobre
  • LARC Hormonal: DIU com Progestágeno / DIU hormonal
  • SARC não hormonal: Preservativo masculino, preservativo feminino, diafragma
  • SARC hormonal: Contraceptivos Orais (combinados, progestágenos), Anel Vaginal, Adesivo

Em geral, 262.907 (76,2%) mulheres em idade fértil usaram um LARC ou um SARC em algum momento durante o período de sua vida reprodutiva.

De 2012 a 2016, a esterilização permanente diminuiu de 4,2% para 3,6%;

O uso de LARC aumentou de 17,2% para 21,7%; O uso de SARC diminuiu de 38,5% para 30,4%; e o uso de contracepção de emergência aumentou de 0,4% para 1,9%.

A prevalência anual de aconselhamento contraceptivo apenas foi relativamente estável em torno de 4,0%.

Este relatório estima o tempo de continuação dos LARCs, demonstrando que 86,1% continuaram seu dispositivo intra-uterino aos 12 meses, 78,5% aos 24 meses e 73,4% aos 36 meses.

Esses dados demonstram que a grande maioria das mulheres atendidas utilizaram pelo menos uma forma de contracepção e que as mulheres estão selecionando LARCs em maior número com cada ano que passa.

A prevalência de utilização de contraceptivos entre as mulheres atendidas pelo serviço também é relatada.

É um caminho lógico: mulheres preocupadas com sua saúde, que buscam informações mais atualizadas sobre contracepção, apresentam uma tendência maior em fazer uso da contracepção por DIU.

 


DIUemadolescentes

 

.
Entre as gravidezes de adolescentes, 75% são não intencionais. O maior uso de contracepção altamente eficaz pode reduzir a gravidez indesejada. Embora vários estudos discutam o uso de contraceptivos de adolescentes, não há consenso quanto ao uso de contracepção reversível de longa ação como uma opção de contracepção de primeira linha
.
Objetivo / Metodologia
✔Foi realizada uma revisão sistemática da literatura médica para avaliar a continuidade de contraceptivos reversíveis de longa duração entre adolescentes.
✔Os artigos publicados de janeiro de 2002 a agosto de 2016 foram selecionados para inclusão com base em pesquisas de palavras-chave específicas e revisão detalhada de bibliografias
✔As diretrizes, revisões sistemáticas e revisões clínicas foram examinadas para citações adicionais e pontos relevantes para discussão
✔De 1677 artigos inicialmente identificados, 90 foram selecionados para revisão completa. Destes, 12 artigos preenchiam critérios de inclusão
✔Os resultados primários medidos foram a continuação do método aos 12 meses e as taxas de expulsão dos dispositivos intra-uterinos.
.
Resultados
✔A continuação de 12 meses de qualquer dispositivo contraceptivo reversível de longa duração foi de 84,0%
✔A manutenção do dispositivo intra-uterino foi de 74,0% (intervalo de confiança de 95%, 61,0-87,0%) e a continuação do implante foi de 84% (intervalo de confiança de 95%, 77,0-91,0%)
✔Entre os adolescentes pós-parto, a taxa de continuidade contraceptiva reversível de longa duração de 12 meses foi de 84,0% (intervalo de confiança de 95%, 71,0-97,0%)
✔A taxa de expulsão do dispositivo intra-uterino combinado foi de 8,0% (intervalo de confiança de 95%, 4,0-11,0%).
.
Conclusões:
✔Adolescentes e mulheres jovens têm uma alta de taxa de continuidade em 12 meses dos métodos contraceptivos reversíveis de ação prolongada
✔Os dispositivos e implantes intra-uterinos devem ser oferecidos a todas as adolescentes como opções contraceptivas de primeira linha
.
#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #intrauterinedevice#DIU

diu2
Estudos anteriores demonstraram uma diminuição do câncer do colo do útero associada ao uso de dispositivos intra-uterinos (DIU). Tem-se a hipótese de que o uso do DIU pode alterar a história natural de infecções pelo papilomavírus humano (HPV), prevenindo o desenvolvimento de lesões pré-cancerosas do colo do útero e câncer cervical, mas o efeito do DIU sobre a história natural da infecção pelo HPV e posterior desenvolvimento de câncer cervical é mal compreendida
.
O objetivo deste estudo foi avaliar a associação entre o uso de DIU e a aquisição ou remoção de HPV de alto risco cervical.
.
Este é um estudo de coorte prospectivo realizado de outubro de 2000 a junho de 2014 entre 676 mulheres sexualmente ativas jovens e meninas matriculadas em clínicas de planejamento familiar em San Francisco, CA
.
Resultados:
✔Não houve associação entre o uso do DIU e a aquisição do HPV (razão de risco, 0,50, intervalo de confiança de 95%, 0,20-1,23, P = 0,13)
.
Conclusão
✔A utilização atual de DIU não está associada à aquisição ou persistência de infecção por HPV
✔O uso de DIU é seguro entre mulheres e meninas/adoelscentes com infecções por HPV e em risco de aquisição de HPV
✔O uso do DIU pode desempenhar um papel a mais na história natural do câncer cervical, inibindo o desenvolvimento de lesões pré-cancerosas do colo do útero em mulheres infectadas com HPV ou diminuindo as lesões pré-cancerosas já estabelecidas
.
#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 # intrauterinedevice#DIU #HPV

diucadecolo
.
Há 5 anos, em 2011, um estudo ÉPICO, publicada na renomada revista LANCET ONCOLOGY, avaliou o MITO que sempre foi FALSAMENTE DIVULGADO de que o DIU AUMENTARIA O RISCO DE CÂNCER DE COLO UTERINO. Baseado em 26 estudos epidemiológicos, em diversos países do mundo, com um n inicial maior que 15.000 os autores concluíram assim:
.
“NOSSOS DADOS SUGEREM QUE O USO DO DIU PODE AGIR COMO UM COFATOR PROTETOR NA CARCINOGÊNESE CERVICAL. A IMUNIDADE CELULAR ACIONADA PELO DISPOSITIVO PODE SER UM DOS VÁRIOS MECANISMOS QUE PODERIAM EXPLICAR OS NOSSOS ACHADOS.”
.
✔️DIU de cobre, não hormonal, protege contra o câncer de colo do útero porque não está relacionado com a metaplasia da junção escamo celular, tornando o colo uterino mais susceptível à infecção pelo HPV, envolvido na carcinogênese cervical
.
Quer que eu descomplique? OK! ANTICONCEPCIONAL HORMONAL PROVOCA ALTERAÇÃO NO EPITÉLIO (PORÇÃO SUPERFICIAL) DO COLO UTERINO, AUMENTANDO O RISCO DE INFECÇÃO PELO VÍRUS DO HPV, RESPONSÁVEL PELO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO
.
Estamos no Outubro Rosa não é? Então sejamos verdadeiros com informações importantes e que podem realmente ter impacto na saúde pública. O uso de preservativos reduz o risco de câncer de colo uterino, quaisquer hormônios (anticoncepcionais ou esteróides anabolizantes, por exemplo) que seu corpo não produz pode alterar a sua FISIOLOGIA aumentando o risco de diversas patologias em diversos órgãos incluindo o fígado e também mamas, ovários e útero (na mulher) ou próstata (no homem). Por outro lado, alimentação saudável, prática de atividade física, gerenciamento do estresse e do sono ajudam na manutenção da SAÚDE INTEGRAL, diminuindo tais riscos
.
*️⃣Você discorda? Então publique ou divulgue um estudo NO SEU INSTAGRAM / FACEBOOK que diga o contrário, sem conflitos de interesse
.

larc
.
✔️Entre os anticoncepcionais mais eficazes estão os contraceptivos reversíveis de longa duração (LARC – long-acting reversible contraceptives), que são aqueles em que o intervalo de administração é igual ou superior a 3 anos
.
✔️Os LARCs disponíveis no Brasil são o IMPLANTE LIBERADOR DE ETONOGESTREL, o DISPOSITIVO INTRAUTERINO COM COBRE e o SIU-LNG
.
✔️A vantagem dos LARCs é a sua baixa taxa de falha por independerem da ação diária da usuária para manter sua eficácia, sendo fortemente recomendados para grupos de baixa adesão, como adolescentes e usuárias de álcool e outras drogas
.
✔️Estudo americano prospectivo (Contraceptive CHOICE Project) observou maiores taxas de satisfação e de taxa de adesão entre usuárias de LARCs comparadas às usuárias de contraceptivos hormonais de curta duração. Além disto, a eficácia contraceptiva foi superior em usuárias de LARC, uma vez que esta não se altera com a idade da usuária e nem o com tempo de uso
.
✔️As evidências científicas sugerem que as taxas de eficácia e satisfação são maiores em nulíparas usuárias de DIU do que usuárias de COCs; e, não há evidência de associação com subsequente infertilidade
.
➡️DESTA FORMA, DEVEM SER OFERECIDOS, COMO PRIMEIRA OPÇÃO, PARA MULHERES QUE DESEJAM CONTRACEPÇÃO
.
Fonte: FEBRASGO – Guia Prático Rotinas de Anticoncepção para Residentes em G.O., 2015


WhatsApp Image 2017-05-20 at 15.54.02
➰”O DIU TCu380A é o dispositivo de cobre mais eficaz disponível. De modo geral, este tipo demonstra eficácia superior aos: Multiload 375 (MLCu375), Multiload 250 (MLCu250), Cobre T220 (TCu220) e Cobre T200 (TCu200). Entretanto, as diferenças em números absolutos de taxas de gravidez entre TCu380A e MLCu375 foi pequena .
➰Na ausência de contraindicações, o DIU pode ser considerado para qualquer mulher que procura um método contraceptivo de confiança, reversível, independente do coito, de longo prazo. As mulheres que têm contraindicações ao estrogênio ou mulheres que amamentam podem ser boas candidatas para o uso dos DIUs
.
➰Os estudos de caso-controle fornecem evidências de que o uso de DIU de cobre reduz o risco de câncer endometrial
.
➰Na ausência de contraindicações, a escolha da paciente deve ser o principal fator de prescrição de um método contraceptivo
.
➰Os avanços em contracepção estão proporcionando às mulheres a opção de escolher o método que mais se adapte ao seu perfil, sempre priorizando a eficácia, a segurança e os benefícios não contraceptivos.”
.
Fonte: FEBRASGO Guia Prático de Contacepção de Longa Duração
.
➡️O DIU pode ser inserido no consultório no período menstrual ou sobre analgesia num hospital. O direito de escolha é da cliente. A avaliação ultrassonográfica imediata logo após a inserção do DIU traz mais segurança para a cliente e o seu ginecologista

 WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.15.54
✅As mulheres que estão conscientes da real eficácia de vários métodos contraceptivos são mais propensas a escolher o DIU
.
✅Por outro lado, as mulheres que estão mal-informadas sobre a segurança do DIU pode ser menos propensas a usar este método
.
✅Indivíduos usam cada vez mais a Internet para obter informações de saúde
.
✅Informações sobre o DIU obtidos através da Internet podem influenciar atitudes sobre uso de DIU entre os pacientes.
.
O Objetivo do estudo foi avaliar a qualidade da informação sobre o DIU na internet que fornecem informações sobre métodos contraceptivos para o público
.
Resultados
➡️ De 2000 sites, 108 eram elegíveis para análise
.
105 (97,2%) desses sites continham informações sobre o DIU
.
86% destes sites que pelo menos um mecanismo do DIU
.
A maioria dos sites relataram com precisão vantagens do DIU incluindo que a atuação prolongada (91%), alta eficácia (82%), e reversibilidade (68%)
.
No entanto, apenas 30% dos sites indicados explicitamente que os DIUs são seguros
.
Cinquenta por cento (n = 53) dos sites continham informações imprecisas sobre o DIU tal como:
aumento do risco de doença inflamatória pélvica além do primeiro mês de inserção (27%) ou .
mulheres em relacionamentos não monogâmicos (30%) e mulheres nulíparas (20%) são os candidatos não adequados .
44% afirmaram que um mecanismo de ação do DIU é a prevenção da implantação de um óvulo fertilizado
.
Apenas 3% dos sites afirmou incorretamente que o DIU é um abortivo
.
Mais de um quarto dos sites listados relatam uma contra-indicação imprecisa para o DIU como nuliparidade, história de doença inflamatória pélvica, ou história de uma gravidez ectópica.
.
✔️Conclusão
.
1️⃣ A qualidade da informação sobre os DIUs disponíveis na Internet é variável. Informações precisas são misturadas com informações imprecisas ou desatualizadas que poderiam perpetuar mitos sobre o DIU
.
2️⃣ Os médicos precisam adquirir conhecimento sobre recursos de internet precisos baseados em evidências científicas para proporcionarem às mulheres informações corretas e de qualidade
.

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.04.23
Inserção de DIU e Ultrassonografia logo após a inserção – Parte 3
.
➡️E pra terminar com chave de ouro, depois do artigo dos Estados Unidos, outro da Índia, segue agora um artigo do Egito sobre a inserção do DIU e a realização de ultrassonografia (USG) logo após o procedimento!!!
.
✳️80 mulheres foram randomizadas nos grupos: Inserção de DIU guiada por USG e Inserção de DIU não guiada por USG. Quais os principais resultados:
.
✔️A taxa de sucesso de inserção de DIU foi de 80% para o grupo de inserção não guiada por USG contra 98% quando guiada por USG
.
✔️ A localização ideal do dispositivo em 68% para o grupo de inserção não guiada por USG contra 95% quando guiada por USG
.
✔️ O Uso de Pinça de Pozzi em 65% para o grupo de inserção não guiada por USG contra 35% quando guiada por USG
.
✔️ O Tempo de Inserção foi de 11 minutos para o grupo de inserção não guiada por USG contra 5 minutos quando guiada por USG
.
✔️ O Escore de satisfação (questionário específico) foi de 1,4 para o grupo de inserção não guiada por USG contra 2,6 quando guiada por USG
.
FINALMENTE TEMOS UM ESTUDO COMPARATIVO, QUE EVIDENCIOU (foi estatisticamente significante) QUE A INSERÇÃO DE DIU GUIADA POR ULTRASSONOGRAFIA É EFICAZ, SEGURA, RÁPIDA, DIMINUI A UTILIZAÇÃO DE OUTROS PROCEDIMENTOS INVASIVOS (pinça de pozzi no estudo em questão) E APRESENTA MELHOR ESCORE DE SATISFAÇÃO) QUANDO COMPARADA COM A INSERÇÃO DE DIU NÃO GUIADA POR ULTRASSONOGRAFIA.

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.05.20
✔️Ufa! Achei um trabalho que avaliou a inserção do DIU com a realização imediata de ultrassonografia. Realizo este procedimento há alguns anos e considero a melhor e mais rápida forma de avaliar o correto posicionamento do DIU
.
✔️Mais ainda, o artigo propôs uma técnica de inserção menos dolorosa sem a necessidade histerometria prévia à inserção. O trabalho avaliou 50 mulheres realizando a inserção por uma técnica menos invasiva, avaliando a localização do DIU logo após a inserção e 4-6 semanas após o procedimento.
.
✔️O principal resultado foi a verificação de correta localização do DIU (na porção fúndica endometrial)
.
✔️Outros resultados interessantes:
.
Numa escala analógica onde 0 (seria sem dor) e 100 (a pior dor já sentida), as participantes apresentaram média 20,2 de dor com a colocação do espéculo e 55,3 de dor com a inserção do DIU (sob analgesia não existe este desconforto, mas existe o risco anestésico)
.
Na mesma escala analógica de 0-100 (0 completamente insatisfeita e 100 totalmente satisfeita), a média de satisfação foi de 86,8
.
60% dos profissionais consideraram a inserção fácil, 34% moderada e 6% difícil .
64% das mulheres não tinham filhos (acabem com o mito de que mulheres sem filhos não podem usar DIU como método contraceptivo!)
.
Após 4-6 semanas 94% das pacientes apresentavam o DIU em localização correta (fundo uterino)
.
Minhas (humildes e entusiasmadas) considerações:
.
✅A ultrassonografia transvaginal logo após a inserção é um método barato, rápido e sem risco para confirmação da correta localização do DIU, além de permitir um reimplante nos casos mal localizados
✅Deve-se oferecer a opção de escolha da paciente: se deseja a inserção sem analgesia, ou com analgesia
✅Não tenho experiência de inserção de DIU com histeroscopia, porém considero mais invasivo do que a ultrassonografia

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.04.50
✳️ Inserção de DIU e Ultrassonografia logo após a inserção – Parte 2
.
✔️Outro interessante trabalho mostra a inserção de DIU após o parto, utilizando a ultrassonografia logo após o procedimento. Lembrar que nestes casos, insertores mais longos e espessos, facilitam a correta inserção
.
✔️O que antes achava desnecessário (aqui no Nordeste chamam de caqueado) parece que se tornará uma realidade. .
Segue o link: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4807754/pdf/132.pdf

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar