Nutrologia em Ginecologia e Obstetrícia

 em Ginecologia, Nutrologia e Prática Ortomolecular, Obstetrícia

Quais são os cinco grupos alimentares?

  1. Grãos – Pão, macarrão, aveia, cereais e tortilhas são todos grãos.
  2. Frutas — As frutas podem ser frescas, enlatadas, congeladas ou secas. Suco que é 100% suco de fruta também conta.
  3. Legumes – Legumes podem ser crus ou cozidos, congelados, enlatados, secos ou 100% suco de vegetais.
  4. Alimentos proteicos – Alimentos proteicos incluem carne, aves, frutos do mar, feijões e ervilhas, ovos, produtos processados ​​de soja, nozes e sementes.
  5. Laticínios – Leite e produtos feitos de leite, como queijo, iogurte e sorvete, compõem o grupo de laticínios.

Os óleos e gorduras são parte da alimentação saudável?

Embora eles não sejam um grupo de alimentos, óleos e gorduras fornecem nutrientes importantes . Durante a gravidez, as gorduras que você come fornecem energia e ajudam a construir muitos órgãos fetais e a placenta . A maioria das gorduras e óleos em sua dieta deve vir de fontes vegetais. Limite as gorduras sólidas, como as de origem animal. Gorduras sólidas também podem ser encontradas em alimentos processados.

Por que vitaminas e minerais são importantes na minha dieta?

Vitaminas e minerais desempenham papéis importantes em todas as funções do seu corpo. Durante a gravidez, você precisa de mais ácido fólico e ferro do que uma mulher que não está grávida.

Como posso obter as quantidades extras de vitaminas e minerais de que preciso durante a gravidez?

Tomar um suplemento vitamínico pré-natal pode garantir que você está recebendo esses valores extras. Uma boa alimentação deve fornecer todas as outras vitaminas e minerais que você precisa durante a gravidez.

O que é o ácido fólico e quanto eu preciso diariamente?

O ácido fólico, também conhecido como folato, é uma vitamina B importante para mulheres grávidas. Antes da gravidez e durante a gravidez, você precisa de 400 microgramas de ácido fólico diariamente para ajudar a prevenir grandes defeitos congênitos do cérebro e da coluna vertebral do feto, chamados defeitos do tubo neural . As diretrizes alimentares atuais recomendam que as mulheres grávidas recebam pelo menos 600 microgramas de ácido fólico diariamente de todas as fontes. Pode ser difícil obter a quantidade recomendada de ácido fólico apenas com a comida. Por este motivo, todas as mulheres grávidas e todas as mulheres que possam engravidar devem tomar um suplemento vitamínico diário que contenha ácido fólico.

Por que o ferro é importante durante a gravidez e quanto eu preciso diariamente?

O ferro é usado pelo organismo para produzir uma substância nos glóbulos vermelhos que transporta oxigênio para os órgãos e tecidos. Durante a gravidez, você precisa de ferro extra – cerca do dobro da quantidade que uma mulher não grávida precisa. Este ferro extra ajuda seu corpo a produzir mais sangue para fornecer oxigênio ao seu feto . A dose diária recomendada de ferro durante a gravidez é de 27 mg, que é encontrada na maioria dos suplementos vitamínicos pré-natais. Você também pode comer alimentos ricos em ferro, incluindo carne vermelha magra, aves, peixe, feijão e ervilha, cereais fortificados com ferro e suco de ameixa. O ferro também pode ser absorvido mais facilmente se alimentos ricos em ferro forem ingeridos com alimentos ricos em vitamina C, como frutas cítricas e tomates.

Por que o cálcio é importante durante a gravidez e quanto eu preciso diariamente?

O cálcio é usado para construir os ossos e dentes do feto. Todas as mulheres, incluindo mulheres grávidas, com 19 anos ou mais, devem receber 1.000 mg de cálcio por dia; aqueles com idade entre 14 e 18 anos devem receber 1.300 mg diariamente. Leite e outros produtos lácteos, como queijo e iogurte, são as melhores fontes de cálcio. Se você tiver problemas para digerir produtos lácteos, poderá obter cálcio de outras fontes, como brócolis; verduras escuras e frondosas; sardinhas; ou um suplemento de cálcio.

Por que a vitamina D é importante durante a gravidez e quanto eu preciso diariamente?

A vitamina D trabalha com cálcio para ajudar os ossos e dentes do feto a se desenvolverem. Também é essencial para uma pele saudável e visão. Todas as mulheres, incluindo as que estão grávidas, precisam de 600 unidades internacionais de vitamina D por dia. Boas fontes são leite fortificado com vitamina D e peixe gordo como salmão. A exposição ao sol também converte uma substância química na pele em vitamina D.

Quanto peso devo ganhar durante a gravidez?

A quantidade de ganho de peso recomendada depende da sua saúde e do índice de massa corporal antes de você estar grávida. Se você tiver um peso normal antes da gravidez, você deve ganhar entre 25 libras (11Kg) e 35 libras (15kg) durante a gravidez. Se você estava abaixo do peso antes da gravidez, você deve ganhar mais peso do que uma mulher que estava com um peso normal antes da gravidez. Se você estava com sobrepeso ou obeso antes da gravidez, você deve ganhar menos peso.

O excesso de peso ou obesidade pode afetar minha gravidez?

Mulheres com sobrepeso e obesas correm um risco maior de vários problemas de gravidez. Esses problemas incluem diabetes gestacional , pressão alta, pré-eclâmpsia , parto prematuro e parto cesáreo . Bebês de mulheres com sobrepeso e obesas também correm maior risco de certos problemas, como defeitos congênitos, macrossomia com possível dano ao nascimento e obesidade infantil.

A cafeína da minha dieta pode afetar minha gravidez?

Embora tenha havido muitos estudos sobre se a cafeína aumenta o risco de aborto , os resultados não são claros. A maioria dos especialistas afirma que o consumo de menos de 200 mg de cafeína (uma xícara de café de 12 onças, 350ml) por dia durante a gravidez é seguro.

Quais são os benefícios de incluir peixe e marisco na minha dieta durante a gravidez?

Os ácidos graxos ômega-3 são um tipo de gordura encontrada naturalmente em muitos tipos de peixes. Eles podem ser fatores importantes no desenvolvimento do cérebro do feto antes e depois do nascimento. Para obter o máximo de benefícios dos ácidos graxos ômega-3, as mulheres devem ingerir pelo menos duas porções de peixe ou marisco (cerca de 8 a 12 onças, 230 a 350ml) por semana antes de engravidar, durante a gravidez e durante a amamentação.

O que devo saber sobre comer peixe durante a gravidez?

Alguns tipos de peixe têm níveis mais altos de um metal chamado mercúrio do que outros. Mercúrio tem sido associado a defeitos congênitos. Para limitar sua exposição ao mercúrio, siga algumas orientações simples. Escolha peixe e marisco, como camarão, salmão, peixe-gato e pollock. Não coma tubarão, espadarte, carapau, marin, orange roughy ou tilefish. Limite o atum branco (albacora) a 6 onças (170g) por semana. Você também deve verificar os alertas sobre peixes capturados em águas locais.

Como a intoxicação alimentar pode afetar minha gravidez?

A intoxicação alimentar em uma mulher grávida pode causar sérios problemas para ela e seu feto. Vômitos e diarréia podem fazer com que seu corpo perca muita água e possa atrapalhar o equilíbrio químico do corpo. Para evitar intoxicações alimentares, siga estas diretrizes gerais:

  • Lave a comida. Lave todos os produtos crus completamente sob água corrente antes de comer, cortar ou cozinhar.
  • Mantenha sua cozinha limpa. Lave as mãos, facas, bancadas e tábuas de corte depois de manusear e preparar alimentos crus.
  • Evite todos os frutos do mar crus e mal cozidos, ovos e carne. Não coma sushi feito com peixe cru (sushi cozido é seguro). Alimentos como carne bovina, suína ou aves devem ser cozidos a uma temperatura interna segura.

O que é listeriose e como isso pode afetar minha gravidez?

A listeriose é um tipo de doença de origem alimentar causada por bactérias. As mulheres grávidas são 13 vezes mais propensas a sofrer de listeriose do que a população em geral. A listeriose pode causar sintomas leves, como a gripe, como febre, dores musculares e diarréia, mas também pode não causar nenhum sintoma. A listeriose pode levar a aborto espontâneo, parto fetal e parto prematuro. Antibióticos podem ser administrados para tratar a infecção e proteger seu feto. Para ajudar a prevenir a listeriose, evite comer os seguintes alimentos durante a gravidez:

  • Leite não pasteurizado e alimentos feitos com leite não pasteurizado
  • Cachorro-quente, carnes frias e frios, a menos que sejam aquecidos até que fumem bem antes de servir
  • Pastas de carne e refrigerados
  • Marisco fumado refrigerado
  • Frutos do mar crus e mal cozidos, ovos e carne

Suplementação de cálcio durante a gravidez para prevenir distúrbios hipertensivos e problemas relacionados.

Informação sobre o autor

1
Walter Sisulu University, Universidade de Fort Hare, Universidade de Witwatersrand, Departamento de Saúde de Eastern Cape, East London, África do Sul.

Resumo

INTRODUÇÃO

A pré-eclâmpsia e a eclâmpsia são causas comuns de morbidade e morte graves. A suplementação de cálcio pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia e pode ajudar a prevenir o nascimento prematuro. Esta é uma atualização de uma revisão publicada pela última vez em 2014.

OBJETIVOS:

Avaliar os efeitos da suplementação de cálcio durante a gravidez em distúrbios hipertensivos da gravidez e resultados maternos e infantis relacionados.

MÉTODOS DE PESQUISA:

Pesquisamos o Cochrane Pregnancy and Childbirth’s Trials Register, ClinicalTrials.gov, a Plataforma Internacional de Registros de Ensaios Clínicos da OMS (ICTRP) (18 de setembro de 2017) e as listas de referência dos estudos recuperados.

CRITÉRIO DE SELEÇÃO:

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados (ECR), incluindo ensaios clínicos randomizados em cluster, comparando a suplementação de cálcio de alta dose (pelo menos 1 g diários de cálcio) durante a gravidez com placebo. Para baixa dose de cálcio foram incluídos ensaios quase randomizados, ensaios sem placebo, ensaios com co-intervenções e ensaios de comparação de dose.

COLETA E ANÁLISE DE DADOS:

Dois pesquisadores avaliaram independentemente os ensaios para inclusão e risco de viés, extraíram os dados e verificaram sua precisão. Dois pesquisadores avaliaram as evidências usando a abordagem GRADE.

RESULTADOS PRINCIPAIS:

Foram incluídos 27 estudos (18.064 mulheres). Avaliamos os estudos incluídos como sendo de baixo risco de viés, embora o viés fosse freqeentemente difícil de avaliar devido à má informação e informação inadequada sobre os métodos. Suplementação com cálcio em altas doses (≥ 1 g / dia) versus placebo: Quatro estudos examinaram essa comparação, porém um estudo não contribuiu com dados. Os 13 estudos contribuíram com dados de 15.730 mulheres para as nossas meta-análises. O risco médio de pressão arterial elevada (PA) foi reduzido com suplementação de cálcio em comparação com placebo (12 ensaios, 15.470 mulheres: taxa de risco (RR) 0,65, intervalo de confiança de 95% (IC) 0,53 a 0,81; I² = 74%). Houve também uma redução no risco de pré-eclâmpsia associada à suplementação de cálcio(13 ensaios, 15.730 mulheres: RR médio 0,45, IC 95% 0,31 a 0,65; I² = 70%; evidências de baixa qualidade). Este efeito foi claro para as mulheres com dietas pobres em cálcio (oito ensaios, 10.678 mulheres: RR média 0,36, IC 95% 0,20 a 0,65; I² = 76%), mas não aquelas com dietas adequadas de cálcio. O efeito pareceu ser maior para as mulheres com maior risco de pré-eclâmpsia, embora isso possa ser devido aos pequenos efeitos do estudo (cinco ensaios, 587 mulheres: RR médio 0,22, IC 95% 0,12 a 0,42). Esses dados devem ser interpretados com cautela devido à possibilidade de efeitos de estudos pequenos ou viés de publicação. No maior estudo, a redução na pré-eclâmpsia foi modesta (8%) e o IC incluiu a possibilidade de ausência de efeito. O desfecho composto morte materna ou morbidade grave foi reduzida com suplementação de cálcio(quatro ensaios, 9732 mulheres; RR 0,80, IC 95% 0,66 a 0,98). As mortes maternas não foram diferentes (um estudo de 8312 mulheres: uma morte no grupo do cálcio versus seis no grupo do placebo). Houve um aumento anômalo no risco de síndrome HELLP no grupo de cálcio (dois ensaios, 12.901 mulheres: RR 2,67, IC 95% 1,05-6,82, evidências de alta qualidade), no entanto, o número absoluto de eventos foi baixo (16 versus seis). O risco médio de parto pré-termo foi reduzido na suplementação de cálcio (11 estudos, 15.275 mulheres: RR 0,76, IC 95% 0,60 a 0,97; I² = 60%; evidências de baixa qualidade); essa redução foi maior entre as mulheres com maior risco de desenvolver pré-eclâmpsia (quatro estudos, 568 mulheres: RR médio 0,45, IC 95% 0,24 a 0,83; I² = 60%). Mais uma vez, esses dados devem ser interpretados com cautela devido à possibilidade de efeitos de estudos pequenos ou viés de publicação. Não houve efeito claro na admissão aos cuidados intensivos neonatais. Também não houve efeito claro sobre o risco de morte fetal ou morte infantil antes da alta hospitalar (11 estudos, 15.665 bebês: RR 0,90, IC 95% 0,74 a 1,09). Um estudo mostrou uma redução na PA sistólica na infância maior que o percentil 95 entre crianças expostas à suplementação de cálcio intrauterina (514 crianças: RR 0,59, IC 95% 0,39 a 0,91). Num subconjunto destas crianças, a cárie dentária aos 12 anos de idade foi também reduzida (195 crianças, RR de 0,73, IC 95% 0,62-0,87) .Low dose cálcio suplementação (<1 g / dia) versus placebo ou nenhum tratamento.

Suplementação de cálcio em baixas doses (<1 g / dia) versus placebo ou nenhum tratamento

Doze estudos (2334 mulheres) avaliaram a suplementação de baixa dose (geralmente 500 mg ao dia) com cálcio isoladamente (quatro ensaios) ou em associação com vitamina D (cinco ensaios), ácido linoléico (dois ensaios) ou antioxidantes (um ensaio). A maioria dos estudos recrutou mulheres com alto risco de pré-eclâmpsia e estavam em alto risco de viés, portanto, os resultados devem ser interpretados com cautela. A suplementação com baixas doses de cálcio reduziu o risco de pré-eclâmpsia (nove estudos, 2234 mulheres: RR 0,38, IC 95% 0,28 a 0,52). Houve também uma redução na PA elevada (cinco ensaios, 665 mulheres: RR 0,53, IC 95% 0,38-0,74), internação em unidade de terapia intensiva neonatal (um ensaio, 422 mulheres, RR 0,44, IC 95% 0,20 a 0,99), mas não nascimento prematuro (seis ensaios, 1290 mulheres, média RR 0,83, IC 95% 0,34-2,03), ou natimorto ou morte antes da alta (cinco ensaios, 1025 bebês, RR 0,48,

Dose alta (= /> 1 g) versus dose baixa (<1 g) de suplementação de cálcio

Incluímos um estudo com 262 mulheres, cujos resultados devem ser interpretados com cautela devido ao risco pouco claro de viés. O risco de pré-eclâmpsia pareceu ser reduzido no grupo de altas doses (RR 0,42, IC 95% 0,18 a 0,96). Não foram encontradas outras diferenças (nascimento prematuro: RR 0,31, IC 95% 0,09-1,08; eclâmpsia: RR 0,32, IC 95% 0,07-1,53; natimorto: RR 0,48, IC 95% 0,13-1,83).

Conclusão dos autores

A suplementação de cálcio em altas doses (≥ 1 g / dia) pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia e parto prematuro, particularmente em mulheres com dietas pobres em cálcio (evidência de baixa qualidade). O efeito do tratamento pode ser superestimado devido a efeitos de pequenos estudos ou viés de publicação. Reduz a ocorrência do desfecho composto “morte materna ou morbidade grave”, mas não a natimortalidade ou a alta internação neonatal. Houve um risco aumentado de síndrome HELLP com suplementação de cálcio, que era pequena em números absolutos.

A evidência limitada sobre a suplementação de cálcio em baixas doses sugere uma redução na pré-eclâmpsia, hipertensão e admissão em cuidados neonatais elevados, mas precisa ser confirmada por estudos maiores e de alta qualidade.


2018 4 de maio: 1-5.

Ácido alfa-lipóico em ginecologia e obstetrícia.

Resumo

O ácido alfa-lipóico (ALA) é um antioxidante natural sintetizado por plantas e animais, identificado como um agente catalítico para a descarboxilação oxidativa de piruvato e α-cetoglutarato. Nesta revisão, analisamos a ação do ALA em ginecologia e obstetrícia focando em particular a dor neuropática e a ação antioxidante e antiinflamatória. Uma pesquisa bibliográfica abrangente foi realizada na PubMed e na Biblioteca Cochrane para recuperar artigos em inglês sobre os efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios do ALA em condições ginecológicas e obstétricas. O ALA reduz o estresse oxidativo e a resistência à insulina em mulheres com síndrome dos ovários policísticos (SOP). A associação de N-acetilcisteína (NAC), ácido alfa-lipóico (ALA) e bromelaína (Br) é usada para prevenção e tratamento da endometriose. Em associação com ômega-3 ácidos graxos poliinsaturados (n-3 PUFAs) com amitriptilina é usado para o tratamento de vestibulodinia / síndrome da bexiga dolorosa (VBD / PBS). Uma área promissora de pesquisa é a suplementação de ALA em pacientes com aborto espontâneo para melhorar a reabsorção do hematoma subcoriônico. Além disso, o ALA pode ser usado na prevenção de embriopatia diabética e ruptura prematura de membranas fetais induzidas por inflamação. Em conclusão, o ALA pode ser utilizado com segurança para o tratamento da dor neuropática e como suplementação alimentar durante a gravidez .


Gravatá, 30 de março de 2018
2018 21 de março: appiajp201817070836. doi: 10.1176 / appi.ajp.2018.17070836. [Epub ahead of print]

Prevenção primária pré-natal da doença mental por suplementos de micronutrientes na gravidez .

Resumo

Genes, infecções, desnutrição e outros fatores que afetam o desenvolvimento do cérebro fetal são um componente importante do risco para o desenvolvimento emocional de uma criança e, posteriormente , para doenças mentais , incluindo esquizofrenia, transtorno bipolar e autismo.

Intervenções pré-natais para melhorar esse risco ainda não foram estabelecidas para uso clínico. Uma revisão sistemática de nutrientes pré-natais e desenvolvimento emocional da infância e, posteriormente, doença mental foi realizada. Ensaios clínicos randomizados com suplementos de ácido fólico, fosfatidilcolina e omega-3 foram analisados para avaliar os efeitos de doses além daquelas adequadas para remediar deficiências para promover o desenvolvimento fetal normal, apesar dos riscos genéticos e ambientais.

O ácido fólico para prevenir defeitos do tubo neural é um exemplo.

As vitaminas A e D são atualmente recomendadas em níveis otimizados, mas a inconformidade dos estudos observacionais ainda não permite a avaliação de seus efeitos. (CUIDADO COM A DOSE ADMINISTRADA DE VITAMINA A NA GRAVIDEZ)

Suplementos de Ácido Fólico e fosfatidilcolina  têm mostrado evidências para melhorar o desenvolvimento emocional infantil associado a doenças mentais posteriores.

As vitaminas A e D diminuíram o risco de esquizofrenia e autismo em observações retrospectivas.

Suplementação com ácidos graxos ômega-3 no início da gestação aumentou o risco de esquizofrenia e aumentou os sintomas do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, mas na gravidez tardia diminuiu a sibilância na infância e o nascimento prematuro.

Os estudos são complicados pelo período de tempo entre o nascimento e o surgimento de doenças mentais como a esquizofrenia, em comparação com anomalias como as fissuras faciais identificadas no nascimento. Como parte dos cuidados maternos e fetais abrangentes, as intervenções pré-natais de nutrientes devem ser consideradas como primeiros passos exclusivamente eficazes na redução do risco de futuras doenças psiquiátricas e outras em recém-nascidos.

PALAVRAS-CHAVE:

Desenvolvimento fetal; Ácido fólico; Nutrição; Ômega3; Fosfatidilcolina; Gravidez ; Esquizofrenia; Vitamina A; Vitamina D


RECIFE, 18 de março de 2018

Valores de Referência para Oligoelementos a Gravidez

O desenvolvimento de valores de referência de oligoelementos é reconhecido como um pré-requisito fundamental para a avaliação do estado nutricional dos oligoelementos e dos riscos para a saúde. Neste estudo, um total de 1400 mulheres grávidas com idade entre 27,0 ± 4,5 anos foram selecionados aleatoriamente da Pesquisa Nutricional e de Saúde da China 2010-2012 (CNHS 2010-2012). As concentrações de 14 oligoelementos séricos foram determinadas por espectrometria de massa de plasma acoplada por indução de alta resolução. Os valores de referência foram calculados cobrindo os intervalos centrais de referência de 95% (P2.5-P97.5) após a exclusão de valores aberrantes pelo teste de Dixon. Os valores de referência globais dos oligoelementos séricos foram:

131,5 (55,8-265,0 μg / dL para ferro (Fe),

195,5 (107,0-362,4) μg / dL para cobre (Cu),

74,0 (51,8-111,3) μg / dL para zinco ( Zn),

22,3 (14,0-62,0) μg / dL para rubídio (Rb),

72,2 (39,9-111,6) μg / L para selênio (Se),

45. 9 (23,8-104,3) μg / L para o estrôncio (Sr),

1,8 (1,2-3,6) μg / L para o molibdênio (Mo),

2,4 (1,2-8,4) μg / L para o manganês (Mn),

1,9 (0,6-9,0 ) ng / L para chumbo (Pb),

1,1 (0,3-5,6) ng / L para arsênico (As),

835,6 (219,8-4287,7) ng / L para cromo (Cr),

337,9 (57,0-1130,0) ng / L para cobalto (Co),

193,2 (23,6-2323,1) ng / L para vanádio (V) e

133,7 (72,1-595,1) ng / L para cádmio (Cd).

Além disso, observaram-se algumas diferenças significativas nos valores de referência dos oligoelementos séricos entre diferentes grupos de intervalos de idade, residências, estado antropométrico e duração da gravidez. Descobrimos que as concentrações séricas de Fe, Zn e Se diminuíram significativamente, enquanto as concentrações séricas de Cu, Sr e Co aumentaram progressivamente em comparação com valores de referência de 14 oligoelementos séricos em mulheres grávidas chinesas.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5372972/


RECIFE, 18 de março de 2018


Efeitos maternos e fetais do consumo de chocolate durante a gravidez: uma revisão sistemática

Objetivos: O objetivo desta revisão é explorar os efeitos do consumo de chocolate durante a gravidez no feto e na própria mãe.

Métodos: ensaios controlados aleatórios / quase-experimentais / observacionais / controlados antes e depois dos estudos envolvendo consumo de chocolate / cacau (independentemente do tipo ou dose, composição, período de exposição e método de administração) entre mulheres grávidas / animais e medindo qualquer resultado (benéfico ou nocivo) relacionado ao feto ou à mãe após a exposição ao chocolate foram incluídos. Os bancos de dados pesquisados ​​foram PubMed, Web of Science e Scopus; entre abril e maio de 2017. O risco de parcialidade em cada ensaio controlado aleatorizado humano e estudos experimentais dos animais foi avaliado pela ferramenta “Cochrane Collaboration’s” e SYRCLE, respectivamente.

Resultados: Foram selecionados catorze estudos em humanos, incluindo um total de 6639 participantes e nove estudos em animais. As variáveis ​​de resultados investigadas em estudos humanos foram a pressão arterial materna, a frequência cardíaca fetal e a estria gravídica. Estudos em animais exploraram a teratogenicidade induzida pelo chocolate e os distúrbios metabólicos do feto. Dez desses 23 estudos relataram que o chocolate era “benéfico”; Cinco estudos relataram efeitos adversos, enquanto oito estudos declararam que o chocolate era “neutro”.

Conclusões: a ingestão de chocolate materno tem efeitos estimuladores agudos na reatividade fetal e efeito de redução da pressão arterial crônica nas mães.O chocolate não é teratogênico e não afeta os índices reprodutivos.Os distúrbios metabólicos nos recém-nascidos de mães alimentadas com chocolate foram relatados.As grávidas devem ter cuidado com o consumo de cacau e chocolate. Estudos futuros devem ser planejados, mantendo em vista as heterogeneidades identificadas nos estudos selecionados nesta revisão.

Fonte:  THE JOURNAL OF MATERNAL-FETAL & NEONATAL MEDICINE, 2018 https://doi.org/10.1080/14767058.2018.1449200

 

Ao meu ver o importante não é o consumo de cacau em si. Cacau é alimento! Chocolate é um produto industrializado que deve ser ingerido com critérios. O problema não é o chocolate em si, é a quantidade e a qualidade do mesmo, excesso de açúcar e demais corantes e conservantes que fazem parte de alguns tipos de chocolate. Cuidado com os achocolatados, alguns deles deveriam ser chamados de “açúcar com chocolate”. Prefira os chocolates amargos, com o maior percentual de cacau e consequente menor quantidade de açúcares. Alguns produtos são fabricados de forma menos processada e com menos conservantes e corantes, enquanto outros não. Para intolerantes à lactose, os chocolates que possuem lactose são extremamente prejudiciais. Leia sempre o rótulo, interprete os produtos existentes e consuma o seu chocolate com moderação!!!

 


Recife, 11 de março de 2018

Minerais na gravidez e aleitamento: artigo de revisão

J Clin Diagn Res Res . 2017 Set; 11 (9): QE01-QE05.
Publicado em 2017 Set 1. doi:  10.7860 / JCDR / 2017 / 28485.10626

Introdução

Os minerais desempenham diferentes papéis no corpo entre os quais, participação na construção do corpo e regulação de sua função, especialmente na construção óssea, transporte de oxigênio, regulação do açúcar no sangue, como cofator para a atividade enzimática, regulação de reações químicas, proteção de células de dano oxidativo e regulação da função do sistema imunológico [ 1 ]. Os minerais constituem cerca de 4% a 5% do peso corporal, dos quais 50% são cálcio e 25% o fósforo [ 2 ].

Durante a gravidez, o aumento das alterações fisiológicas para apoiar o metabolismo do corpo na mãe e o crescimento do feto levam a uma maior necessidade de micronutrientes [ 1 , 2 ]. Portanto, é de grande importância garantir que as mulheres recebam macro e micronutrientes suficientes antes e durante a gravidez [ 2 , 3 ]. A deficiência de micronutrientes durante a fertilização e a gravidez leva a alguns riscos aumentados que incluem anemia, hipertensão induzida pela gravidez e pré-eclâmpsia, restrição de crescimento fetal, aumento das complicações no trabalho de parto e mortalidade materna e fetal [ 2 – 4 ].

O estado nutricional da mãe afeta a expressão do genoma embrionário e está associado ao desenvolvimento de doenças nos estágios mais recentes da vida, tais como doença arterial coronariana, acidente vascular cerebral e condições como hipertensão e diabetes não dependente de insulina [ 4 ].

Dada a importância dos micronutrientes minerais na gravidez e na lactação, nesta revisão, são investigados o papel dos minerais na gravidez e lactação e sua taxa de consumo, bem como as complicações induzidas pela deficiência ou uso excessivo. Para este fim, cada um dos minerais é descrito separadamente e a ingestão diária recomendada, bem como o consumo máximo admissível diária de minerais para adultos e mulheres grávidas e em lactação é apresentado na [ Tabela / Fig-1 , , 22 ].

 

[Table/Fig-1]:

The recommended daily intake of minerals for adults and pregnant and lactating women [3,6,8,9,14,15,17,18,21,24,25,29,31,34].

Micronutrient Age Non pregnancy Pregnancy Lactation
Calcium 14-18 years 1300 mg/day 1300 mg/day
19-50 years 1000 mg/day 1000 mg/day 1000-1200 mg/day
Chromium 14-18 years 29 mcg/day (AI) 44 mcg/day (AI)
19-50 years 25-35 mcg/day 30 mcg/day (AI) 45 mcg/day (AI)
Copper 14-50 years 900 mcg/day 1 mg/day 1.3 mg/day
Fluoride 14-50 years 3-4 mg/day 3 mg/day (AI) 3 mg/day (AI)
Iodine 14-50 years 150 mcg/day 220 mcg/day 290 mcg/day
Iron 14-50 years 8-18 mg/day 27 mg/day 9 mg/day
Magnesium 14-18 years 400 mg/day 360 mg/day
19-30 years 310-420 mg/day 350 mg/day 310 mg/day
31-50 years 360 mg/day 320 mg/day
Manganese 14-50 years 1.8-2.3 mg/day 2 mg/day (AI) 2.6 mg/day (AI)
Molybdenum 14-50 years 45 mcg/day 50 mcg/day 50 mcg/day
Phosphorus 14-18 years 1.250 mg/day 1.250 mg/day
19-50 years 700 mg/day 700 mg/day 700 mg/day
Potassium 14-50 years At least 4.700 mg/day 4.700 mg/day (AI) At least 4.700 mg/day 5.100 mg/day (AI)
Selenium 14-50 years 55 mcg/day 60 mcg/day 70 mcg/day
Sodium 14-50 years 1500-2300 mg/day 1500 mg/day (AI) 1500 mg/day (AI)
Zinc 14-18 years 12 mg/day 13 mg/day
19-50 years 8-11 mg/day 11 mg/day 12 mg/day

 

[Table/Fig-2]:

The maximum allowable daily intake of minerals for adults and pregnant and lactating women [368914151718212425293134].

Micronutrient Age Non pregnancy Pregnancy Lactation
Calcium 14-18 years 1300 mg/day 1300 mg/day
19-50 years 2500 mg/day 2500 mg/day 2500 mg/day
Chromium 14-50 years ND ND ND
Copper 14-18 years 8 mg/day 8 mg/day
19-50 years 10 mg/day 10 mg/day 10 mg/day
Fluoride 14-50 years 10 mg/day 10 mg/day 10 mg/day
Iodine 14-18 years 900 mcg/day 900 mcg/day
19-50 years 1100 mcg/day 1100 mcg/day 1100 mcg/day
Iron 14-50 years 45 mg/day 45 mg/day 45 mg/day
Magnesium 14-50 years 350 mg/day 350 mg/daye 350 mg/daye
Manganese 14-18 years 9 mg/day 9 mg/day
19-50 years 11 mg/day 11 mg/day 11 mg/day
Molybdenum 14-18 years 1700 mcg/day 1700 mcg/day
19-50 years 2000 mcg/day 2000 mcg/day 2000 mcg/day
Phosphorus 14-50 years ND 3500 mg/day 4000 mg/day
Potassium 14-50 years ND ND ND
Selenium 14-50 years 400 mcg/day 400 mcg/day 400 mcg/day
Sodium 14-50 years 2300 mg/day 2300 mg/day (AI) 2300 mg/day(AI)
Zinc 14-18 years 34 mg/day 34 mg/day
19-50 years ND 40 mg/day 40 mg/day

Eletrólitos

A quantidade de ingestão diária de sal recomendada para a pessoa média é 3-5 gramas, atingindo 7-8 gramas durante a gravidez [ Tabela / Fig-1 ] [ 1 , 5 ]. O consumo diário de sal por mulheres grávidas geralmente é maior do que esse valor [ 1 , 3 , 5 , 6 ]. No entanto, exceto em doenças cardiovasculares, a ingestão diária de sal não deve ser inferior a 7-8 gramas. Em circunstâncias normais, não há necessidade de reduzir a ingestão de sal durante a gravidez, mesmo na pré-eclâmpsia [ 7 ].

Um estudo indicou que a manipulação da ingestão de sódio não afeta a freqüência da pré-eclampsia [ 7 ]. Além disso, um estudo recente também demonstra as implicações dietéticas da tentativa de restringir o sódio. As histórias dietéticas de 68 mulheres atribuídas a uma dieta com baixo teor de sódio ou de sódio normal indicaram que a restrição de sódio estava associada a uma ingestão reduzida de proteína, cálcio e energia. A restrição ou suplementação de sódio não tem lugar no gerenciamento da pré-eclampsia [ 7 ].

Outro motivo é que a perda de altos níveis de sódio pode resultar no risco de exacerbação da hipertensão, reduzindo o volume sanguíneo, o que, por sua vez, resulta em maior secreção de renina e hipertensão arterial. Portanto, é melhor aumentar a ingestão de potássio paralelamente à redução da ingestão de sódio e evitar o consumo de café, álcool e gorduras saturadas. Os alimentos ricos em potássio incluem carne, frutas, grãos (especialmente arroz), vegetais, frutas frescas e secas e bebidas [ 5 ].

O consumo de potássio durante a gravidez é necessário para manter os níveis de pressão arterial e também para reduzir as complicações do excesso de ingestão de sódio na pressão arterial [ 2 , 5 , 8 ].

O cloreto é o principal ânion em fluidos extracelulares e desempenha um papel importante no desenvolvimento do sistema nervoso durante a gravidez [ 5 ].

Cálcio

Cálcio desempenha funções diferentes durante o desenvolvimento do feto entre os quais, a participação na construção de tecidos diferentes e de sinalização celular [ 3 , 9 – 11 ]. Fontes alimentares de cálcio incluem leite, queijo, iogurte, tofu, legumes, vegetais de folhas verdes e peixes com ossos comestíveis, por exemplo, sardinhas. A captação de cálcio varia em diferentes estádios da vida e aumenta quando a necessidade de cálcio aumenta, como durante a gravidez e a lactação [ Tabela / Fig-1 ] [ 9 ]. Níveis adequados de vitamina D também são importantes na absorção de cálcio durante a gravidez [ 3 , 8 ].

Há muitas controvérsias sobre a quantidade de absorção de cálcio na gravidez [ 6 ]. Alguns estudos sugeriram que o aumento da absorção de cálcio durante a gravidez é necessário para preservar o equilíbrio de cálcio materno e a densidade óssea e sua quantidade deve aumentar de 1000 mg / dia para 1300 mg / dia [ 2 , 6 , 8 , 12 ]. No entanto, a maioria das fontes expressou que a absorção de cálcio não precisa ser aumentada devido a alterações hormonais na gravidez e, portanto, consumir 1000 e 1300 mg / dia de cálcio é suficiente para mulheres grávidas com mais de 19 anos e para gravidez na adolescência [ Tabela / Fig. 1 , , 2]2 ] [ 4 , 8 ,13 ].

Enquanto a absorção materna do cálcio aumenta ao longo do intestino, o efeito dessas alterações com hipercalcemia é a mineralização esquelética fetal [ 14 ]. Durante a gravidez, aproximadamente 30 gramas de cálcio são depositadas no esqueleto fetal, enquanto o resto do cálcio é armazenado no esqueleto materno, provavelmente devido às demandas de cálcio durante a lactação [ 2 , 13 , 14 ]. Em média, no último trimestre da gravidez, 300 mg de cálcio são transmitidos diariamente ao feto [ 6 , 14 ].

A hipocalcemia afeta a permeabilidade da membrana e a força de contração do músculo liso e, portanto, pode afetar a pressão arterial e o início das contrações uterinas prematuras [ 2 , 14 ]. O uso de suplementação de cálcio em mulheres com baixa absorção de cálcio reduz o risco de hipertensão e pré-eclâmpsia [ 12 , 14 , 15 ].

No entanto, o melhor estado de cálcio materno não tem um impacto positivo a longo prazo sobre a massa óssea infantil e materna, o risco de morte fetal, mortalidade infantil antes da alta hospitalar e mortalidade materna e parto prematuro [ 15 , 16 ]. A suplementação de cálcio não é rotineiramente recomendada durante a gravidez e é apenas prescrita por um médico em mulheres que se abstenham do consumo de produtos lácteos ou têm níveis deficientes de vitamina D [ 12 , 14 , 16 ].

As recomendações de cálcio dietético em mulheres lactantes são as mesmas que as outras mulheres [ 6 , 16]. O teor de cálcio do leite materno não está correlacionado com a absorção materna de cálcio e contém cálcio suficiente devido a alterações fisiológicas maternas, como análise transitória do osso [ 2 , 16 ]. O aumento da absorção de cálcio não previne a desmineralização óssea materna [ 2 , 6 , 16 ].

Fósforo

Há uma variedade de alimentos contendo fósforo, como grãos, carne, aves, peixe, ovos, leite, produtos lácteos, nozes e feijão [ 8 , 14 , 17 ]. A deficiência deste mineral, embora rara, mas se ocorrer pode ter sintomas como anemia, miastenia, dor óssea, raquitismo, Genu varum, anorexia, vertigem, confusão e possivelmente podem causar a morte [ 14 , 17 ]. Níveis elevados de fósforo são causados ​​pelo uso excessivo de aditivos alimentares contendo fósforo e ameaçam a saúde óssea [ 9 , 17 ]. A quantidade recomendada de absorção de fósforo na gravidez é semelhante às mulheres não grávidas [ Tabela / Fig-1 ] [ 6 , 8 ,9 , 17 ].

Magnésio

O magnésio existe em uma variedade de alimentos, como carne, grãos, pão, feijão e vegetais e, portanto, raramente é deficiente; no entanto, a hipomagnesemia pode ocorrer em pessoas com alcoolismo, desnutrição ou doenças intestinais e renais [ 5 , 18 ]. Os sintomas da hipomagnesemia incluem náuseas, miastenia e cãibras musculares, irritabilidade, transtorno mental, pressão arterial e alterações da freqüência cardíaca [ 5 , 18 ].

O magnésio desempenha um papel importante na regulação da pressão arterial e ao afetar os canais de cálcio no músculo arterial, causa relaxamento dos músculos dentro das paredes dos vasos e, portanto, vasodilatação e diminuição da resistência vascular, bem como diminuição do vasoespasmo e pressão arterial que são benéficas durante a gravidez [ 5 , 9 , 19 ]. A hipomagnesemia leva a hipertensão, pré-eclâmpsia e parto prematuro na gravidez [ 19 ]. Portanto, o uso de sulfato de magnésio é comum para o tratamento da pré-eclâmpsia e o tratamento preventivo contra o parto prematuro [ 19 ].

Vários estudos sobre a dieta da gravidez mostraram que a ingestão de magnésio é geralmente menor do que a quantidade recomendada [ Tabela / Fig-1 ] [ 19 21 ]. Em vários estudos, a suplementação de magnésio mostrou reduzir os partos prematuros, o número de casos de hospitalização materna, sangramento pré-parto e recém-nascidos de baixo peso [ 14 , 20 ]. Noventa por cento de magnésio é excretada pelos rins e, como resultado, a toxicidade de magnésio é raro, quando o uso de suplementos orais [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 18 , 19]. No entanto, a administração intramuscular ou intravenosa deve ser feita com cuidado e a função renal deve ser assegurada para evitar um aumento no magnésio sérico [ 5 , 12 , 14 ]. As complicações da toxicidade materna em magnésio incluem morte, aumento do tempo de sangramento, perda excessiva de sangue durante o parto, dilatação cervical lenta e aumento do edema pulmonar [ 18 ].

Ferro

A anemia por deficiência de ferro é a deficiência nutricional mais comum em todo o mundo, afetando a saúde materna e infantil [ 22 ]. O ferro total necessário durante a gravidez aumenta significativamente a 15-18 mg / dia durante toda a gravidez não a 27 mg / dia durante o período de gravidez [ Tabela / Fig-1 , , 2].2 ]. No entanto, há menores ingestões para a maioria das mulheres nas dietas [ 23 ].

Apesar do aumento da absorção de ferro durante toda a gravidez, o sangue é diluído devido ao aumento do volume sanguíneo (50%) [ 22 , 24 ]. O status de ferro das mulheres no momento da concepção é motivo de preocupação para uma gravidez saudável, prevenindo anemia pós-parto e amamentação até seis meses após o parto [ 24 , 25 ]. Os recém-nascidos também armazenam cerca de 270 mg de ferro em seu corpo, que é totalmente obtido de suas mães [ 22 , 24 , 25 ]. A deficiência de ferro está relacionada a alguns distúrbios da gravidez materna e fetal, incluindo pré-eclâmpsia, parto prematuro e ruptura prematura de membranas [ 25]. A anemia materna por deficiência de ferro está associada ao desenvolvimento comportamental e neural das alterações na mielinização da substância branca, metabolismo das monoaminas e função do hipocampo [ 22 , 26 , 27 ]. Como resultado, a ingestão adequada de ferro é essencial para o crescimento normal e o desenvolvimento do feto [ 26 ].

Os suplementos de ferro são rotineiramente utilizados durante a gravidez; no entanto, os efeitos potencialmente nocivos da ingestão de ferro em mulheres com status de ferro suficiente estão levantando debates [ 26 ]. A dose de suplemento de ferro é uma questão crítica associada aos seus potenciais efeitos colaterais [ 25 , 27 ]. Devido à produção de espécies reativas de oxigênio ativo por ferro, o excesso de ferro resulta em danos celulares e teciduais e é tóxico [ 22 , 26 , 27 ].

Em um estudo observacional, foi relatado que a prevalência de diabetes gestacional, hipertensão arterial e síndrome metabólica em meados da gravidez é mais do que duas vezes entre os grupos de ingestão de suplementos de ferro; assim, o excesso de ferro não deve ser recomendado [ 22 , 26 , 27 ]. Parece que a prevenção seletiva da anemia ferropriva é o método mais efetivo e apropriado. A ingestão recomendada de ferro durante o período de lactação é de 9-10 mg / dia, o que é significativamente menor do que o período de gravidez (27 mg / dia) [ 23 ]. O ferro está presente em baixas concentrações no leite materno; No entanto, a concentração de ferro do leite materno não é influenciada pelas alterações do estado do ferro materno, como a ingestão de suplemento [ 23 ].

Cobre

O cobre é biologicamente envolvido na construção de tecidos conjuntivos, metabolismo do ferro, produção de melatonina, função cardíaca, função do sistema imunológico e desenvolvimento do sistema nervoso central [ 4 , 18 ]. O cobre é um cofator vital de enzimas antioxidantes [ 18 ]. Essas enzimas são expressas nos tecidos da mãe e do feto e desempenham um papel importante na remoção do estresse oxidativo da gravidez. Sem este mecanismo de proteção, o estresse oxidativo pode levar a resultados de gravidez ruins, como pré-eclâmpsia, restrição de crescimento fetal e aborto [ 14 , 18 ].

Estudos recentes aprovaram o papel efetivo do cobre no desenvolvimento neuro-comportamental e neurocognitivo durante o último período de dois terços da gravidez [ 13 ]. O equilíbrio entre cobre e ferro também é importante para assegurar o desenvolvimento adequado do cérebro [ 4 , 6 ]. A deficiência de cobre na dieta humana afeta o desenvolvimento do feto [ 13 ]. A deficiência de cobre é teratogênica em animais [ 13 ]. A deficiência de cobre é rara, observada em bebês prematuros e em pacientes que estão recebendo nutrição parenteral sem cobre [ 13]. Além da deficiência de ferro, a anemia por deficiência de cobre pode levar a distúrbios esqueléticos, distúrbios do crescimento, degeneração muscular cardíaca, degeneração do sistema nervoso, alterações na cor e estrutura do cabelo, redução da resposta imune e maior incidência de infecção [ 9 ].

Uma vez que a deficiência de cobre não foi notado durante a gravidez humana, o seu suplemento não é essencial [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 9 ]. A toxicidade de cobre dos alimentos é rara [ 9 ]. Estudos demonstraram que há relação entre altos níveis de cobre e parto prematuro e baixo peso ao nascer e a concentração sérica de zinco e cobre no plasma de prematuros é significativamente maior em relação aos recém-nascidos [ 9 ]. Outros estudos prospectivos devem ser projetados para investigar os benefícios.

Zinco

O zinco regula a função de quase 100 enzimas diferentes, síntese de DNA e RNA, metabolismo de carboidratos, equilíbrio ácido-básico, absorção de folato, ativação de vitamina A, vitamina D e manutenção da estabilidade da membrana celular [ 9 ].

As fontes mais ricas de zinco são mariscos, carne, ovos, grãos, amendoim, produtos lácteos, grãos integrais e vegetais verde escuro e amarelo escuro [ 9 ]. Como o grão tem baixa concentração de zinco, foram relatadas deficiências de zinco em populações que têm dietas à base de proteína de grãos [ 5 , 9 , 18 ].

Sintomas graves de deficiência de zinco são, crescimento e desenvolvimento pobres, exantema, reprodução prejudicada e função imune reduzida [ 9 ]. Períodos de crescimento rápido como infância, puberdade e gravidez tardia são mais vulneráveis ​​à deficiência de zinco [ 28 ].

O zinco desempenha um papel importante na gravidez e na lactação, incluindo o desenvolvimento fetal e a secreção do leite. Dependendo da biodisponibilidade do zinco na alimentação, é necessário 2-4 mg de zinco excessivo durante a gravidez para satisfazer as necessidades fisiológicas [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 28 ]. Estima-se que o zinco exigido pelas mães no terceiro trimestre da gravidez dobra em comparação com mulheres não grávidas [ 2 , 5 , 29 ]. Como resultado da diluição do sangue e do aumento das transferências para o desenvolvimento do feto, a concentração sérica de zinco materno diminui [ 2 , 29 ].

A deficiência grave de zinco está associada ao trabalho de parto prolongado, à teratogenicidade e à mortalidade fetal ou embrionária [ 29 , 30 ]. Acrodermatite enteropática é uma doença genética autossômica recessiva que afeta o metabolismo do zinco e inibe a absorção de zinco [ 29 , 30 ]. A gravidez em indivíduos que sofrem deste distúrbio é acompanhada de aborto, anencefalia, nanismo acondroplásico e lactentes com baixo peso ao nascer; no entanto, os resultados normais da gravidez serão observados se receberem altas doses de zinco oral e a concentração normal de zinco sérico é mantida durante a gravidez [ 29 , 30]. Apesar destas descobertas, nenhuma evidência forte foi encontrada para recomendar suplementos de zinco durante a gravidez normal [ 29 , 30 ]. Estudos indicaram que o suplemento de zinco com o aumento da duração da gravidez reduz os partos prematuros e aumenta o peso médio ao nascer [ 29 , 30 ]. O suplemento de zinco durante a gravidez também está associado à redução da incidência de hipertensão induzida pela gravidez e aumento da circunferência da cabeça em lactentes [ 30 , 31 ].

Selênio

O selênio desempenha um papel antioxidante nas funções celulares, restaurando e mantendo músculos, fertilidade e prevenção do câncer [ 5 , 9 ]. Também luta contra a infecção e regula o crescimento e o desenvolvimento [ 5 , 9 ]. As principais fontes de selênio nas dietas são as seguintes: frutos do mar, aves, ovos, rim, fígado e alimentos vegetais (incluindo cereais, nozes, alho e rabanete) [ 5 , 13 , 24 ]. O corpo absorve 55% -70% de selênio de alimentos [ 3 , 14 ].

A deficiência de selênio é incomum [ 9 ]. A deficiência de selênio está relacionada com perda recorrente de gravidez, pré-eclâmpsia e restrição de crescimento intra-uterino [ 31 ]. Em recém-nascidos de baixo peso, a concentração de selênio no soro do cordão umbilical é menor do que a dos recém-nascidos com peso normal [ 24 ]. A concentração de selênio no soro do cordão está diretamente correlacionada com a circunferência da cabeça do bebê [ 2 , 24 ].

O selênio do leite materno representa a quantidade de ingestão materna de selênio [ 9 ]. Além disso, o nível recomendado de selênio para mulheres em lactação é ligeiramente superior ao de outras mulheres [ 2 , 13 ]. Dose requerida para a toxicidade ainda não tenha sido especificada [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 9 ]. Os sintomas da toxicidade do selênio incluem cabelo quebradiço e unhas, perda de cabelo e unhas e distúrbios gastrointestinais [ 9 ].

Manganês

Alimentos fontes de manganês incluem grãos inteiros, legumes, nozes, chá, trigo, arroz, espinafre, abacaxi e feijões de soja [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 9 , 20 ]. Em adultos, aproximadamente 1% -5% de manganês consumido é absorvido e a taxa de ingestão é significativamente maior em mulheres do que em homens [ 20 ]. O manganês é um componente chave das enzimas envolvidas no metabolismo de aminoácidos, carboidratos e colesterol, formação de cartilagem, síntese de ureia e proteção de células contra danos oxidativos e também desempenha um papel na ativação de outras enzimas [ 12 ].

A deficiência natural de manganês nunca foi relatada em seres humanos [ 8 ]. A toxicidade do manganês provoca danos nos nervos [ 9 ]. O manganismo é causado mais pela exposição industrial do que pelo consumo de alimentos [ 9 ]. O manganês desempenha um papel importante no processo de gravidez e desenvolvimento fetal normal [ 13 ]. Os níveis séricos de manganês aumentam ao longo da gravidez [ 32 ]. Poucos estudos foram realizados sobre manganês, e nenhuma informação sobre suplementos de manganês em gravidez humana foi publicada até agora.

A avaliação da concentração de manganês no sangue em mulheres mostrou que em mulheres com restrição de crescimento intra-uterino, os bebês apresentam níveis séricos mais baixos de manganês do que aqueles com gravidez normal e, portanto, o manganês pode desempenhar um papel importante no crescimento e desenvolvimento fetal [ 32 ].

Iodo

Entre as principais prioridades da Organização Mundial de Saúde, é garantir uma ótima nutrição de iodo em mulheres em idade reprodutiva, especialmente para comunidades em regiões de iodo deficientes [ 33 ].

A absorção de iodo pela glândula tireoide aumenta durante a gravidez [ 33 ]. A ingestão suficiente de iodo é necessária para sustentar a mãe e o feto [ 33 ]. A necessidade de iodo aumenta para mais do que 45% durante a gravidez, atingindo a partir de 150 a 220 microgramas / dia [ Quadro / Fig-1 , , 2]2 ] [ 23 , 33 ]. A Organização Mundial da Saúde recomendou a ingestão diária de iodo durante a gravidez e a lactação é de 200-250 mcg [ 34 ]. Uma quantidade suficiente de iodo é essencial para a produção de hormônios tireoidianos no corpo da mãe e também o desenvolvimento normal do cérebro fetal [ 33 , 34]. Verificou-se que mesmo a deficiência leve de iodo materno pode ter efeitos adversos no desenvolvimento cognitivo fetal [ 33 ]. A deficiência de iodo materno está associada a uma maior incidência de aborto espontâneo, morte fetal e anormalidades [ 33 ]. Atualmente, a deficiência de iodo é considerada a causa mais comum de danos cerebrais evitáveis ​​em todo o mundo [ 35 , 36 ]. Portanto, a ingestão adequada de iodo durante a gravidez é muito importante [ 35 ]. Os transtornos induzidos por deficiência de iodo podem ser prevenidos usando suplementos antes ou durante os três primeiros meses de gravidez [ 35 , 36]. Estudos sobre suplementos de iodo durante a gravidez mostraram seu impacto positivo no desfecho materno e neonatal, como redução significativa na taxa de prematuridade e nascimento fetal [ 35 , 36 ]. American Thyroid Association recomendou o uso diário de 150 mg de iodo em mulheres grávidas [ 37 ].

Além disso, a necessidade de iodo aumenta durante a lactação [ 37 ]. Conseqüentemente, as mulheres que amamentam são relatadas para precisar de 290 microgramas de iodo por dia [ Tabela / Fig-2 ] [ 35 , 37 ]. As mulheres lactantes com deficiência de iodo podem não ser capazes de fornecer seus bebês (que são vulneráveis ​​aos efeitos da deficiência de iodo) com iodo suficiente [ 35 , 37 ].

Cromo

O cromo é necessário para o funcionamento normal do hormônio da insulina [ 9 , 38 ]. A deficiência de cromo afeta a capacidade do organismo de regular a glicemia e causa sintomas como diabetes, incluindo açúcar no sangue e níveis elevados de insulina [ 38 , 39 ]. As fontes de alimentos de cromo incluem fígado, nozes e grãos integrais [ 38 , 39 ]. A deficiência de cromo foi relatada em pacientes que receberam nutrição parenteral livre de cromo e crianças malnutridas [ 9 , 38 , 39 ].

No entanto, nenhum estudo reportou toxicidade de cromo, administrado oralmente, embora a suplementação de crómio em altas doses por atletas e levantadores de peso leva a algumas complicações, especialmente lesões cutâneas [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 14 , 38 , 39 ]. Dois estudos observacionais mostraram que o nível sérico de cromo em mulheres grávidas não está associado a diabetes gestacional [ 39 ]. Um teste clínico de oito semanas em 24 mulheres com diabetes gestacional mostrou que tomar suplementos de crómio reduz os níveis de glicemia no sangue e insulina em jejum [ 35]. No entanto, são necessárias mais pesquisas, especialmente ensaios controlados randomizados, para determinar se o uso de suplementos de cromo pode ser uma ferramenta no tratamento da diabetes gestacional.

Fluoreto

O flúor, obviamente, desempenha um papel no aumento da resistência dos dentes à cárie e na manutenção da estrutura óssea [ 5 , 14 ]. Durante a odontogênese, o flúor é incorporado no cristal de esmalte e torna os dentes mais resistentes à cárie [ 9 ]. O flúor também pode ser encontrado nos ossos e é importante para a saúde óssea [ 9 ]. Fontes naturais de flúor na dieta incluem chá e peixes marinhos, especialmente peixes com ossos comestíveis [ 9 , 14 ].

Fluoreto cruza a placenta e é incorporado em dentes decíduos [ 14 ]. Os dados dos estudos de intervenção prospectiva em dupla ocultação não demonstraram associação entre baixos níveis de cárie e exposição pré-natal ao fluoreto e é por isso que a suplementação de flúor não é recomendada durante a gravidez14 ]. O excesso de ingestão de flúor durante a gravidez não está associado ao aumento da suscetibilidade à fluorose14 ]. Ingestão de flúor adequada na gravidez é necessário para aumentar a resistência do dente e manter a saúde dos ossos na mãe e também, para ajudar o correto desenvolvimento ósseo  fetal[ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 5 , 14 ].

Molibdênio

O molibdênio é necessário para a ativação de enzimas envolvidas no metabolismo de aminoácidos contendo enxofre e compostos contendo nitrogênio contidos em DNA e RNA, produção de ácido úrico e desintoxicação [ 24 ]. O molibdênio desempenha um papel na síntese de glóbulos vermelhos [ 24 ]. Alimentos fontes de molibdénio incluem leite, carne, pão, cereais e leguminosas [ Tabela / Fig-1 , , 2]2 ] [ 21 ]. A deficiência de molibdênio, embora rara, foi relatada em pacientes que receberam nutrição parenteral pura sem molibdênio por muito tempo [ 21 ]. Quaisquer complicações prováveis ​​resultantes da deficiência de molibdênio e toxicidade ainda não foram descobertas [ 21 ,24 ]. Os sintomas de deficiência de molibdênio incluem alterações mentais e transtornos do metabolismo de enxofre e purina [ 21 , 24 ].

Boro

O requerimento de boro para humanos não foi comprovado, mas sua necessidade é amplamente aceita para plantas e animais [ 21 ]. O boro é obtido de fontes como o borato de sódio e rapidamente e quase completamente (90%) absorvido [ 13 , 21 ]. Todos os alimentos vegetais e seus subprodutos, como sementes, nozes, vegetais e frutas, contêm boro [ 13 , 21 ]. O boro afeta a atividade de muitas enzimas e é importante no metabolismo de nutrientes, como cálcio, magnésio e vitamina D [ 21 ]. A ingestão diária recomendada de boro não tem sido sugerida, mas a sua ingestão diária máxima em adultos com mais de 19 anos, juntamente com mulheres grávidas e em lactação é de 20 mg [ Tabela / Fig-1 ,, 2]2 ] [21].

Discussão

Durante a gravidez, o aumento das necessidades metabólicas leva a uma maior necessidade de macro e micronutrientes [ 1 , 3 , 14 ]. A ingestão diária de micronutrientes é essencial para minimizar potenciais riscos associados à gravidez e melhorar os resultados de desenvolvimento fetal [ 14 ]. Os micronutrientes desempenham vários papéis importantes na gravidez e a falta de cada uma causa complicações irreversíveis na mãe e no feto [ 14 ]. Algumas dessas complicações incluem anemia, agrava a desnutrição, hipertensão, pré-eclâmpsia, complicações trabalhistas e até morte materna, aborto espontâneo, parto prematuro e restrição do crescimento fetal, e até diabetes e doenças cardiovasculares [ 1 , 14]. Durante a gravidez, a maioria das mulheres geralmente possui nutrição indesejável [ 14 ]. De acordo com as gravidezes indesejadas, as tentativas de conscientização na área de dietas saudáveis ​​e estilos de vida devem ser feitas tanto antes quanto durante a gravidez [ 14 , 40 ].

Dada a importância dos micronutrientes, especialmente minerais durante a gravidez, vários estudos foram realizados para investigar suas complicações de deficiência e também a suplementação; no entanto, as contradições são vistas nos resultados [ 24 , 25 ]. Além disso, é necessária uma investigação mais aprofundada em relação a elementos como o manganês e o boro, uma vez que estudos abrangentes ainda não foram conduzidos sobre os seus efeitos durante a gravidez. Devido ao efeito de minerais nas principais complicações, como pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, pré-termo ou baixo peso ao nascer, é necessário um maior número de estudos intervencionistas, prospectivos e observacionais.

Conclusão

O uso adequado de minerais durante a gravidez e a lactação pode reduzir as complicações maternas e fetais.

Reconhecimentos

Os autores agradecem a todos os que fizeram contribuições substanciais para este estudo.

Notas

Interesses financeiros ou outros interesses concorrentes

Nenhum.

Referências

[1] Blumfield M, Hure A, Macdonald-Wicks L, Smith R, Collins C. Uma revisão sistemática e meta-análise das ingestões de micronutrientes durante a gravidez em países desenvolvidos. Nutr Rev. 2013; 71 : 118-32. PubMed ]
[2] King J. Fisiologia da gravidez e metabolismo dos nutrientes. Am J Clin Nut. 2000; 71 : 1218-25. PubMed ]
[3] Berti C, Biesalski HK, Gärtner R, Lapillonne A, Pietrzik K, Poston L, et al. Micronutrientes na gravidez: conhecimento atual e questões não resolvidas. Nutrição Clínica. 2011; 30 (2011): 689-701. PubMed ]
[4] Cetin I, Berti C, Calabrese S. Papel dos micronutrientes no período periconcepcional. Atualização Hum Reprod. 2010; 16 : 80-95. PubMed ]
[5] Dorosti Ak, A. Livro de Saúde Pública. Nutrição durante a gravidez e lactação. 2004; 11
[6] Berti C, Decsi T, Dykes F, Hermoso M, Koletzko B, Massari MSS. Problemas críticos na definição de recomendações de micronutrientes para mulheres grávidas: uma visão. Matern Child Nutr. 2010; 6 : 5-22. PubMed ]
[7] Roberts JM, Balk JL, Bodnar LM, Belizán JM, Bergel E, Martinez A. Envolvimento nutricional na pré-eclâmpsia. O Journal of Nutrition. 2003; 133 (5): 1684S-92S. PubMed ]
[8] Haider B, Bhutta Z. Suplemento de múltiplos micronutrientes para mulheres durante a gravidez (Revisão) A Biblioteca Cochrane. 2012; 2012 (11): 1-119.
[9] Smolin LB, Grosvenor GB. Heathy eating: um guia para a nutrição. 2ed. Nova Iorque: Chelsea House; 2011. pp. 1-225.
[10] Fanaei H, Keshtgar S, Bahmanpour S, Ghannadi A, Kazeroni M. Efeitos benéficos do alfa-tocoferol contra a sobrecarga de cálcio intracelular no esperma humano. Ciencias da Reprodução (Thous Oeaks, Califórnia) 2011; 18 (10): 978-82. PubMed ]
[11] Keshtgar S, Fanaei H, Bahmanpour S, Azad F, Ghannadi A, Kazeroni M. Efeitos in vitro de alfa-tocoferol em amostras de sêmen teratozoospermático. Andrologia. 2012; 44 (Suplemento 1): 721-27. PubMed ]
[12] Fong yii M. o papel dos micronutrientes na gravidez. reimpresso do médico australiano de família. 2009; 38 : 980-84.
[13] Mahan lk, Escott-Stump s. Krause’s Food & Nutrition THERAPY. Vol. 12. St. Louis, Mo: Elsevier / Saunders; 2008.
[14] DL K. Nutrição na prática clínica. Lippincott Williams & Wilkins; 2008. Dieta, gravidez e aleitamento.
[15] Salam R, Das J, Bhutta Z. Suplementação de micronutrientes múltiplos durante a gravidez e aleitamento em configurações de países em desenvolvimento de renda baixa a média: Impacto nos resultados da gravidez. Ann Nutr Metab. 2014; 65 : 4-12. PubMed ]
[16] Hofmeyr G, Lawrie T, Atallah A, Duley L. suplementação de cálcio durante a gravidez para prevenção de distúrbios hipertensivos e problemas relacionados. Cochrane Database Syst Rev. 2011; 2011 (8): CD001059. PubMed ]
[17] Ross C, Caballero B, Primos R, Tucker K, Ziegler T. Nutrição moderna em saúde e doenças. : e2014.
[18] Spencer B, Vanderlelie J, Perkins A. Essencialidade de micronutrição de oligoelementos na gravidez humana: uma revisão sistemática. J Preg Child Health. 2015; 2 (157): 1-7.
[19] Jain S, Sharma P, Kulshreshtha S, Mohan G, Singh S. O papel do cálcio, magnésio e zinco na pré-eclâmpsia. Biol Trace Elem Res. 2010; 133 : 162-70. PubMed ]
[20] Eum J, Cheong H, Ha E, Ha M, Kim Y, Hong YC, et ai. Nível de manganês no sangue materno e peso ao nascer: um estudo de coorte de nascimento MOCEH. Saúde Ambiental. 2014; 13 : 31. Artigo livre PMC ] PubMed ]
[21] Trumbo P, Yates AA, Schlicker S, Poos M. Ingesta dietética de referência: vitamina A, vitamina K, arsênico, boro, cromo, cobre, iodo, ferro, manganês, molibdênio, níquel, silício, vanádio e zinco. Jornal da American Dietetic Association. 2001; 101 (3): 294-301. PubMed ]
[22] Allen L. Anemia e deficiência de ferro: efeitos no resultado da gravidez. Am J Clin Nutr. 2000; 71 : 1280-84. PubMed ]
[23] Food and Nutrition Board IoM. Preparações dietéticas de referência de ferro para vitamina A, vitamina K, boro, cromo, cobre, iodo, ferro, manganês, molibdênio, níquel, silício, vanádio e zinco. Vol. 2001. Washington, DC: Academia Nacional; 2001. pp. 290-93.
[24] Instituto Linus Pauling. Necessidades de micronutrientes durante a gravidez e lactação oregon state university 2017. Disponível em: Linus Pauling Institute na Oregon State University.html.
[25] Milman N. Iron e gravidez – um equilíbrio delicado. Ann Hematol. 2006; 85 : 559-65. PubMed ]
[26] Osendarp SJM, Murray-Kolb LE, MM preto. Estudo de caso sobre o ferro no desenvolvimento mental – em memória de John Beard (1947-2009) Avaliações nutricionais. 2010; 68 (Suplemento 1): 48-52. Artigo livre PMC ] PubMed ]
[27] Allen L. Mecanismos biológicos que podem estar subjacentes aos efeitos do ferro sobre o crescimento fetal e parto prematuro. J Nutr. 2001; 131 : 581-89. PubMed ]
[28] Grupo Consultivo Internacional de Nutrição de Zinco (IZiNCG) Brown K, Rivera J, Bhutta Z, Gibson R, et al. Avaliação do risco de deficiência de zinco em populações e opções para seu controle. Food Nutr Bull. 2004; 25 : 99-203. PubMed ]
[29] King J. Zinc: um nutriente essencial, mas evasivo. Am J Clin Nutr. 2011; 94 : 679-84. Artigo livre PMC ] PubMed ]
[30] Caulfield L, Zavaleta N, Shankar A, Merialdi M. Contribuição potencial da suplementação materna de zinco durante a gravidez para a sobrevivência materna e infantil. Am J Clin Nutr. 1998; 68 : 499-508. PubMed ]
[31] Mistry H, Williams P. A importância dos micronutrientes antioxidantes na gravidez. Oxid Med Cell Longev. 2011; 2011 : 841749. Artigo livre PMC ] PubMed ]
[32] Vigeh M, Yokoyama K, Ramezanzadeh F, Dahaghin M, Fakhriazad E, Seyedaghamiri Z, et ai. Concentrações de manganês no sangue e restrição do crescimento intra-uterino. Reprod Toxicol. 2008; 25 : 219-23. PubMed ]
[33] Melse-Boonstra A, Jaiswal N. Deficiência de iodo na gravidez, infância e infância e suas conseqüências para o desenvolvimento do cérebro. Melhor Pract Res Clin Endocrinol Metab. 2009; 24 (1): 29-38. PubMed ]
[34] Smyth P. Ingestão dietética de iodo na gravidez. Ir Med J. 2006; 99 : 103. PubMed ]
[35] Travers C, Guttikonda K, Norton C, Lewis P, Mollart L, Wiley V, et ai. Situação de iodo em mulheres grávidas e seus recém nascidos: nossos bebês estão em risco de deficiência de iodo? Med J Aust. 2006; 184: 617-20. PubMed ]
[36] Zimmermann MB. Deficiência de iodo. Endocr Rev. 2009; 30 (4): 376-408. PubMed ]
[37] Becker DV, Braverman LE, Delange F, Dunn JT, Franklyn JA, Hollowell JG, et ai. Suplemento de iodo para gravidez e lactação – Estados Unidos e Canadá: recomendações da American Thyroid Association. Tiróide. 2006; 16 (10): 949-51. PubMed ]
[38] Gunton J, Hams G, Hitchman R, McElduff A. O crómio sérico não prevê tolerância à glicose no final da gravidez. Am J Clin Nutr. 2001; 73 (1): 99-104. PubMed ]
[39] Woods S, Ghodsi V, Engel A, Miller J, James S. Crómio sérico e diabetes gestacional. J Am Board Fam Med. 2008; 21 (2): 153-57. PubMed ]
[40] Khayat S, Kheirkhah M, Behboodi Moghadam Z, Fanaei H, Kasaeian A, Javadimehr M. Efeito do tratamento com gengibre sobre a gravidade dos sintomas da síndrome pré-menstrual. Obstetrícia ISRN e ginecologia. 2014; 2014 : 792708. Artigo livre PMC ] PubMed ]

Recife, 20 de janeiro de 2018
Am J Obstet Gynecol. 2017 outubro; 217 (4): 404.e1-404.e30. doi: 10.1016 / j.ajog.2017.03.029. Epub 2017 2 de abril.

Uso de polivitamínicos e resultados de nascimento adversos em países de alta renda: uma revisão sistemática e meta-análise.

 

Em países de alta renda, uma dieta saudável é amplamente acessível. No entanto, uma mudança para uma dieta de baixa qualidade com baixo valor nutricional em países de alta renda levou a uma ingestão inadequada de vitamina durante a gravidez .

OBJETIVO:

Realizamos uma revisão sistemática e meta-análise para avaliar a associação entre o uso de polivitamínicos entre mulheres em países de alta renda e o risco de desfechos adversos (parto prematuro, resultado baixo do nascimento, pequeno para idade gestacional, morte fetal, morte neonatal , mortalidade perinatal e anomalias congênitas sem especificação adicional).

DESENHO DE ESTUDO:

Pesquisamos bancos de dados eletrônicos (MEDLINE, Embase, Cochrane, Scopus e CINAHL) desde o início até 17 de junho de 2016, utilizando sinônimos de gravidez , tipo estudo / teste e polivitamínicos.

Estudos elegíveis foram todos estudos em países de alta renda que investigam a associação entre polivitamínicosuse (3 ou mais vitaminas ou minerais em comprimidos ou cápsulas) e resultados de nascimento adversos.

Avaliamos ensaios randomizados e controlados utilizando a ferramenta Cochrane Collaboration.

Os estudos observacionais foram avaliados utilizando a Escala Newcastle-Ottawa.

As metanálises foram aplicadas em dados brutos para resultados com dados para pelo menos 2 estudos e foram conduzidos usando o RevMan (versão 5.3).

Os resultados foram agrupados usando o modelo de efeito aleatório.

A qualidade da evidência foi avaliada usando a abordagem de Grau de Pesquisa, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliação.

RESULTADOS:

Identificamos 35 estudos elegíveis, incluindo 98,926 mulheres.

Nenhum dos estudos comparou o uso de ácido fólico e ferro versus o uso de polivitamínicos.

O uso de polivitamínicos não alterou o risco do desfecho primário, parto prematuro (risco relativo, 0,84 [intervalo de confiança de 95%, 0,69-1,03]).

No entanto, o risco de pequeno para idade gestacional (risco relativo, 0,77 [intervalo de confiança de 95%, 0,63-0,93]), defeitos do tubo neural (risco relativo, 0,67 [intervalo de confiança 95%, 0,52-0,87]), defeitos cardiovasculares (relativo risco 0,83 [intervalo de confiança de 95%, 0,70-0,98]), defeitos do trato urinário (risco relativo, 0,60 [intervalo de confiança 95%, 0,46-0,78]) e deficiências dos membros (risco relativo, 0,68 [intervalo de confiança de 95%, 0,52 -0,89]) foi diminuída.

Dos 35 estudos identificados, apenas 4 foram randomizados, ensaios controlados.

O grau de evidência clínica de acordo com os Graus de Pesquisa, Avaliação eDesenvolvimento.

CONCLUSÃO:

O uso de rotina de polivitamínicos em países de alta renda pode ser recomendado, mas com cautela devido à baixa qualidade da evidência. Estudos aleatórios, controlados ou estudos de coorte prospectivos bem realizados, são necessários.


ca e d

  Suplementação de Cálcio e Vitamina D na gravidez para prevenção de pré-eclâmpsia

.
Artigo de revisão bem interessante sobre a suplementação de Cálcio e Vitamina D na gravidez para prevenção de pré-eclâmpsia publicado na Nutrients. 2017 Oct; 9(10): 1141. DOI 10.3390/nu9101141
.
Os efeitos de suplementação de vitamina D com ou sem cálcio durante a gravidez para reduzir o risco de pré-eclâmpsia e hipertensão induzida por gestação ou gravidez são controversos
.
A literatura foi pesquisada sistematicamente nos bancos de dados Medline, Scopus e Cochrane desde o início até julho de 2017. Apenas os ensaios clínicos randomizados (ECRs) em inglês foram selecionados se tivessem qualquer par de intervenções (cálcio, vitamina D, ambos ou placebo)
.
A revisão sistemática com metanálise em duas etapas foi utilizada para estimar indiretamente os efeitos suplementares. Vinte e sete ECRs com 28 mil mulheres foram elegíveis
.
Uma metanálise direta sugeriu que o cálcio, a vitamina D e o cálcio mais a vitamina D poderiam reduzir o risco de pré-eclâmpsia quando comparados com o placebo com os coeficientes de risco agrupados (CRA) de 0,54, 0,47 e 0,50 , respectivamente
.
Os resultados da metanálise foram semelhantes com os CRA correspondentes de 0,49 , 0,43 e 0,57, respectivamente. Nenhum dos controles foi significativo
.
A eficácia da suplementação, que foi classificada por superfície sob probabilidades de classificação cumulativa, foram: vitamina D (47,4%), cálcio (31,6%) e cálcio mais vitamina D (19,6%), respectivamente
.
A suplementação de cálcio pode ser utilizada para prevenção da pré-eclâmpsia
.
A vitamina D também pode funcionar bem, mas outros ECR de grande escala são justificados para confirmar nossas descobertas

.
#cálcio #vitaminaD #cálcioparaprevençãodepréeclâmpsia #vitaminaDparaprevençãodepréeclâmpsia #nutrologiafeminina #nutrologiamaterna

               Eu não vou esperar que surjam mais ensaios clínicos randomizados para prescrever a vitamina D de forma personalizada. Pra mim, que avalio de rotina a Vitamina D nas consultas de Ginecologia e pelo menos nos três trimestres de gestação nas consulta de pré-natal, a deficiência é frequente e precisa ser tratada. O cálcio é presente nos polivitamínicos e dificilmente encontro deficiência. Pacientes de alto risco para desenvolverem pré-eclâmpsia necessitam de uma avaliação personalizada para cálculo da dose adequada tanto de cálcio como de vitamina D. Por isso, uma avaliação por um(a) nutricionista ou nutrólogo(a) especializados em gestação (e preferencialmente de alto risco) pode através de consulta presencial,  pela avaliação da composição corporal detalhada, dos hábitos alimentares e de vida, realização do recordatório alimentar, exames físico e complementares. Preferencialmente estas consultas devem ser realizadas antes da gravidez, na consulta pré-concepcional e durante a gestação, conforme a necessidade de cada cliente.

 


 

 

WhatsApp Image 2017-11-12 at 01.26.44

Mais um trabalho top, que merece ser compartilhado… Am J Obstet Gynecol. 2017 Oct;217(4):404.e1-404.e30
.
➡INTRODUÇÃO
Em países de alta renda, uma dieta saudável é amplamente acessível. No entanto, uma mudança para uma dieta de baixa qualidade com baixo valor nutricional em países de alta renda levou a uma ingestão inadequada de vitamina durante a gravidez.
.
➡OBJETIVO:
✔Foi uma revisão sistemática e meta-análise para avaliar a associação entre o uso de multivitamínicos entre mulheres em países de alta renda e o risco de desfechos adversos (parto prematuro, resultado baixo do nascimento, pequeno para idade gestacional, morte fetal, morte neonatal , mortalidade perinatal e anomalias congênitas sem especificação adicional).
.
➡Metodologia
✔Pesquisamos bancos de dados eletrônicos (MEDLINE, Embase, Cochrane, Scopus e CINAHL) desde o início até 17 de junho de 2016, utilizando sinônimos de gravidez, tipo estudo / teste e polivitamínicos
✔Estudos elegíveis foram todos estudos em países de alta renda que investigam a associação entre o uso de multivitamínicos (3 ou mais vitaminas ou minerais em comprimidos ou cápsulas) e resultados adversos de parto
✔Foram avaliados ensaios randomizados e controlados utilizando a ferramenta Cochrane Collaboration
✔Os estudos observacionais foram avaliados utilizando a Escala Newcastle-Ottawa. As metanálises foram aplicadas em dados brutos para resultados com dados para pelo menos 2 estudos e foram conduzidos usando o RevMan (versão 5.3)
✔Os resultados foram agrupados usando o modelo de efeito aleatório.
✔ A qualidade da evidência foi avaliada usando a abordagem de Grau de Pesquisa, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliação (GRADE).
.
➡RESULTADOS:
✔Foram Identificados 35 estudos elegíveis, incluindo 98.926 mulheres.
✔ Nenhum dos estudos comparou o uso de ácido fólico e ferro versus o uso de polivitamínicos
✔O uso de polivitamínicos não alterou o risco do desfecho primário, parto prematuro (risco relativo, 0,84 [intervalo de confiança de 95%, 0,69-1,03]) MAS
*⃣DIMINUIU
✔O risco de pequeno para a idade gestacional (risco relativo, 0,77 [intervalo de confiança de 95%, 0,63-0,93]), defeitos do tubo neural (risco relativo, 0,67 [intervalo de confiança 95%, 0,52-0,87])
✔Defeitos cardiovasculares (relativo risco 0,83 [intervalo de confiança de 95%, 0,70-0,98])
✔Defeitos do trato urinário (risco relativo, 0,60 [intervalo de confiança de 95%, 0,46-0,78]) e
✔Deficiências dos membros (risco relativo, 0,68 [intervalo de confiança de 95%, 0,52 -0,89])
✔ Dos 35 estudos identificados, apenas 4 foram randomizados, ensaios controlados
✔O grau de evidência clínica de acordo com a GRADE foi baixo ou muito baixo para todos os resultados, exceto a recorrência de defeitos do tubo neural, em que um grau moderado de evidência clínica foi encontrado
.
➡CONCLUSÃO:
✔O uso de rotina de polvitamínicos em países de alta renda pode ser recomendado, mas com cautela devido à baixa qualidade da evidência. Estudos aleatórios, controlados ou estudos de coorte prospectivos bem realizados, são necessários
.
E no Brasil, em particular no nordeste, será que não é mais importante esta suplementação vitamínica posto que de longe não somos países de baixa renda? SIM
Será que a epidemia de Microcefalia ocorreu por aqui, por acaso? NÃO
Será que foi por acaso que meus resultados obstétricos melhoraram depois que resolvi estudar Nutrição e trabalhar em parceria com diversas nutricionistas? NÃO
.
#polivitamínicos #artigosGlauciusNascmento #nutrição #nutrologia #ginecologiaintegrativaefuncional


 

nutrologia

 

.
O consumo de uma dieta variada e equilibrada a partir do período pré-concepcional é essencial para garantir o bem-estar materno e os resultados da gravidez. No entanto, o risco de ingestão inadequada de micronutrientes específicos na gravidez e lactação é elevado, mesmo nos países mais industrializados. Isto aplica-se particularmente ao ácido docosahexaenóico (DHA), ferro, iodo, cálcio, ácido fólico e vitamina D, também na população italiana. Além disso, aumenta o risco de não atingir o suprimento adequado de nutrientes para grupos selecionados de mulheres em idade fértil: aqueles que seguem dietas de exclusão, abaixo do peso ou acima do peso / obesos, fumantes, adolescentes, mães que tiveram gravidezes múltiplas ou próximas e aqueles com antecedentes de resultados desfavoráveis da gravidez.
.
Com relação à população italiana, os dados disponíveis indicam que a ingestão de nutrientes selecionados é muitas vezes insuficiente tanto por grupos populacionais selecionados como por mulheres grávidas e lactantes. Isto aplica-se particularmente ao DHA, ao ferro, ao iodo, ao cálcio, ao ácido fólico e à vitamina D
.
E no Brasil? No Brasil você deve procurar um profissional que realmente se preocupe com sua alimentação e suplemente os micronutrientes de forma personalizada, baseada na sua individualidade bioquímica.
.
#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa #obstetriciaintegrativa#ultrassonografia #medicinafetal #fetalmedicine#ultrasound #nutrologia


 

 

 

nutrologia2

Este estudo prospectivo procurou investigar os níveis séricos de oligoelementos (cobalto, cobre, zinco e selênio) e avaliar seus efeitos na gravidez e nos resultados neonatais.
.
✔Os níveis séricos de oligoelementos em 245 mulheres grávidas grávidas (mediana da idade gestacional no parto foi 39 + 4 semanas e o intervalo interquartil foi de 38 + 4 – 40 + 1 semanas) foram comparados com os de 527 adultos em geral e os de estudos anteriores em outros grupos étnicos Grupos.
✔A gravidez e os resultados neonatais, incluindo diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, peso ao nascer neonatal e anomalias congênitas foram avaliados
.
As concentrações médias de soro de todas as gestantes foram: cobalto: 0,39 μg / L (intervalo interquartil, IQR 0,29-0,53), cobre: ​​165,0 μg / dL (IQR 144,0-187,0), zinco: 57,0 μg / dL (IQR 50,0 -64,0) e selênio: 94,0 μg / L (IQR 87,0-101,0)
As concentrações séricas de cobalto e cobre foram maiores nas gestantes do que na população geral, enquanto os níveis de zinco e selênio foram menores (p <0,01)
As concentrações de todos os quatro oligoelementos variaram significativamente durante os três trimestres (p <0,05), e a variação sazonal foi encontrada no cobre, zinco e selênio, mas não foi observada para o cobalto
A prevalência de pré-eclâmpsia foi significativamente menor com alto teor de cobre (p = 0,03)
.
Em conclusão, o baixo status de Zn é altamente prevalente (76,3%) em mulheres grávidas coreanas. Considerando que a concentração de Zn diminui à medida que a gravidez progride, a suplementação de nutrientes pode ser necessária para mulheres grávidas coreanas. Nosso estudo também indica que o nível sérico de Cobre alto está associado a uma menor prevalência de pré-eclâmpsia (1,2% versus 4,1%). No entanto, estudos futuros para avaliar as associações entre a suplementação de nutrientes, a concentração sérica materna e os resultados relacionados à gravidez são necessários. Este estudo pode fornecer orientação importante para a suplementação razoável de elementos essenciais na gravidez para melhorar os resultados maternos e neonatais.
.
#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa

 


 

nutro2

.
O objetivo deste estudo foi avaliar a associação entre o consumo de fast food eo diabetes mellitus gestacional (DMG) entre mulheres do
.
✔Este estudo foi conduzido ao longo de um período de 17 meses, numa amostra aleatória de mulheres grávidas (n = 1026), com idade entre 18-45 anos, frequentando clínicas pré-natais em cinco hospitais afiliados a universidades de ciências médicas, localizadas em diferentes distritos de Teerã, Irã
✔Os dados dietéticos foram coletados durante a idade gestacional ≤ 6 semanas, utilizando um questionário validado e confiável de 168 itens de freqüência alimentar
✔Foi calculado o consumo total de fast-foods, incluindo hambúrgueres, salsichas, bolonhesa, pizza e batatas fritas
✔Entre 24 e 28 semanas de gestação, todas as gestantes foram submetidas a um teste de tolerância oral à glicose de 100 g 3 h
✔O DMG foi definido de acordo com a definição da American Diabetes Association
.
A média de idade eo índice de massa corporal pré-gravidez dos participantes foram 26,7 ± 4,3 anos e 25,4 ± 4,5 Kg / m2, respectivamente
Um total de 71 mulheres desenvolveram DMG
.
Após o ajuste para os fatores de confusão, o OR (IC 95%) para GDM para o consumo total de fast food foi de 2,12 (1,12-5,43) e para batatas fritas foi de 2,18 (1,05-4,70)
.
Verificou-se que o consumo de fast food em mulheres em idade reprodutiva tem efeitos indesejáveis na prevalência de DMG.
.
Ou seja, quer diminuir os riscos não apenas do diabetes gestacional mas também de outras doenças crônicas, infecciosas e metabólicas na gravidez? ALIMENTE-SE BEM, DE FORMA SAUDÁVEL E FUNCIONAL. QUE O ALIMENTO SEJA O SEU MEDICAMENTO. É inaceitável acreditar que é mais difícil se alimentar bem do que tomar remédio, principalmente nos casos mais graves de diabetes, quando o tratamento necessita de injeção de insulina. E mesmo que seja preciso qualquer medicamento para qualquer patologia, o tratamento terá um melhor resultado caso a alimentação seja adequada. Até um estudo no Teerã mostra isso, você ainda acha que é TERRORISMO NUTRICIONAL?
.
#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa #obstetriciaintegrativa


nutro3
☑️Na minha prática ginecológica percebo as mulheres se submetendo a exames invasivos quando o mínimo de mudanças de hábitos e suplementação personalizada deveria ser o pontapé inicial na abordagem do casal com dificuldade para engravidar!!! Segue um trabalho publicado em dezembro de 2016 sobre o assunto, sob a ótica da fertilidade masculina…
.
Muitos estudos têm focado na infertilidade masculina. Há poucas evidências sobre a influência da nutrição sobre a qualidade do sêmen
.
✔Aproximadamente, 30-80% dos casos de infertilidade são causados por estresse oxidativo e diminuição do nível de capacidade antioxidante total seminal
.
✔Este estudo teve como objetivo rever os efeitos dos suplementos antioxidantes orais na melhora dos principais parâmetros do sêmen, como a concentração de espermatozóides, motilidade, morfologia, danos no DNA e taxa de fertilidade
.
✔Os dados foram extraídos dos bancos de dados PubMed e Google Scholar usando os termos “antioxidante”, “multivitamínico”, “carnitina”, “CoQ10”, “vitamina C”, “vitamina E”, “zinco”, “ácido fólico”, “N “Acetilcisteína” e “selênio” combinado com “infertilidade masculina”, “sêmen” e “esperma” para gerar um conjunto de citações relevantes
.
Suplementos como CoQ10 e alfatocoferol melhorar significativamente a contagem de espermatozóides
.
Além disso, a carnitina tem efeitos positivos sobre a motilidade e morfologia dos espermatozóides
.
A administração simultânea de vitamina E e vitamina C reduz os danos no DNA do esperma
.
No entanto, em alguns estudos, um ou mais fatores não mudaram substancialmente
.
Na maioria dos estudos, a suplementação antioxidante melhorou o número, motilidade, morfologia e, às vezes, integridade do DNA do esperma
.
O presente estudo mostrou que os suplementos antioxidantes, especialmente uma combinação de antioxidantes como vitamina C, vitamina E e ingestão de CoQ10 pode efetivamente melhorar os parâmetros do sêmen em homens inférteis.
.
Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5203687/pdf/ijrb-14-729.pdf
.
#consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #fertilidade

 


nutro4

.
Se você ainda não conseguiu eliminar os fast-foods da sua vida, aí vai mais um motivo para cortar de vez esse tipo de comida do cardápio: segundo um estudo publicado recentemente no jornal científico Environmental Science & Technology Letters, embalagens de alimentos prontos podem conter substâncias um tanto perigosas para a saúde.
.
✔No trabalho, um time de pesquisadores americanos analisou mais de 400 embalagens e copos de papel e cartolina usados por restaurantes fast-food de todo o país para embrulhar e conservar alimentos. Em boa parte dos materiais avaliados, os experts encontraram substâncias fluoradas, associadas em estudos anteriores a câncer e diabetes, problemas de fertilidade e, nas crianças, a distúrbios de desenvolvimento. Os alimentos com níveis mais altos desses compostos foram os embrulhos de comida Tex-Mex, sobremesas e pães.
.
A pesquisa serve para reforçar a recomendação de que cozinhar em casa é sempre a opção mais saudável.
.
Fonte: Boa Forma. http://boaforma.abril.com.br/saude/estudo-identifica-substancias-nocivas-em-embalagens-de-fast-food/
.
#consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010#ginecologiaintegrativaefuncional#obstetriciaintegrativaefuncional

 


acidofolico

.
➡️Um importante Guideline nacional recomenda a ingestão suplementar se ácido fólico sintético na dose de 400ug pelo menos 30 dias antes de engravidar e até o terceiro mês de gestação para pacientes de baixo risco para Defeito Aberto do Tubo Neural (DATN), bem como de 4mg para as de alto risco
.
➡️São elencados vários fatores de risco acima (na foto) que justificam a dose maior de ácido fólico. Dentre eles encontra-se o polimorfismo MTHFR
.
➡️Porém, em relação ao MTHFR, seguem alguns questionamentos:
Se o teste do polimorfismo MTHFR não é oferecido de rotina, qual justificativa de oferecermos a menor dose?
Se o companheiro (esposo) também possuir este polimorfismo, não levará um risco maior de o embrião / feto possuir este polimorfismo e neste caso também ser considerado alto risco?
O ácido fólico não é importante para outras funções como tratamento (prevenção) de anemia, desenvolvimento do cérebro fetal, redução da Homocisteína (aminoácido marcador de inflamação)?
Outros nutrientes não seriam importantes no ciclo do acido fólico como vitamina B12, B6, D, colina, betaína e de repente teriam indicação de suplementar?
Por que depois da epidemia de Zika e Síndrome Congênita (microcefalia e outros defeitos congênitos) o Ministério da Saúde na nova caderneta da gestante de 2016 recomendou o uso de ácido fólico (na rede pública disponível apenas na dosagem de 5mg) durante toda a gestação?
Por que não se recomenda a dosagem de alguns nutrientes importantes no desenvolvimento fetal como vitamina b12, ácido fólico, e 25-OH-vitamina D? ?
Nas pacientes com polimorfismo MTHFR por que não suplementar a forma ativa do ácido fólico, conhecida como L-Metilfolato? ?
.
✔️Polimorfismo MTHFR não é tão simples ou irrelevante como muitos imaginam. Mas é muito gratificante estudar, tratar e acompanhar estes casos muitas vezes resolvidos com a administração de nutracêuticos / polivitamínicos!
.
#riomartradecenter3sala1010#consultoriodrglauciusnascimento #mthfr#dnamethylation #methylfolate #folicacid#acidofolico

 


nutro5

.
Este artigo apresenta uma revisão sistemática da literatura sobre se a ingestão dietética influencia o risco de depressão perinatal, ou seja, depressão durante a gravidez ou pós-parto. Tal ligação tem sido hipotetizada dado que certos nutrientes são importantes no sistema de neurotransmissão ea gravidez depleta nutrientes essenciais
.
As bases de dados PubMed, EMBASE e CINAHL foram pesquisadas para artigos relevantes até 30 de maio de 2015
Foram incluídos estudos revisados ​​por pares de qualquer projeto que avaliou se a depressão perinatal está relacionada à ingestão dietética, que foi definida como adesão a certas dietas, ingestão de alimentos derivados de nutrientes essenciais ou suplementos.
.
Foram identificados 4808 estudos, dos quais 35 preencheram critérios de inclusão: seis ensaios clínicos randomizados, 12 coortes, um estudo caso-controle e 16 estudos transversais, representando 88 051 indivíduos distintos.
.
Os estudos foram agrupados em quatro categorias principais com base na análise da ingestão dietética: aderência aos padrões alimentares (nove estudos); Painel completo de nutrientes essenciais (seis estudos); Nutrientes específicos (incluindo vitaminas do complexo B, vitamina D, cálcio e zinco, oito estudos) e ingestão de peixes ou ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs, 12 estudos)
.
✔Enquanto que 13 estudos, incluindo três ensaios de suplementação de PUFA, não encontraram evidência de associação, 22 estudos mostraram efeitos protetores de padrões alimentares saudáveis, suplementação multivitamínica, ingestão de peixes e PUFA, cálcio, vitamina D, zinco e possivelmente selênio. Dadas as limitações metodológicas dos estudos existentes e as inconsistências nos achados entre os estudos, a evidência sobre se os fatores nutricionais influenciam o risco de depressão perinatal ainda é inconclusiva. São necessários mais estudos longitudinais, com medição robusta e consistente da ingestão dietética e sintomas depressivos, idealmente antes da gravidez
.
EU, GLAUCIUS, ACREDITO QUE A ALIMENTAÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO PERSONALIZADOS, ASSOCIADOS A EXCELENTES HÁBITOS DE VIDA PODEM DIMINUIR O RISCO DE DEPRESSÃO PÓS PARTO
.
#consultoriodrglauciusnascimento


 

nutro6

.
A deficiência de vitamina B12 (daqui em diante referida como B12) na gravidez é prevalente e tem sido associada a um menor peso ao nascer (peso ao nascer <2.500 g) e ao nascimento prematuro (duração da gestação 7 semanas)
.
Realizou-se uma revisão sistemática e uma metanálise de dados de participantes individuais para avaliar as associações de concentrações plasmáticas de soro ou plasma de B12 na gravidez com o peso ao nascer do nascimento e o tempo de gestação
.
Foram identificados 22 estudos elegíveis (11.993 observações). Dezoito estudos foram incluídos na meta-análise (11.216 observações)
.
Resultados
✔Não houve associação linear entre os níveis de B12 materno na gestação e peso ao nascer
✔A deficiência de B12 (<148 pmol / L) foi associada a um maior risco de baixo peso ao nascer (razão de risco ajustada = 1,15, intervalo de confiança 95%)
✔Houve associação linear entre os níveis maternos de B12 e o nascimento prematuro (por cada aumento de 1 desvio-padrão em B12, razão de risco ajustada = 0,89; IC95%: 0,82; 0,97)
.
Desta forma, a deficiência de B12 foi associada a maior risco de parto prematuro (razão de risco ajustada = 1,21; IC 95%: 0,99; 1,49)
.
*️⃣Esta descoberta suporta a necessidade de ensaios controlados randomizados de suplementação com vitamina B12 durante a gravidez
.
Vitamina B12 é um importante nutriente e eu avalio seus níveis sérios no primeiro, segundo e terceiro trimestres. Entendem o porquê que faço tal avaliação? Um supernutriente deve ser bem avaliado e suplementado adequadamente!
.
#consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa #obstetriciaintegrativa#ultrassonografia #medicinafetal #fetalmedicine#ultrasound #b12 #vitamins #dnamethylation

 


ômega3

Chen e colaboradores em 2015 realizaram uma revisão sistemática das bases de dados da biblioteca Medline, EMBASE e Cochrane para os ensaios clínicos randomizados publicados até fevereiro de 2015 que compararam os efeitos da suplementação com óleo de peixe com uma dieta de controle em mulheres durante a gravidez
.
Vinte e um estudos com 10.802 gestantes foram incluídos. O óleo de peixe dietético foi associado a:
✔aumento de 5,8 dias na idade gestacional do recém-nascido
✔um risco reduzido de 22% para parto prematuro precoce (p < 0,01)
✔10% de redução no parto prematuro (p < 0,05)
.
A suplementação com óleo de peixe foi associada com maior peso ao nascer (51,23 g), comprimento ao nascer (0,28 cm) e perímetro cefálico (0,09 cm), e risco 23% menor de baixo peso ao nascer. Nenhum benefício da suplementação com óleo de peixe foi encontrado no que diz respeito ao risco de restrição de crescimento intrauterino ou morte fetal
.
A conclusão do trabalho é que óleo de peixe dietético durante a gravidez foi associado com menor risco de parto prematuro e melhora do tamanho do recém-nascido. O óleo de peixe durante a gravidez pode ser um profilático eficaz para o parto prematuro.
.
Mas cuidado! Preste atenção! Apesar de ômega 3 ser um alimento, poder ser comprado sem receita médica, é fundamental observar as seguintes recomendações:
Verificar a composição de EPA (Ácido EicosaPentaenóico) e DHA (Ácido DocosaHexaenoico) para cada cápsula – quanto maior a quantidade destes dois principais tipos de Ômega 3 melhor, especialmente o DHA
Identificar se há a presença de contaminantes, como mercúrio, chumbo, dioxinas, bem como o veículo utilizado. Tem ômega 3 com veículo de óleo de soja, acredite
Certificar de que o ômega 3 não congela
Existem cápsulas gastrorresistentes que diminuem o odor de peixe comum após a ingestão de ômega 3
.
Não faz sentido suplementar bem (Ômega 3 ou outro nutracêutico)e se alimentar mal, não melhorar os hábitos de vida gerenciando bem o estresse, melhorando a qualidade do sono e praticando atividade física
.
#omega3 #fishoil #consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010#ginecologiaintegrativaefuncional

 


obesidade

.
Excelente artigo publicado na Revista Lancet (Outubro de 2016) esclarece sobre influência da obesidade materna na saúde dos descendentes a longo prazo
.
➡️Além das implicações imediatas para as complicações da gravidez, evidências crescentes implicam a obesidade materna como um determinante principal de alterações na saúde durante a infância e a vida adulta adulta dos seus descendentes
.

➡️Estudos observacionais fornecem evidências dos efeitos da obesidade materna nos seus riscos para os seus descendentes para a seguintes patologias:
✔️Obesidade
✔️Doença coronária
✔️Acidente vascular cerebral
✔️Diabetes tipo 2 e
✔️Asma.
.
➡️A obesidade materna também pode levar a um menor desempenho cognitivo e maior risco de distúrbios do neurodesenvolvimento, incluindo paralisia cerebral para os seus descendentes
.
➡️Evidências preliminares sugerem implicações potenciais para resultados imunológicos e relacionados a doenças infecciosas. Estudos experimentais apóiam os efeitos causais da obesidade materna nos resultados fora da primavera, que são mediados, pelo menos parcialmente, por mudanças nos processos epigenéticos, como alterações na METILAÇÃO DO DNA e talvez por ALTERAÇÕES NO MICROBIOMA DO INTESTINO
.

➡️Uma vez que os efeitos a longo prazo da obesidade materna podem ter profundas implicações para a saúde pública, há uma necessidade urgente de estudos sobre a causalidade, mecanismos subjacentes e intervenções eficazes para inverter a epidemia de obesidade em mulheres em idade fértil e mitigar as consequências da obesidade materna para a sua descendência
.
QUEM QUER TER UM FILHO FAZ O QUE FOR POSSÍVEL PELA SAÚDE DE SEU FILHO(A). PENSE NISSO E MELHORE SEUS HÁBITOS DE VIDA: pratique atividade física, alimente-se bem e de forma funcional, gerencie o seu estresse e o seu sono, tenha um hábito intestinal normal, cuida da sua microbiota
.
#consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa #obstetriciaintegrativa#cerclagemuterina #ultrassonografia #medicinafetal#fetalmedicine #ultrasound#atencaointegralasaudedamulher

 


b12

.
O objetivo do artigo foi avaliar o status de vitamina B12 e folato na gravidez e sua relação com obesidade materna, diabetes mellitus gestacional (DMG) e peso ao nascer
.
➡️Metodologia:
✔️Realizou-se um estudo caso-controle retrospectivo de 344 mulheres (143 DMG, 201 não-DMG) atendidas em um hospital geral distrital e com níveis de B12 e folato no início do 3º trimestre
.
✔️História materna incluindo gravidez precoce índice de massa corporal (IMC) e dados neonatais (peso ao nascer, sexo e idade gestacional) foram registrados para todos os indivíduos
.
➡️Resultados:
✔️26% da coorte apresentaram níveis de B12 <150 pmol / L (32% vs. 22% nos dois grupos respectivamente, p <0,05), enquanto 1,5% apresentaram deficiência de folato
.
✔️Após ajuste para os fatores de confusão, o IMC do primeiro trimestre foi negativamente associado aos níveis de B12 no 3º trimestre (quanto maior o IMC menor o nível de B12)
.
✔️As mulheres com insuficiência de B12 apresentaram maior probabilidade de obesidade e DMG
.
✔️Em mulheres sem DMG, o quartil mais baixo de B12 e o maior quartil de folato apresentaram risco de macrossomia fetal significativamente maior (RR 5,3 (1,26, 21,91), p = 0,02 e 4,99 (1,15, 21,62), p = 0,03, respectivamente).
.
➡️Conclusão:
✔️Este é o primeiro estudo do Reino Unido que mostrou que os níveis maternos de B12 estão associados com o IMC, o risco de DMG e, além disso, podem ter um efeito independente sobre a macrossomia fetal. Devido o crescimento da obesidade materna e DMG, estudos longitudinais com medidas da B12 no início da gravidez são necessários para explorar está associação
.
Eu (há 2 anos) avalio a vitamina B12, ácido fólico e homocisteína nos três trimestres de gravidez. Vale a pena e encontro um número considerável de deficiência de vitamina B12. Vitamina B12 e ácido fólico são importantes nutrientes para o desenvolvimento do sistema nervoso do feto. Num país com epidemia de microcefalia por Zika congênita ao meu ver é indiscutível está avaliação e suplementação personalizada
.
#consultoriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010 #medicinaintegrativa#ginecologiaintegrativa #obstetriciaintegrativa #b12#vitaminab12 #dnamethylation


 omega3gravidez
 A suplementação com Ácidos Graxos Poli-Insaturados de Cadeia Longa (Ômega3) no terceiro trimestre da gravidez reduziu o risco absoluto de sibilância persistente ou asma e infecções do trato respiratório inferior na prole em aproximadamente 7 pontos percentuais, ou um terço, aproximadamente
.
Esta é a conclusão deste estudo, publicado em 29 de dezembro de 2016, na revista The New Englad Journal of Medicine, uma coorte dinamarquesa prospectiva com intervenção duplo cega e randomizada através da ingestão de 2,4g de óleo de peixe a partir de 24 semanas de gestação
.
As crianças (695) foram avaliadas até os três anos de idade. Foi verificado que o risco de sibilância persistente ou asma no grupo de tratamento foi de 16,9%, contra 23,7% no grupo controle (P = 0,035), correspondendo a uma redução relativa de 30,7% (aproximadamente um terço)
.
Análises de subgrupos pré-especificadas sugerem que o efeito foi mais forte nos filhos de mulheres cujos níveis sangüíneos de ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA) estavam no terço mais baixo da população de ensaio em aleatorização: 17,5% versus 34,1% (P = 0,011). As análises dos pontos finais secundários mostraram que a suplementação com Ômega 3 estava associada a um risco reduzido de infecções do trato respiratório inferior (31,7% vs. 39,1%; P = 0,033 )
.
*️⃣A hipótese de que a ingestão reduzida de ácidos gordos poliinsaturados de cadeia longa (Ômega-3) pode ser um fator que contribui para a crescente prevalência de transtornos de sibilância foi corroborada neste estudo. Por isso, no Brasil, a Associação Brasileira de Nutrologia e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia recomendam a ingestão de Ômega 3 nas gestantes
.
#consultoriodrglauciusnascimento #riomartradecenter3sala1010 #ginecologiaintegrativaefuncional #obstetriciaintegrativaefuncional #usg #medicinafetal #nutrologia #pufa #omega3

b12 e diabetes
.
O objetivo deste estudo do tipo caso-controle foi avaliar o estado de vitamina B12 e folato na gravidez e sua relação com obesidade materna, diabetes mellitus gestacional (DMG) e peso ao nascimento
.
✔️344 mulheres (143 DMG, 201 não-DMG) atendidas em um hospital geral distrital submeteram-se à avaliação laboratorial de B12 e folato no início do 3º trimestre
.
✔️26% da coorte apresentaram baixos níveis de B12 <150 pmol / L (32% vs. 22% nos dois grupos respectivamente, p <0,05), enquanto 1,5% apresentaram deficiência de folato
.
✔️Após ajuste para os fatores de confusão, o IMC do primeiro trimestre foi negativamente associado aos níveis de B12 no 3º trimestre
.
✔️As mulheres com insuficiência de B12 apresentaram maiores probabilidades de obesidade e DMG (aOR (IC95%) 2,40 (1,31, 4,40), p = 0,004 e 2,59 (1,35, 4,98), p = 0,004, respectivamente),
.
✔️Em mulheres sem DMG, o quartil mais baixo de B12 e o maior quartil de folato apresentaram risco de macrossomia fetal significativamente maior (RR 5,3 (1,26, 21,91), p = 0,02 e 4,99 (1,15, 21,62), p = 0,03, respectivamente)
.
➡️Conclusão: Este é o primeiro estudo do Reino Unido para mostrar que os níveis maternos insuficientes de Vitamina B12 estão associados com o aumento do IMC, com o risco de DMG e, além disso, podem ter um efeito independente sobre a macrossomia
.
➡️Devido ao interrelação entre obesidade materna e DMG, estudos longitudinais com medidas B12 no início da gravidez são necessários para explorar este link.
.
 É por isso que há cerca de 2 anos resolvi estudar melhor a mutilação do DNA e doso ácido fólico, vitamina B12 e homocisteína nos três trimestres de gravidez. E rotineiramente encontro deficiência de vitamina B12, mesmo com a suplementação polivitamínica tradicional cujos compostos tradicionais apresentam cerca de 2,5ug de B12. As gestantes mais obesas apresentam esta deficiência com maior frequência. Fico feliz por realmente aplicar os conhecimentos teóricos na minha prática médica
.
#medicinaintegrativa #ginecologiaintegrativa#obstetriciaintegrativa #consultoriodrglauciusnascimento #riomartradecentersala1010

dtn
.
O estudo considerado de maior impacto na edição de dezembro de 2016 do Jornal Americano de Ginecologia e Obstetrícia (AJOG) concluiu que microbiota endometrial humana existe e é independente da regulação hormonal. A existência de bactérias não-Lactobacillus no endométrio está correlacionada com impactos negativos na reprodução humana e deve ser considerada como uma causa emergente de falha na implantação e perda de gravidez. Os resultados apresentados no artigo expandem a avaliação da receptividade endometrial não apenas nos níveis morfológico e molecular, mas também no ponto de vista microbiológico. É hora de considerar os microorganismos não apenas como inimigos, mas também como aliados na medicina reprodutiva.
.
E você ainda acha…
✔️Que a microbiota intestinal e endometrial não é importante?
✔️Que probióticos não têm efeito algum na imunologia da reprodução?
✔️Que a alimentação não tem influência com a flora intestinal, endometrial ou vaginal?
✔️Que a constipação intestinal não tem efeito alguma na saúde reprodutiva?
.
ESTÁ NA HORA DE ESTUDARMOS MAIS FERTILIDADE DO QUE INFERTILIDADE!!!
.
➡️O artigo foi considerado de grande importância na literatura e disponibilizado gratuito no linkhttp://www.ajog.org/article/S0002-9378(16)30782-7/pdf Vale a pena a leitura!!!

bdtn

.
☘️Vitaminas B e outros fatores dietéticos interagem com o metabolismo de um carbono para influenciar o desenvolvimento de Defeitos do Tubo Neural. Além de uma alimentação funcional e suplementação adequada, é preciso entender que outras substâncias atrapalham o ciclo do ácido fólico / homocisteína como álcool, cafeína, catequinas (presente nos chás) enquanto outras ajudam como Ômega 3, vitaminas do complexo B (B1, B2, B6, B9 e B12), colina, betaína, dimetilglicina
.
1️⃣álcool e cafeína diminuem a vitamina B-6, e, assim, alteram as vias da metilação do DNA / Metabolismo de um carbono dependentes de vitamina B6
.
2️⃣o álcool reduz a atividade de MTR (Metionina Sintase) , levando a Hcy aumentada e SAM (S-Adenosil-Metionina) reduzida;
.
3️⃣as catequinas no chá reduzem a actividade da DHFR (DiHidroFolatoRedutase) e impedem a síntese de THF (TetraHidroFolato);
.
4️⃣Ácidos graxos Ômega 3 aumentam a expressão de mRNA de enzimas envolvidas no metabolismo de um carbono, tais como MTHFR (metilenotetrahidrofolatereductase), CBS (cistationina-beta-sintase) e CSE (cistationina-gama-liase)

microndv
✔️Os micronutrientes formam a estrutura do sistema nervoso central e desempenham papéis funcionais importantes: estimulam o desenvolvimento, migração e diferenciação das células nervosas
.
✔️O objetivo deste estudo foi revisar na Literatura Científica o papel dos micronutrientes na estrutura e função do cérebro infantil
.
✔️Desta forma, pode-se fornecer aos pediatras o conhecimento sobre a importância de introduzir todos os nutrientes na dieta com base na composição do leite materno
.
➡️Um suprimento adequado de nutrientes, incluindo CÁLCIO, COBRE, COLINA, FERRO, ÁCIDO FÓLICO, IODO E VITAMINAS durante a gestação e lactação e na alimentação complementar, terá um efeito no desenvolvimento e / ou função do cérebro
.
Pouco se falou nesta epidemia de Zika e Microcefalia fetal sobre a importância da alimentação funcional e também da suplementação nutracêutica com substâncias que ajudem no desenvolvimento do cérebro fetal. Que o nosso alimento seja o nosso medicamento, que nossos hábitos de vida sejam nosso principais mecanismos de defesa e da manutenção de um organismo saudável
.

zinco.
✔️A DEFICIÊNCIA DE ZINCO EM MULHERES GRÁVIDAS É COMUM, especialmente no terceiro trimestre da gravidez
.
✔️Existe associação entre a deficiência materna de zinco e a ocorrência de abortamentos, além de defeitos congênitos labiais e no palato. O ZINCO É UM ELEMENTO IMPORTANTE PARA A ABSORÇÃO, SÍNTESE E ATIVAÇÃO DO FOLATO
.
✔️No entanto, os dados disponíveis são insuficientes em relação à associação entre a deficiência de zinco e malformações congênitas na população iraniana (como na brasileira também)
.
✔️O objetivo deste estudo foi avaliar se a deficiência de zinco no soro materno está associada ao desenvolvimento de malformações congênitas nos recém-nascidos
.
✔️Estudo descritivo, caso-controle foi realizado em 80 mães de recém-nascidos com anomalias congênitas (grupo caso) que foram admitidos no Hospital Infantil do Irã. Durante o mesmo período de tempo (anos de 2014 e 2015), o nível sérico de zinco foi medida em 80 mães que deram à luz recém-nascidos normais, sem malformações congênitas (grupo controle)
.
✔️Resultados:
1️⃣Para as mães com deficiência de zinco no soro, as chances de ter um bebê que tinha desenvolvido malformação era 7.013 (Odds ratio) vezes maior em comparação com uma mãe com nível de zinco no soro normal
.
2️⃣Casos-nascidos com peso igual ou inferior a 2500 gramas tiveram teor de zinco inferior soro materno em comparação com o grupo controle (valor p = 0,006)
.
✔️Conclusões:
➡️OS DADOS DESTE ESTUDO INDICAM QUE HÁ ASSOCIAÇÃO ENTRE DEFEITOS CONGÊNITOS DE RECÉM-NASCIDOS E DEFICIÊNCIA DE ZINCO MATERNA

om3

➡️Seguem ipsis litteris as recomendações do Guia de Orientação da FEBRASGO sobre o uso de ômega 3 na gestação. Eu recomendo o uso de ômega 3 para todas as minhas gestantes. Ômega 3 é um alimento funcional, não se deve ter medo, ao contrário, em alguns casos recomenda-se o uso em doses mais elevadas. Temos de temer alimentos disfuncionais, junk foods, refrigerantes, excesso de carboidratos, etc...
.
.
✔️Recentemente, a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) , durante a realização de seu congresso brasileiro, realizou um consenso sobre o uso de ômega 3 na gravidez e aleitamento. Foi padronizada a dose de 200mg por dia, durante a gravidez e no aleitamento natural
.
✔️Um aspecto de relevância refere-se ao cuidado de utilizar exclusivamente o ômega 3 (DHA Ácido Docosa-Hexaenóico) obtido de peixes de criatório, livres de contaminação de metais pesados, frequentemente observado em todos os produtos comercializados no país
.
✔️Como exposto em diversos momentos deste guia de orientação, o objetivo da suplementação com o ômega 3 é promover o equilíbrio entre as concentrações desse ácido graxo essencial e seu correspondente, o ômega 6. Dessa maneira, a recomendação de iniciar a suplementação desde a 12ª. Semana de gravidez torna mais fácil o equilíbrio até o início da neurogênese, em torno da vigésima semana gestacional
.
✔️O ômega 3, após ação enzimática, é metabolizado em dois produtos: o EPA (ácido EixosaPentanóico) e DHA, ambos de ação muito semelhante. As ações sobre a neurogênese são exercidas mais diretamente pelo DHA. Como os estudos relativos a suplementação pelo ômega 3 na gestação e aleitamento foram quase na totalidade realizados com o DHA, fica a recomendação de uso prioritário desse tipo de produto, embora não se possa afastar as mesmas ações com a utilização do EPA
.
*️⃣continua no segundo post

om32
.
✔️A SEGURANÇA DE USO DO ÔMEGA 3 DURANTE A GRAVIDEZ, MESMO NO PERÍODO DE EMBRIOGÊNESE, NUNCA FOI QUESTIONADA POR TRATAR-SE DE UM NUTRIENTE NATURAL E NÃO TERATOGÊNICO, QUANDO EM DOSES RECOMENDADAS. ALGUNS RISCOS DO ÁCIDO GRAXO FORAM AVALIADOS E NUNCA FORAM ENCONTRADOS NA PRÁTICA OBSTÉTRICA. OS RISCOS DE SANGRAMENTOS MATERNO E/OU PLACENTÁRIO NÃO FORAM OBSERVADOS COM O USO DE ÔMEGA 3, MESMO EM DOSES MAIS ELEVADAS QUE AS RECOMENDADAS NO CICLO GRAVÍDICO-PUERPERAL
.
✔️Outra preocupação quanto ao uso da suplementação refere-se à possibilidade de ganho de peso corporal com a medida na gravidez. NESTE ASPECTO, NENHUM EFEITO NEGATIVO FOI OBSERVADO
.
✔️Embora ainda se constitua uma medida recente, a suplementação pelo ômega 3 no ciclo gravídico-puerperal tem apresentado uma rápida difusão e aceitação entre as sociedades responsáveis pela saúde materno-infantil em todo mundo
.
✔️O POTENCIAL DE BENEFÍCIOS JÁ ASSEGURADOS E OUTROS, AINDA EM ANÁLISE, COLOCAM A SUPLEMENTAÇÃO PELO ÔMEGA 3 (DHA) ENTRE AS MAIS PROMISSORAS MEDIDAS DE CUIDADO À SAÚDE DO INDIVÍDUO, DESDE A VIDA UTERINA, ATÉ A SUA VIDA ADULTA
.
Num país onde ocorreu uma epidemia de microcefalia, alimentos funcionais não seriam importantes para a neurogênese, para a formação do sistema nervoso do bebê? $abe por que o Brasil não recomenda o uso e distribuição de ômega 3 no SUS né ? Entenderam que muitas vezes a medicina baseada em evidências depende também da classe social??? Há diferença entre medicina social e Medicina personalizada. Pense nisso!!!

diettir
.
As autoras do trabalho ressaltam a relação dos seguintes nutrientes com a função tireoideana:
✔️Iodo: Nutriente fundamental na formação dos hormônios tireoideanos (HT => T4 e T3). Sua deficiência está relacionada com o hipotireoidismo e seu consumo em excesso (>20mg/dia) está relacionado com Tireoidite Auto-Imune (TAI) e ao hipotireoidismo
✔️Selênio (Se): As deiodinases responsáveis por transformar o T4 em T3 ou mesmo em T3 reverso são dependentes do Se. A deficiência de Se pode sim estar relacionada com o hipotireoidismo. Além disso, a ingesta / suplementação de Se diminui o estresse oxidativo (através da Glutationa Peroxidase), e os anticorpos anti-tireoideanos, sendo importantes nas portadoras de TAI e grávidas com Anticorpos Anti-TPO positivos
✔️Zinco (Zn): Restaura a função tireoideana por aumentar a atividade da Deiodinase tipo II. Estudos em animais demonstraram que a deficiência de Zn diminui 30% dos níveis de T4 e T3 livres
✔️Soja: está relacionada com o risco de hipotireoidismo. Estudos em animais demonstram que as isoflavonas presentes na soja (principalmente a genisteína e daidzeína) inibem a enzima Tireoperoxidase (TPO) que promove a iodação da tireglobulina importante na síntese dos HT. A soja ainda pode bloquear a absorção de medicamentos para a tireoide
✔️Glúten: A doença celíaca está relacionada com aumento da prevalência de tireoidite autoimune e vice-versa. Há estudos que demonstram que a dieta sem glúten pode reverter a anormalidade de pessoas com hipotiroidismo subclínico e tem papel protetor da função tireoideana
✔️Flavonóides: Estudos “in vitro” demonstram que luteolina, quercetina e mirecetina e catequinas inibem a 5 Deiodinase, além das últimas, a catequinas, diminuírem as atividades do T4, T3 e TPO, juntamente com a elevação do TSH
✔️Brássicas: brócolis, couve-flor, couve-de-bruxelas, couve-manteiga, nabo, rabanete, repolho, além de alho e cebola são fontes de glicosinolatos. O tiocianato e o isoticianato presentes nestes alimentos competem com o iodeto pela entrada nos folículos tireoidianos, , o que pode comprometer a síntese dos HT e induzir o surgimento de bócio e do hipotireoidismo em pacientes com baixa ingestão de iodo.

vitd
➡️A deficiência / insuficiência de Vitamina D é prevalente entre grávidas. As recomendações para níveis de 25-hidroxivitamina D e suplementação de vitamina D adequados durante a gravidez diferem entre o Instituto de Medicina e da Sociedade de Endocrinologia (EUA)
.
➡️Ginecologistas-obstetras devem tomar decisões clínicas neste ambiente de orientação incerta
.
➡️Um questionário online foi administrado aleatoriamente a 225 ginecologistas-obstetras, dos quais 101 (45%) responderam
.
➡️Resultados:
.
✔️A maioria indicou que a insuficiência de vitamina D foi um problema em sua população de pacientes (68,4%)
.
✔️A maioria dos profissionais considerou que suas pacientes grávidas se beneficiaria de suplementação de vitamina D (66,3%)
.
✔️Cerca de metade dos profissionais (52,5%) gostaria de recomendar a suplementação de vitamina D durante a gravidez para alguns pacientes, mas apenas 16,8% a todos
.
✔️Apenas um em cada quatro (25,8%) realiza o rastreio rotineiro de suas pacientes grávidas para o status da vitamina D
.
✔️Os médicos que indicavam que o nível de vitamina D foi um problema em sua população de pacientes eram mais propensos ao rastreio de rotina e acreditaram que seus pacientes se beneficiaria da suplementação de vitamina D
.
➡️O estudo conclui que a prática clínica provavelmente permanecerá variável em todos médicos, com consequências para a saúde pública incertos
.
Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5014971/pdf/JP2016-1454707.pdf
.
Por enquanto, torna-se mais seguro praticar uma medicina personalizada, através de uma suplementação de vitamina D conforme a necessidade do cliente, conforme a genética, aos seus hábitos alimentares e de vida, além da importante avaliação dos níveis séricos de 25OH Vitamina D

vitdautismo
.
➡️O objetivo deste estudo foi examinar a associação entre indicadores maternos de vitamina D no primeiro trimestre e risco de Transtorno do Espectro Autista (TEA) nos respectivos descendentes na idade de 3-7 anos
.
➡️Estudo de caso-controle, incluiu 68 crianças diagnosticadas com (TEA) e 68 controles com desenvolvimento típico, habitual
.
➡️Amostras de 25-OH Vitamina D (25OHD )no sangue materno a partir do primeiro trimestre de gestação (idade gestacional 11- 13 semanas) foram colhidas nas participantes
.
➡️Resultados:
.
✔️As mães do grupo TEA tinham níveis séricos maternos significativamente mais baixos de 25OHD do que no grupo controle
.
✔️Os níveis de 25 (OH) D aumentou com o decréscimo da gravidade do TEA avaliados através de um escore específico
.
➡️Conclusões:
.
✔️Níveis séricos maternos reduzidos no primeiro de 25OHD foram associados com risco aumentado de desenvolver autismo em seus descendentes
.
✔️Se estes resultados forem confirmados, isso pode representar uma oportunidade para a intervenção pré-natal para reduzir o risco de TEA
.
Fonte: J. Chen et al. / Journal of Psychosomatic Research 89 (2016) 98–101
.

vidgravidez
.
☀️Já foi previamente relatada a influência da vitamina D sobre o metabolismo do cálcio e do fósforo que está associada com diabetes, doença cardiovascular, doença de Alzheimer, câncer e outras doenças sistêmicas e é considerada um indicador importante de saúde geral. O presente estudo foi realizado para determinar o efeito de várias doses de suplementação de vitamina D no metabolismo da glicose e os níveis de estresse oxidativo de gestantes com diabetes mellitus gestacional (DMG).
.
☀️O presente estudo controlado por placebo, randomizado, duplo-cego clínico foi realizado em 133 mulheres grávidas com DMG entre 24-28 semanas de gestação
.
☀️As pacientes foram divididas aleatoriamente em quatro grupos. O grupo controle (n = 20) recebeu placebo, o grupo de dose baixa (n = 38) recebeu a dose diária recomendada de 200 UI de vitamina D (calciferol) diariamente, o grupo de dosagem média (n = 38) recebeu 50.000 UI mensal ( 2000 UI por dia durante 25 dias) e o grupo de dose elevada (n = 37) recebeu 50.000 UI a cada 2 semanas (4000 UI por dia durante 12,5 dias)
.
☀️As características gerais e as ingestões dietéticas dos pacientes com DMG eram semelhantes entre cada grupo.
.
☀️Utilizando kits de ELISA, determinou-se que a insulina, resistência homeostático modelo de avaliação de insulina e colesterol total foram significativamente reduzidos pela suplementação de vitamina D em doses elevadas (P <0,05).
.
☀️A capacidade antioxidante total e os níveis totais de glutationa foram significativamente elevados, como resultado da suplementação de alta dosagem de vitamina D (P <0,01)
.
☀️Em conclusão, a suplementação de vitamina D em alta dose (50.000 UI a cada 2 semanas) melhorou significativamente a resistência insulínica em mulheres grávidas com diabetes gestacional
.
Enfim, o estudo corrobora o que já estamos realizando há um certo tempo. Uma reposição segura, baseada nos níveis de 25-OH Vitamina D, com vigilância clínica, dos níveis de PTH (Paratormônio) e calciúria permite benefícios consideráveis para as gestantes e seus bebês!!!
.
Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4998009/pdf/etm-12-03-1889.pdf
.

vitdhipoxia
.
Neste estudo piloto, caso-controle de base populacional, a hipótese de que os níveis baixos de vitamina D maternos estão associados com sofrimento/ hipóxia fetal ao nascimento foi avaliada em 2496 mulheres da 12ª semana de gravidez, que tiveram seus níveis séricos de 25-OH Vitamina D avaliados e relacionados com os resultados perinatais
.
➡️Os níveis de vitamina D no início da gestação de mulheres cujos filhos nasceram por cesariana de emergência devido à suspeita de sofrimento fetal foram comparados com os controles
.
➡️Resultados:
✔️Os níveis de vitamina D foram significativamente menores em de mulheres cujos filhos nasceram por cesariana de emergência devido à suspeita de sofrimento fetal em comparação com aos controles
✔️Asfixia ao nascer foi mais comum em mulheres com deficiência de vitamina D no início da gravidez
.
➡️Conclusões: Os baixos níveis de vitamina D no início da gravidez podem estar associados à cesariana de emergência devido à suspeita de sofrimento fetal e asfixia ao nascer. Se essas descobertas são apoiadas por estudos adicionais, de preferência com asfixia perinatal grave, exposição ao sol e/ou a suplementação da vitamina D durante a gravidez pode(m) reduzir o risco de hipóxia ao nascimento
.
Fonte: http://bmjopen.bmj.com/content/6/9/e009733.full.pdf+html

pequi
.
✔️O objetivo deste estudo, publicado por pesquisadores brasileiros em 2009 na Nutrition Research, foi investigar as propriedades anti-inflamatórias do óleo de pequi (Caryocar brasiliense) e seus efeitos sobre a lipidemia pós-prandial e da pressão arterial de atletas masculinos e femininos
.
✔️Estes atletas foram avaliados após corridas no mesmo ambiente, sob o mesmo tipo de intensidade e duração, tanto antes como após a ingestão de 400 mg de cápsulas de óleo de pequi, durante 14 dias
.
✔️O pequi contém vários antioxidantes e seu óleo tem sido associado com propriedades anti-inflamatórias. Uma vez que o óleo de pequi é composto principalmente de ácidos graxos oléico e palmítico, o óleo pode alterar a razão de triglicérides/colesterol na lipidemia pós-prandial
.
✔️Estudos epidemiológicos sugerem que um aumento da ingestão de ácidos graxos mono-insaturados (tais como ácido oleico) está inversamente relacionada com a pressão sanguínea. Assim, a hipótese é de que o óleo de pequi pode reduzir a inflamação e pressão arterial induzida por exercício, e modulam lipidemia pós-prandial em corredores. Para testar esta hipótese, as pressões arteriais foram verificados antes das corridas; Amostras de sangue foram tomadas após as corridas e submetida à análise de leucócitos e plaquetas análise, valores de proteína C-reativa ultrassensível e lipídios pós-prandial
.
✔️Óleo de pequi resultou em efeitos anti-inflamatórios e reduziu o colesterol e lipoproteína de baixa densidade total na faixa etária acima de 45 anos, principalmente para os homens
.
✔️Os resultados mostraram uma tendência geral para a pressão arterial reduzida, sugerindo que o óleo de pequi pode ter um efeito hipotensor. No entanto, este achado necessita investigação adicional. Assim, o óleo de pequi, além de possuir muitas propriedades nutricionais, pode ser um bom complemento candidato para atletas.
.
*️⃣Apesar de pernambucano com muito orgulho de nascimento, minha família com muito orgulho também é toda do interior do Ceará compreendendo o Oásis do Sertão, os municípios Crato, Barbalha, Juazeiro, Missão Velha, Brejo Santo e Porteiras-CE. E a gente cresceu comendo baião de dois com pequi

.

vitdlevel
.
▶️Desde 2010, o Instituto de Medicina Funcional considera valores ótimos da 25OH-Vitamina D os situados entre 50-80ng/dL
.
Tudo bem com sua vitamina D?
Tudo mal, tudo péssimo => DEFICIENTE
Tudo mais ou menos => INSUFICIENTE
Tudo bem => SUFICIENTE PORÉM NÃO ÓTIMO
TUDO ÓTIMO !!! ENTRE 50-80ng/dL

açucar
.
Estimulado pela @dra.denisedecarvalho, resolvi estudar o artigo na íntegra publicado no JAMA em 12 de setembro de 2016, entitulado: Sugar Industry and Coronary Heart Disease Research A Historical Analysis of Internal Industry Documents, ou seja, a relação da indústria do açúcar com várias pesquisas sobre a doença cardíaca coronariana, importante causa de morbimortalidade no mundo todo. Segue o resumo…
.
Sinais de alerta da doença cardíaca coronária (CHD) e risco de açúcar (sacarose) surgiu na década de 1950
.
Examinamos documentos internos, relatórios históricos, e as declarações relevantes para debates iniciais sobre as causas alimentares de CHD e achados montados cronologicamente em um estudo de caso da Fundação Pesquisa sobre o Açúcar, “Sugar Research Foundation” (SRF)
.
A SRF patrocinou o seu primeiro projeto de pesquisa CHD em 1965, uma revisão da literatura publicada no New England Journal of Medicine, que destacou gordura e colesterol como as causas alimentares de CHD e minimizou evidência de que o consumo de sacarose também foi um fator de risco
.
A SRF definiu o objetivo da avaliação, contribuiu com artigos para a inclusão, e recebeu rascunhos
.
O financiamento e o papel da SRF não foi divulgado
.
Juntamente com outras análises recentes de documentos da indústria do açúcar, os nossos resultados sugerem a indústria patrocinou um programa de pesquisa na década de 1960 e 1970 que com sucesso lançou dúvidas sobre os perigos de sacarose, promovendo a gordura como o culpado dietético em CHD
.
Comitês de formulação de políticas devem considerar dar menos peso para estudos financiados pela indústria de alimentos e incluir estudos em animais, bem como estudos avaliando o efeito da adição de açúcares em vários biomarcadores coronarianos e desenvolvimento da doença
.
QUE VERGONHA CIENTÍFICA HEIN? ADIANTA SER DOUTOR, PESQUISADOR E SER ANTIÉTICO, PIOR AINDA PREJUDICAR TANTA GENTE? AO MEU VER, NÃO!!! O AÇÚCAR (E EXCESSO DE CARBOIDRATO REFINADO) TALVEZ SEJA O ALIMENTO QUE MAIS MATA NO MUNDO… ISSO NÃO É TERRORISMO NUTRICIONAL, É A MAIS PURA VERDADE, PELO MENOS NA MINHA OPINIÃO!

.

abacate
.
✔️A nutrição materna desempenha um papel crucial em influenciar o crescimento fetal e os resultados ao nascimento, além de também influenciar a composição de alguns nutrientes do leite materno
.
✔️Abacates contêm muitos dos nutrientes essenciais para a saúde e desenvolvimento fetal e infantil. Eles se encaixam dentro das orientações para uma dieta de estilo mediterrâneo (ou seja, eles contêm ácidos graxos monoinsaturados, fibra, antioxidantes, e são de baixo índice glicêmico), benéfica para a redução de doenças na maioria das populações, incluindo populações grávidas e lactantes, além do período peri-concepcional (ao planejar a gravidez)
.
✔️Abacates representam um alimento funcional e contêm diversos nutrientes recomendados para a saúde reprodutiva, tais como folato, potássio, carotenóides e outros compostos essenciais para a saúde em geral, como a fibra, ácidos graxos monoinsaturados e antioxidantes. Eles não contêm calorias vazias de açúcares adicionados, ou álcool.
.
✔️Pesquisas futuras são necessárias para estudar diretamente os efeitos da inclusão de abacates na dieta sobre a saúde materna durante cada um dos períodos-chave de pré-concepção até o final da amamentação, com ênfase em tanto a curto prazo e de longo prazo da saúde dos a mãe e prole
.
Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4882725/pdf/nutrients-08-00313.pdf


vitdgraf
.
Eu poderia mostrar detalhadamente a bioquímica da vitamina D como é bem explicitada nesta figura. Mas acho que não será muito produtivo. Talvez numa aula com profissionais de saúde isto fosse bem interessante, mas como meu objetivo não é este, considero que existe algo mais importante nesta figura publicada no artigo da Nutrients em Junho de 2016, entitulado: Crucial Role of Vitamin D in the Musculoskeletal System
.
➡️ Eu sinceramente gostei muito desta ilustração porque demonstra a importância dos diversos órgãos envolvidos no metabolismo da vitamina D:
✔️Pele: local onde podemos fabricar naturalmente a vitamina D através da exposição solar e onde a vitamina D é armazenada
✔️Corrente sanguínea: a vitamina D segue para os diversos órgãos a partir da corrente sanguínea para desempenhar inúmeras funções
✔️Intestino: local onde a vitamina D é absorvida para depois entrar na corrente sanguínea
✔️Fígado: local importante da metabolização, onde a vitamina D é metabolizada em 25-OH(25 HIDROXI) Vitamina D
✔️Rim: a Vitamina D é convertida em 1-25-OH Vitamina D
✔️Osso: a 1-25-OH Vitamina D tem atuação no osso aumentando a densidade óssea pela inibição da formação de osteoclastos (que retira o cálcio do osso)
✔️Sistema Imunológico: a 1-25-OH Vitamina D é importante na diferenciação celular do sistema imunológico
.
➡️Por isso, tenho cuidado em tentar otimizar de forma bastante criteriosa, os níveis de vitamina D. Ela está relacionada com muitas reações no nosso corpo e diversos órgãos
.
➡️Contudo, se você tem péssimos hábitos de vida com uma alimentação inadequada (prejudicando a função intestinal, cerebral e hepática), abuso de álcool (prejudicando diversos órgãos, principalmente cérebro, intestino e fígado, sistema hematológico, imunológico), excesso de carboidratos refinados (prejudicando o pâncreas e o fígado), tabagismo (prejudicando diversos órgãos, principalmente pulmão, intestino e fígado, além do sistema imunológico e hematológico), baixa ingestão de água (prejudicando a função renal), ingestão de refrigerantes (que prejudicam o osso), não vá esperar que a vitamina D seja a pílula mágica
.

vitdabort
.
Estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition, em maio de 2016, procurou entender a relação entre níveis de vitamina D e abortamentos espontâneos. Desta forma, avaliou os níveis de vitamina D e da enzima responsável pela transformação da vitamina D para a sua forma ativa em 4 grupos:
✔1 Grávidas saudáveis (GS)
✔2. Grávidas que apresentaram abortamentos espontâneos (GAE)
✔3. Não Grávidas que já tiveram filhos, sem abortamentos espontâneos (NGS)
✔4. Não Grávidas com histórico de abortamentos espontâneos (NGAE)
.
Pois bem, houve uma diferença estatisticamente significante entre os grupos GS e GAE e NGS e NGAE
.
Notem que os níveis tanto da vitamina D (primeiro gráfico) como da enzima responsável pela transformação da vitamina D para sua forma ativa (segundo gráfico) estão bem mais elevados nos grupos GS e NGS
.
É por isso que tenho uma preocupação importante em controlar os níveis de vitamina D, desde o período de pré-concepção e durante o período da gravidez e lactação. Vários estudos apontam a respeito da importância desta vitamina, que na verdade tem estrutura molecular e funções de um hormônio
.
Agradeço ao amigo @drbrunocosme pelo envio do artigo
.

nutrifigo
.
➡️ A COMPOSIÇÃO DE UMA DIETA SAUDÁVEL DEFINIDA PELA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE
.
✔️Frutas, verduras, legumes (por exemplo, lentilhas, feijão)
✔️nozes e grãos integrais (milho, por exemplo, não transformados, milho, aveia, trigo, arroz integral).
✔️Pelo menos 400 g (5 porções) de frutas e legumes por dia ( batata doce, mandioca e outras raízes em amido não são classificadas como frutas ou vegetais)
✔️Menos do que 10% da energia total de açúcares livres, equivalente a 50 g (ou cerca de 12 colheres de chá), mas, possivelmente, menos do que 5% da energia total para benefícios adicionais para a saúde..
✔️Menos de 30% do total de energia a partir de gordura, com preferência para as gorduras insaturadas:As gorduras saturadas: menos de 10% da energia total.As gorduras poliinsaturadas: 6% -10% do total da energia.
✔️Menos de 5 g de sal (equivalente a, aproximadamente, uma colher de chá, que contém 2 g de sódio) por dia e o uso de sal iodado
.
Extraído de: M.A. Hanson et al. / International Journal of Gynecology and Obstetrics 131 S4 (2015) S213–S253

dietnutri

.
➡️Esta figura mostra a importância do balanço dietético no período pré-concepção, primeiro, segundo e terceiro trimestre, além do período pós-parto/ lactação, além de questões gerais
.
✔️Nota-se a importância de ferro, vitamina D, B12, ácido fólico e Iodo no período pré-concepção
.
✔️No primeiro trimestre estes micronutrientes permanecem importantes para o desenvolvimento embrionário acrescentando o macronutriente Gordura (boa/saudável)
.
✔️No segundo e terceiro trimestres são importantes: Gordura (boa/saudável), proteína, carboidratos, ferro, cálcio e polivitamínicos
.
✔️Após o parto, são importantes gorduras (boas), proteínas, ferro, cálcio e vitamina D
.
Para a gestante, a alimentação adequada permitirá um ganho de peso adequado e a diminuição no risco de várias patologias
(Distúrbios hipertensivos, diabetes gestacional, distiroidismo, doenças infecciosas)
.
Para o embrião/feto/bebê, a Nutrição materna / lactação permitirá o desenvolvimento adequado físico e mental
.
✔️Sugere-se a importância do intervalo interpartal (entre os partos) maior que 2 anos para o completo restabelecimento da saúde materna e perinatal (os primeiros anos de uma criança são fundamentais para a vida toda, os danos 1000 dias
.
✔️Além deste balanço dietético, questões gerais como idade da concepção, balanço energético, obesidade, doença crônica, e manejo no risco de doenças infecciosas também interferem na saúde materna e perinatal (do feto/bebê)
.
Extraído de: M.A. Hanson et al. / International Journal of Gynecology and Obstetrics 131 S4 (2015) S213–S253
.


undernut.
O baixo peso ao nascimento resultante de subnutrição fetal é conhecida por estar associada com um risco aumentado de diabetes. Mais recentemente, o papel de alimentação excessiva fetal (por exemplo, resultante de diabetes materna) também foi demonstrada na Índia. Existem também situações em que o aspecto da desnutrição ocorre no contexto de alimentação excessiva do feto, por exemplo deficiências de micronutrientes em uma gravidez diabética
.
Tanto alimentação em excesso ou insuficiente trazem prejuízos à saúde materno-infantil
.
Extraído de: M.A. Hanson et al. / International Journal of Gynecology and Obstetrics 131 S4 (2015) S213–S253


nut

.
Modelo de curso de vida de risco de doenças crônicas. trajetórias de desenvolvimento estabelecidos no início da vida, influenciado por fatores como dieta materna e composição corporal, afetam o risco da doença em todo o curso da vida. oportuna intervenção no início da vida (pré-gestacional ou durante a gravidez) pode reduzir a doença mais tarde
.
Quer ter saúde e vida longa? Considere o seu estilo de vida. Melhore seus hábitos de vida e terás uma vida longeva e saudável
.
Extraído de: M.A. Hanson et al. / International Journal of Gynecology and Obstetrics 131 S4 (2015) S213–S253


nut3

.
Muito legal a figura acima extraída de um antológico artigo publicado na International Journal of Gynecology and Obstetrics em 2015, produzido por uma equipe multicêntrica da FIGO (Federação Internacional de Ginecologia e Obstertícia) dos seguintes países: Canadá, Índia, Nova Zelândia, Inglaterra, Estados Unidos, China, Irlanda e República do Malawi
.
✔️A figura descreve o papel central da nutrição na determinação da saúde em todo o curso da vida e entre as gerações
.
✔️Todas as fases da vida de uma mulher estão ligados pelos efeitos da boa ou má nutrição
.
✔️A má nutrição em qualquer fase tem consequências negativas que perturbam o ciclo e impactar etapas posteriores da vida, incluindo as gerações futuras
.
✔️Preocupar-se com sua alimentação é preocupar com a saúde dos seus filhos, netos e por aí vai…
.
✔️Uma mulher com hábitos de vida e alimentação saudáveis tem uma maior chance de ter uma gravidez tranquila e um feto saudável, que posteriormente a depender da manutenção desta vida saudável tornar-se-á uma criança saudável, uma adolescente saudável, adulto saudável, futura mamãe ou papai saudável e também terão filhos saudáveis… O inverso é verdadeiro!!!
.
✔️Todo este ciclo dependem de outros fatores externos como a saúde populacional e os fatores sociais e relacionados ao meio ambiente

.


nutritop

.
Aproveitando o feriado da independência para estudar nutrição e suplementação nutracêutica n gravidez, encontrei outro artigo interessante publicado inpress na OBSTETRICS, GYNAECOLOGY AND REPRODUCTIVE MEDICINE agora em 2016. Seguem os principais pontos práticos do trabalho:
.
✔️Conselhos sobre nutrição na gravidez em torno de uma dieta saudável, variada pré-gravidez, pré-natal e pós-natal devem ser realizados
.
✔️Componentes importantes incluem macronutrientes (carboidratos, fibras, proteínas, gorduras) e micronutrientes (ferro, ácido fólico, vitamina B12, vitamina D, cálcio, iodo)
.
✔️As exigências de energia durante a gravidez exigem um aumento modesto de 200 kcal / dia no terceiro trimestre
.
✔️Alto consumo de fibras, com baixo índice glicêmico auxilia na homeostase da glicose em mulheres diabéticas
.
✔️Ácidos graxos Ômega 3 podem beneficamente aumentar a duração da gestação e reduzir o risco de parto prematuro através de seu papel na inflamação
.
✔️Aumento da vulnerabilidade à deficiência de ferro ocorre no terceiro trimestre e são necessários bons níveis na preparação para a perda de sangue durante o parto
.
✔️O papel da vitamina C e suplementação E na redução descolamento prematuro da placenta e ruptura prematura das membranas exige mais investigação
.
✔️A suplementação de cálcio reduz o desenvolvimento de transtornos hipertensivos de gravidez
.
✔️A deficiência de vitamina D tem sido encontrado para ser associado com baixo peso ao nascer, parto prematuro, diabetes mellitus gestacional e pré-eclâmpsia
.
✔️Os potenciais benefícios de suplementação de iodo estão emergindo (bem como de selênio – minha observação)
.
✔️Obesidade e ganho de peso gestacional excessivo estão associados com
resultados maternos e fetais adversos
.
✔️Os alimentos podem levar teratógenos (mercúrio, chumbo) e patógenos (listeria, salmonela, toxoplasma)
.
✔️Tabagismo, consumo de álcool e uso de drogas são comportamentos prejudiciais que devem ser evitados.
.


 

supgrav
 .
Artigo interessante de revisão avaliou as crenças e a ciência acerca da suplementação nutracêutica na gravidez
.
✔️Hábitos alimentares constituem importantes fatores de risco para deficiências nutricionais potencialmente prejudiciais (por exemplo, ferro, folato, iodo, cálcio e vitamina D) em mulheres grávidas em países ocidentais
.
✔️Questionários dietéticos, questionários sobre o padrão menstrual e medição de IMC devem ser considerados como parte integrante do aconselhamento pré-concepcional e durante a primeira visita pré-natal
.
✔️As mulheres grávidas com alto risco de deficiências, particularmente deficiência de ferro e anemia, requerem uma atenção especial
.
✔️Mudanças na dieta podem ser suficientes para cumprir os requisitos de iodo e vitamina D (eu não observo isto em relação à vitamina D)
.
✔️No entanto, suplementação de ferro e ácido fólico é uma questão médica; ingestão de ferro deve ser avaliado e o seu biomarcador mais importante (ferritina) deve ser avaliado
.
✔️O ácido fólico deve ser fornecido antes da concepção e durante o primeiro trimestre para evitar NTD.
.
✔️Durante o 2º e o 3º trimestre, a suplementação com ácido fólico é necessária para compensar a ingestão insuficiente de ácido fólico na dieta
.
✔️A suplementação de ferro deve ser adaptada de acordo com a prevenção ou tratamento de deficiência de ferro e/ou anemia
.
➡️Em minha prática obstétrica, tenho suplementado os nutrientes de acordo com a deficiência apresentada. Infelizmente não encontro um polivitamínico de marca que seja capaz de resolver estas deficiências nutricionais e que não contenha tanto excipientes como corantes e conservantes. A tendência é que a suplementação seja personalizada, de acordo com a clínica da cliente, com os resultados dos exames laboratoriais e de acordo com os hábitos alimentares
.

padr
.
✔️O crescimento fetal é um determinante importante de saúde e desenvolvimento futuro para a saúde do bebê. Quando cursei o doutorado (2009) já era linha de pesquisa a avaliação das doenças do adulto com origem na infância e na verdade na vida intrauterina
.
✔️A alta adesão a uma dieta prudente materna (caracterizada por um consumo elevado de frutas e legumes, cereais integrais e baixa ingestão de batatas fritas, açúcar, pão branco, carne processada, vegetais enlatados e refrigerantes) foi associada com maior tamanho da prole e da densidade mineral óssea
.
✔️Num estudo prospectivo de coorte de nascimento Nacional dinamarquesa, os pesquisadores concluíram que a dieta ocidental materna foi positivamente associado com fraturas do antebraço na prole
.
✔️Quatro estudos têm observado a relação entre padrões alimentares maternos durante a gravidez e subsequente Pequeno para a Idade Gestacional (PIG). Um estudo dinamarquês descobriu que a dieta ocidental conduziu a um risco significativamente maior de ter um lactente PIG e menor peso de nascimento
.
✔️Na Nova Zelândia, Thompson et al. descobriram que a dieta “tradicional” no início da gravidez foi associado com um menor risco de ter um bebê (PIG)
.
✔️Um estudo holandês indicou que uma elevada adesão à um padrão de dieta mediterrânea foi associado com diminuição do risco de PIG
.
✔️No Japão, as mulheres grávidas no padrão alimentar de produtos de trigo tinham probabilidades significativamente mais elevadas de ter um PIG
.
✔️Estudos infantis realizados no Reino Unido e no Brasil, encontraram uma associação positiva entre o padrão alimentar “consciente para a saúde” e peso ao nascer
.
✔️Além disso, outro estudo da Holanda sugeriram que a alta adesão a um padrão alimentar rico em energia foi associado com aumento do comprimento cabeça-nádega no primeiro trimestre
.
✔️Em contraste, dois estudos encontraram que nenhum padrão alimentar foi significativamente associado com qualquer um dos resultados do nascimento
.
✔️Uma adesão à dieta mediterrânea não foi significativamente associada com o risco de entregar um infante com restrição de crescimento fetal

WhatsApp Image 2018-02-12 at 10.17.45

pad2
.
✔️Parto prematuro, definido como a entrega antes de 37 semanas de gestação ocorre em cerca de 10% das gestações em todo o mundo, está significativamente associado com a mortalidade e morbidade neonatal, e tem consequências adversas a longo prazo para a saúde.
.
✔️Na Dinamarca, a dieta do mediterrâneo durante a gravidez foi associada com um risco reduzido de parto prematuro. Os resultados de um grande estudo prospectivo de coorte na Noruega, mostrou que uma dieta padrão “tradicional” ou um padrão de dieta “prudente” durante a gravidez foi associado com um risco reduzido de parto prematuro, 9% e 12%, respectivamente
.
✔️Em outro grande, prospectivo de coorte de cerca de 60.000 mulheres dinamarquesas seguidas durante a gravidez, os pesquisadores descobriram que uma elevada ingestão da dieta do tipo ocidental levou a um aumento do risco de parto prematuro, enquanto que uma dieta de frutos do mar teve um efeito modesto de proteção
.
✔️Além disso, um estudo sobre a relação entre padrões alimentares pré-concepção e parto prematuro demonstrou que um padrão de alta proteína / frutas reduziu a probabilidade de parto prematuro induzido e um alto teor de gordura / açúcar foi positivamente associado com o nascimento prematuro e pequenos para a idade gestacional (PIG)
.
✔️Em contraste, em outros estudos, não houve associação entre a adesão dieta mediterrânea durante a gravidez e o risco de parto prematuro, embora um estudo de coorte mãe-filho descobriu que a adesão à dieta mediterrânea foi associado com um menor risco de parto prematuro, especificamente em mulheres com sobrepeso e obesidade

pad3
.
✔️A prevalência dos sintomas depressivos durante a gravidez varia de 8% a 26% em todo o mundo e foram associados a resultados adversos para a mãe e o feto, tais como ganho de peso insuficiente, parto prematuro, baixo peso ao nascer, complicações obstétricas, e depressão pós-parto
.
✔️A partir de um estudo de coorte “Rhea” em Creta, na Grécia, a ingestão do padrão “saúde-consciente” composto por vegetais, frutas, legumes, peixes e frutos do mar, azeite de oliva, e produtos lácteos levou a um efeito protetor contra os sintomas depressivos em mulheres pós-parto
.
✔️Outro estudo descobriu que os padrões alimentares tradicionais e preocupados com a saúde foram associados a efeitos protetores sobre os sintomas de ansiedade enquanto houve um aumento da possibilidade de sintomas de ansiedade com o padrão vegetariano. Isto é devido à reduzida carne fontes animais e peixes no padrão vegetariano; carne é a fonte mais rica de vitamina B12 e o peixe é a principal fonte de ácidos graxos de cadeia longa essenciais (Ômega 3), especialmente o Ácido Docosa-Hexaenóico (DHA). Estes nutrientes são conhecidos por serem os componentes necessários para a função neurológica ótima
.
✔️A direção da causalidade entre a associação observada entre a dieta vegetariana e aumento da ansiedade materna exige uma maior exploração
.
✔️Em uma coorte prospectiva de mulheres brasileiras, os pesquisadores descobriram que um padrão saudável pré-gravidez (os padrões comuns brasileiros ou saudáveis) foi inversamente associado com sintomas depressivos durante a gravidez, mesmo para pós-parto precoce
.
✔️Em outro estudo, os pesquisadores levantaram hipótese de que uma dieta de alto padrão contendo as principais fontes alimentares de nutrientes é potencialmente protetora contra os sintomas depressivos no pós-parto e estaria relacionada a um menor risco de depressão pós-parto. No entanto, não houve associação entre os padrões dietéticos e o risco de sintomas depressivos
.
➡️Sim, nosso alimento é o nosso principal medicamento, inclusive deve ser controlado como os de tarja preta, porque realmente acredito na capacidade funcional dos mesmos. Vale mais a pena investir na modificação do estilo de vida que em medicamentos controlados. Procure um nutrólogo, um médico com atenção integral / holística e um(a) nutricionista funcional
.

padhas

O estudo também avaliou a relação entre os padrões alimentares e os distúrbios hipertensivos
.
✔️A pré-eclâmpsia está associada a resultados adversos para a saúde (mortalidade materna, mortes perinatais, prematuridade e restrição de crescimento intra-uterino), tanto para a mãe como para o bebê
.
✔️Pesquisa em mulheres norueguesas grávidas, nulíparas (sem filhos), descobriram que um padrão alimentar caracterizado por uma elevada ingestão de vegetais, alimentos vegetais e óleos vegetais resultou em um menor risco de pré-eclâmpsia, enquanto que um padrão alimentar caracterizado por uma alto consumo de carne, bebidas doces e lanches aumentou o risco
.
✔️Em um estudo prospectivo de coorte, os pesquisadores mostraram que a baixa adesão a um padrão de dieta de estilo mediterrânico e de alta aderência a um padrão alimentar tradicional durante a gravidez foram associados positivamente com aumento da pressão arterial durante a gravidez
.
✔️Em um estudo de base populacional das mulheres australianas, o consumo pré-gravidez de um padrão de dieta de estilo mediterrânico estava associado a menor risco de desenvolver distúrbios hipertensivos
.
✔️Em contraste com os estudos acima, com uma coorte brasileira, os investigadores não observaram associações entre padrões alimentares e mudanças potenciais na pressão arterial durante a gravidez e o período pós-parto precoce. A diferença pode ser explicada com base em que este estudo incluiu apenas mulheres grávidas saudáveis e excluídos aquelas que desenvolveram hipertensão ou pré-eclâmpsia
.
➡️Tenho observado em minha prática obstétrica a correlação entre uma melhor qualidade na alimentação com ganho de peso adequado e diminuição do risco de complicações em decorrência de distúrbios hipertensivos ou mesmo do diabetes gestacional. Vale muito mais a pena insistir na prevenção através da alimentação adequada, do que desistir desta orientação e prescrever isoladamente anti-hipertensivos ou insulina

paddg
✔O trabalho discorre a respeito da dieta do mediterrâneo como benéfica nas gestantes portadoras de diabetes gestacional. Diversos estudos em diversos países, recomendaram este tipo de alimentação, até porque nesta dieta há uma ingestão de carboidratos com baixo índice glicêmico
.
✔Um outro tipo de dieta chamada DASH (Diet Approaches to Stop Hipertension), constituída pela ingestão rica de frutas, vegetais, grãos integrais e laticínios com baixo teor de gordura e numa menor ingestão de grãos refinados e gorduras saturadas, além de uma total de 2400mg de sódio, também se mostrou benéfica para prevenção do diabetes gestacional
.
➡No caso do diabetes gestacional, é óbvio que a ingestão de carboidratos refinados deve ser bastante cuidadosa. Pães, bolos, bolachas, biscoitos, snacks, farinhas, açúcares apresentam elevada concentração de carboidratos refinados. Alguns estudo também demonstram o pico de insulina com a ingestão de adoçantes. Coma comida de verdade!!! Açúcar de côco, stévia, xylitol são alternativas interessantes, mas o ideal mesmo é evitar produtos industrializados e aproveitar o sabor dos alimentos “in natura”

padinf
O Status nutricional materno influencia sim diretamente nos resultados obstétricos e perinatais, ou seja são importantes para a saúde materna e também na saúde fetal / perinatal (do bebê)
.
Artigo de Revisão de junho de 2016, publicado na Nutrients, avaliou diversos estudos que relacionaram o tipo de alimentação e os resultados maternos e perinatais. Seguem alguns pontos interessantes do artigo que dividirei em alguns posts
.
✔A chamada “dieta da fertilidade” teve um efeito favorável na fertilidade e diminuiu em 69% o risco de infertilidade por causas ovulatórias. Esta dieta é caracterizada por alta ingestão de gordura monoinsaturada, proteínas vegetais, fibras e carboidratos de baixo índice glicêmico, polivitamínicos e baixa ingestão de gordura trans e proteína animal
.
✔A dieta do mediterrâneo também se mostrou eficaz em aumentar a fertilidade inclusive uma coorte alemã mostrou um aumento em 40% na probabilidade de gravidez em uma coorte alemã de mulheres que foram submetidas a fertilização in vitro
.
➡Quer melhorar sua saúde? Melhore a sua alimentação!!!
.

nutrifigo

Excelente artigo de 2015 da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) descreve que vale a pena sim pensar em nutrição em primeiro lugar.
.
Se quiser mudar o mundo, comece a mudar a forma de nascer, já dizia Michel Odent. Eu acrescentaria humildemente que mudar a formar de nascer não necessariamente pela via de parto, mas sim pelo planejamento da gestação, pré-natal adequado e parto seguro e humanizado. Uma mãe que se preparou, que depois será exemplo de nutrição e hábitos de vida saudáveis, será capaz de trazer excelentes descendentes para a população
.
Imagine uma população na qual as mulheres se preocupam com a nutrição e são exemplos de saúde para os seus filhos, esposos, demais familiares… Qual seria o impacto na saúde desta população? Seria excelente não ?!?!
.
É por isso que sou apaixonado pela Ginecologia Integrativa, porque realmente dá pra mudar o mundo estimulando a melhoria da qualidade de vida feminina, principalmente das mães (e até mesmo de suas filhas)
.
➡️Segue a conclusão traduzida na íntegra da FIGO:
.
“Para garantir o melhor futuro possível para qualquer sociedade, é essencial a nutrição saudável para adolescentes e mulheres em idade reprodutiva de tal forma que, quando uma mulher está pronta para reproduzir, sua própria saúde e excelente nutrição irão fornecer um ambiente favorável para o adequado desenvolvimento de sua futura descendência.
.
Nutrição das mulheres pode desempenhar um papel na saúde intergeracional, transmissão da saúde para os seus descendentes, assegurando o futuro da saúde, felicidade, longevidade e progresso econômico.
.
Investir na nutrição da adolescente, na pré-concepção e na nutrição materna irá fornecer uma série de benefícios cumulativos, proporcionando melhorias na saúde em vários setores da sociedade”
.
FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA (FIGO)
.


 

açu

Artigo de revisão publicado na revista Obesity de julho de 2016 realizou ampla revisão da literatura no campo do consumo de açúcar no ganho de peso, incluindo o efeito de adoçantes calóricos contendo frutose e a glicemia
.
✔️Foram realizadas revisões sistemáticas sobre frutose, sacarose, ou de Bebidas Adoçadas com Açúcar sobre o ganho de peso e os efeitos adversos metabólicos, realizado em seres humanos e escrito em Inglês, Espanhol ou Francês
.
✔️Além disso, foi realizada uma revisão sobre Bebidas Adoçadas com Açúcar e seus resultados no peso e na glicemia
.
➡️CONCLUSÕES:
.
✅A maioria das Revisões Sistemáticas, especialmente as mais recentes, com a mais alta qualidade e sem qualquer conflito de interesse divulgado, sugere que O CONSUMO DE BEBIDAS ADOCICADAS COM AÇÚCAR É UM FATOR DE RISCO PARA A OBESIDADE
.
✅O EFEITO DE ADOÇANTES CALÓRICOS CONTENDO FRUTOSE, NO GANHO DE PESO É MEDIADA POR UM CONSUMO EXCESSIVO DE BEBIDAS COM ESSES EDULCORANTES, QUE CONDUZ A UMA DISPOSIÇÃO ADICIONAL DO CONSUMO DE ENERGIA
.
Ou seja: quer ter saúde, controlar o peso, a glicemia e consequentemente o diabetes e as doenças cardiovasculares: EVITE O CONSUMO EXCESSIVO DE AÇÚCARES, CARBOIDRATOS E FARINHAS REFINADOS, ALÉM DOS ADOÇANTES OU MESMOS DAS BEBIDAS ADOCICADAS COM ADOÇANTES OU NÃO ☠
Pratique atividade física⛹
Gerencie o Estresse
Tenha uma boa qualidade de sono
Cuide do seu intestino
Tenha uma alimentação funcional saudável
Procure bons profissionais

ad
Estudo publicado na “Reviews in Endocrine and Metabolic Disorders” em julho de 2016 revisou o uso de adoçantes artificiais e a desregulação metabólica
.
☠Taxas crescentes de obesidade e orientações da saúde pública para reduzir o consumo excessivo de açúcar têm estimulado o consumo de adoçantes artificiais em uma ampla gama de produtos derivados de cereais no café da manhã, em lanches e bebidas
.
☠Os adoçantes artificiais conferem um sabor doce sem a quantidade de caloria do açúcar comum e têm sido amplamente recomendado por profissionais de saúde, uma vez que são considerados seguros (*️⃣texto do artigo!!!)
.
☠No entanto, associações observadas em estudos prospectivos de longo prazo aumentam a preocupação de que o consumo regular de adoçantes artificiais pode, na verdade, contribuir para o desenvolvimento de perturbações metabólicas que conduzem à obesidade, diabetes do tipo 2 e doenças cardiovasculares
.
☠A obtenção de dados sobre a utilização de adoçantes artificiais em seres humanos em relação à disfunção metabólica é difícil devido aos longos intervalos de tempo ao longo do qual fatores dietéticos pode exercer os seus efeitos sobre a saúde e o grande número de variáveis de confusão que precisam de ser consideradas
.
☠Assim, os dados de modelos animais podem ser muito úteis porque permitem um maior controle experimental
.
☠Os resultados de estudos em animais, tanto no setor agrícola e em animais em laboratório indicam que os adoçantes artificiais podem não apenas promover a maior ingestão de alimentos e ganho de peso, mas também podem induzir alterações metabólicas numa vasta gama de espécies animais
.
☠Adoçantes artificiais pode contribuir para o aumento nos riscos para a obesidade ou resultados negativos na saúde humana
.
☠Os impactos dos adoçantes artificiais no processo saúde-doença devem ser completamente avaliados em humanos
.
Adoçantes além de serem artificiais podem promover o pico de insulina com risco de desenvolvimento de diabetes, obesidade, inflamação crônica e consequentemente de doenças cardiovasculares e câncer


 sedent
 ➡️ Introdução: A doença cardiovascular é a principal causa de morte em mulheres na pós-menpausa e inflamação está envolvida com o processo de aterosclerose
.
➡️Objetivo
✔️avaliar se o padrão alimentar, o perfil metabólico, a composição corporal e a atividade física estão associados à inflamação crônica de baixo grau, de acordo com os níveis de proteína C-reativa (PCR-us), em mulheres na pós-menopausa
.
➡️ Métodos
✔️noventa e cinco participantes pós-menopáusicas foram submetidas a avaliações antropométrica, metabólica e hormonal
✔️A ingestão alimentar foi avaliada por meio de questionário de frequência alimentar, a atividade física habitual, com pedômetro digital, e a composição corporal, por bioimpedância elétrica
✔️Pacientes com PCR-us >=10 mg/L ou em uso de terapia hormonal nos últimos três meses antes do estudo foram excluídas
✔️As participantes foram estratificadas de acordo PCR-us inferior ou >=3 mg/L
✔️Pacientes com menos de 6 mil passos/dia foram consideradas sedentárias
✔️Para análise estatística foram utilizados teste t de Student, Wilcoxon–Mann– Whitney U ou Qui-quadrado, além de modelo de regressão logística para estimar a razão de chances para PCR-us elevada
.
➡️Resultados:
✔️participantes com PCR-us >=3 mg/L apresentaram maior índice de massa corporal (IMC), percentual de gordura corporal, circunferência da cintura, triglicerídeos, glicose e índice de insulino-resistência (HOMA-IR) (p 1⁄4 0,01) comparadas às mulheres com PCR-us <= 3mg/L
✔️O grupo PCR-us >= 3 mg/L apresentou uma dieta com maior carga glicêmica e menor ingestão de proteínas
✔️A prevalência de sedentarismo e síndrome metabólica foi maior em mulheres com PCR-us >=3 mg/L (p < 0,01)
✔️Após ajuste para idade e tempo de menopausa, a razão de chances para PCR-us >=3 mg/L foi maior nas sedentárias (4,7, intervalo de confiança de 95% [95%CI] 1,4–15,5) e com maior ingestão de carboidratos (2,9, 95%CI 1.1–7,7)
.
➡️Conclusões:
✔️Sedentarismo e alta ingestão de carboidratos foram associados com inflamação crônica de baixo grau e risco cardiovascular em mulheres na pós-menopausa
.
Fonte: https://www.thieme-connect.com/products/ejournals/pdf/10.1055/s-0036-1584582.pdf

 unqt
Como a Quimioterapia induz o desequilíbrio de micronutrientes?
.
✔️Cisplatina aumenta a excreção de renal de L-carnitina, de magnésio e de potássio. Assim, a deficiência de l-carnitina pode levar à fadiga. Já a hipomagnesemia e hipocalemia podem levar a desordens do metabolism os lipídios, intolerância à glicose e aumento da nefrotoxicidade
.
✔️Ifosfamida também aumenta a excreção renal de l-carnitina (provocando fadiga)
.
✔️Ciclofosfamida e Paclitaxel aumentam a quebra de calcidio e calcitriol a formas metabolicamentes inativas pela 24-hidroxilase levando ao risco de doenças ósseas metabólicas e redução da imunidade
.
✔️Metrotrexato e Permetrexato são antagonistas do ácido fólico que pode ocasionar hiperhomocisteinemia e mucosite
.
✔️Fluorouracil inibe a fosforilação da vitamina B1 (tiamina) levando ao risco de insuficiência cardíaca, acidose láctica e neurotoxicidade
.
➡️Assim, caríssimos seguidores, precisamos refletir ainda mais sobre a importância destes nutrientes na prevenção de diversos agravos à saúde (incluindo o câncer) e tratamentos direcionados à célula ou tecido tumoral, sem comprometer tanto a saúde do paciente

unonco

A figura descreve a relação entre o tumor (câncer), anorexia, redução da ingesta de macro e micronutrientes e a caquexia tumoral (em rosa ) e os mecanismos pelos quais estas interrelações existem (cinza)
.
Tentando simplificar…
.
➡️O tumor pode levar à anorexia via hipotálamo, de acordo com o tratamento realizado (quimioterapia, radioterapia ou cirurgia), por hormônios catabólicos e citocinas inflamatórias, ou por produtos produzidos pelo tumor
.
➡️A anorexia leva à redução da ingesta de macro e micronutrientes
.
➡️Secundariamente aos efeitos do câncer, ocorre um desequilíbrio entre a captação e o consumo de energia leva a desordens metabólicas quer sejam
✔️Aumento do metabolismo das proteínas
✔️Quebra protéica muscular
✔️Taxa aumentada de quebra de lipídios e oxidação de ácidos graxos
✔️Oxidação da glicose
✔️Gliconeogênese a partir de amnoácidos e lactato
.
➡️Estas desordens metabólicas citadas levam à desnutrição, caquexia tumoral
.
➡️Depressão, fadiga, Falta de exercício, Insuficiência Mecânica, jejum prolongado por conta do diagnóstico e distúrbios de absorção (mucosite, enterite) podem levar à redução da ingesta de macro e micronutrientes ou à desnutrição, caquexia tumoral

incdesn
Ainda estudando o trabalho de Gröber et al. (2016), segue uma tabela interessante com uma breve explicação sobre a Incidência de Desnutrição de acordo com o tumor
.
O sucesso dos processos de tratamento e de cura em pessoas com câncer são fortemente influenciados pelo estado nutricional do paciente. Isto é particularmente relevante na prática clínica uma vez que, dependendo da natureza, local, e estágio do tumor maligno, 30-90% dos pacientes têm uma dieta inadequada .
A forma mais grave de deficiência nutricional associada ao câncer é visto fisicamente como caquexia. Ela ocorre especialmente em caso de câncer pulmonar, gástrico, pancreático e da próstata
.
A incidência de desnutrição ocorre mais frequentemente nos seguintes tipos de neoplasias malignas (CA)
✔️CA de Pâncreas (83%)
✔️ CA gástrico (83%)
✔️CA de esôfago (79%)
✔️CA da cabeça e pescoço (72%)
✔️ CA colorretal (55-60%)
✔️ CA pulmonar (50-66%)
✔️ CA de próstata (56%)
✔️ CA de mama (10-35%)

mnutca
Excelente artigo de 2016, cujo um dos autores é simplesmente o papa da vitamina D, Michael Holick, revisou sobre a importância de micronutrientes na intervenção oncológica
.
Penso que a melhor forma de prevenir o cancer se dá através de uma boa alimentação, livre de agrotóxicos, corantes, conservantes, substâncias carcinogênicas
.
E se por acaso um indivíduo tiver um risco maior para câncer, ao invés de correr atrás isoladamente de inúmeros exames para o diagnóstico precoce, o mais correto é modificar seus hábitos, seus fatores de risco
.
Mais ainda, se um indivíduo agora é portador de um câncer, aí sim o cuidado com a alimentação deve ser muito maior
.
➡️Segue o resumo do trabalho:
.
✔️Suplementos nutricionais são amplamente utilizados em pacientes com câncer já que eles sofrem com a toxicidade dos agentes anticancerígenos (quimio e radioterápicos)
.
✔️Dependendo do tipo da malignidade e o sexo de 30-90% dos pacientes com câncer complementam suas dietas com micronutrientes, antioxidantes e estabilizadores imunológicos, tais como selénio, vitamina C, e vitamina D, muitas vezes sem o conhecimento do médico assistente
.
✔️Do ponto de vista oncológico, existem preocupações justificáveis de suplementos que diminuem a eficácia da quimioterapia e da radioterapia. Estudos recentes, contudo, têm fornecido evidências crescentes de que o tratamento é mais bem tolerado, com um aumento da adesão do paciente e uma menor taxa de interrupção de tratamento, quando micronutrientes, tais como o selênio, são adicionados, de forma adequada conforme a medicação utilizada pelo paciente
.
✔️A suplementação nutricional adaptada à genética do indivíduo, histologia do tumor e de acordo com tratamentos utilizados podem trazer benefícios para os pacientes
.
✔️Os clínicos devem ter um diálogo aberto com os pacientes sobre os suplementos nutricionais
.
✔️O aconselhamento sobre os suplementos precisa ser individualizado e oriundo de uma fonte confiável
.
Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4808891/pdf/nutrients-08-00163.pdf

vitdpatginben
Estudo italiano avaliou a relação entre a vitamina D e patologias ginecológicas benignas
.
➡️A Vitamina D é um hormônio lipossolúvel envolvida na homeostase do cálcio e fósforo cujas deficiências se relacionam restrição do crescimento e deformidades esqueléticas em crianças, bem como nos adultos pode exacerbar a osteopenia e a osteoporose aumentando o risco de fraturas ósseas
.
➡️A Vitamina D tem outras inúmeras funções, dentre as quais se destacam:
✔️modulação do crescimento celular
✔️Função imunológica
✔️Função antiinflamatória
.
➡️A vitamina D tem tem importante papel na saúde reprodutiva: os receptores da vitamina D estão presentes no endométrio, nos ovários, nas trompas e na placenta
.
➡️O artigo revisou e concluiu que a deficiência de vitamina D está relacionada com patologias ginecológicas benignas quer sejam:
✔️Endometriose
✔️Mioma uterino e
✔️Síndrome dos ovários policísticos (SOP)
.
O estudo ainda atenta para o mercado da vitamina D. Afinal, quantas marcas de vitamina D tem surgido ao longo dos últimos anos hein? É superimportante a suplementação personalizada, cuidadosa, de excelente qualidade, associada a uma boa alimentação e à exposição solar se possível
.
✅ Logicamente, mais estudos são necessários para confirmar (ou refutar) esta hipótese

dismvitd
Ensaio clínico randomizado do Irã objetivou o efeito da suplementação da vitamina D em mulheres com deficiência de Vitamina D portadoras de dismenorreia primária
.
✔️50 mulheres concluíram o estudo, das 60 que foram pareadas em dois grupos suplementação de vitamina D 50.000UI semanais pela via oral (grupo D) e as que fizeram uso de placebo (grupo P) por 8 semanas de tratamento
.
✔️A deficiência de Vitamina D foi classificada como leve ou insuficiente (entre 20-29ng/mL), moderada ou deficiente (entre 10-19ng/mL) e deficiência severa quando menor que 10ng/mL
.
✔️Para mensuração da dor pélvica (da dismenorreia), utilizou-se a escala visual analogical (EVA)
.
➡️RESULTADOS:
✔️62% das mulheres estudadas possuíam deficiência severa de Vitamina D
✔️As características sócio demográficas dos dois grupos não foram estatisticamente diferentes
✔️A média da concentração da vitamina D subiu de 9,69ng/mL para 55,44ng/mL no grupo D enquanto no grupo P subiu de 11,5ng/mL para 13,57ng/dL com p<0,001
✔️Houve uma diferença estatisticamente significativa em relação ao uso de antiinflamatórios (AINEs) com redução do uso dos mesmos para o grupo D em relação ao P
✔️Houve uma correlação inversa entre os níveis de vitamina D e o grau de intensidade da dor. Quanto maiores os níveis de vitamin D, menor a intensidade da dor no período menstrual
.
✅O estudo conclui que a suplementação de 50.000UI semanais pode melhorar a intensidade da dor e a necessidade do uso de AINEs em mulheres com deficiência de vitamina D e dismenorreia primária
.

achachairu
.
Essa frutífera pertence ao gênero Garcinia (ex-Rheedia), cujo parente mais famoso é o mangostão (Garcinia mangostana L.), originado no trópico asiático.
.
O consumo no Brasil ainda é muito pequeno, haja vista a pouca disponibilidade no mercado e o pouco conhecimento da população sobre ela. Porém algumas empresas apostam no sucesso desta fruta no mercado nacional e vêm investimento em desenvolvimento e produção.
.
Os frutos têm massa média de 30g e são globoso-oblongos, semelhantes a uma nêspera. São amarelo-alaranjados, com casca grossa (3,53mm), lisa, firme e resistente; internamente a casca é creme-palha.
.
A polpa, não aderente à casca, é branca, suculenta e de textura mucilaginosa, representando 1/3 da massa média do fruto, sendo que após retirada dos frutos se oxida rapidamente. O sabor, que lembra um pouco ao do araçá, é bem agradável e adocicado, com oBrix 15 e acidez pH próxima a 4,0. No nordeste brasileiro, a maturação dos frutos ocorre em fevereiro a abril, sendo esses bastante resistentes ao transporte e de boa conservação em geladeira comum.
.
No Brasil, o achachairú é pouco conhecido e, ás vezes, confundido pelo público leigo com frutas de outras espécies, como o bacupari, bacuripari e bacurizinho.
.
Segundo a literatura especializada, a família do achachairú (Clusiaceae) é composta por trinta e um gêneros e sessenta e duas espécies. São espécies de grande importância para a indústria farmacêutica, uma vez que dos frutos e folhas são extraídas algumas substâncias químicas como biflavanóides e benzofenonas. As substâncias químicas isoladas dos frutos ou folhas possuem atividades imunotóxicas e anti-inflamatórias e potencial antioxidante anticancerígeno. Na medicina popular, os frutos e folhas são utilizados como cicatrizantes, digestivos e laxantes e em tratamentos de reumatismo, úlcera gástrica, inflamação.
.
Algumas pesquisas já vêm sendo desenvolvidas no Brasil, visando o desenvolvimento de técnicas de permitam o cultivo desta fruta comercialmente
.
Nem toda Garcínia é de Camboja… Temos o fruto aqui no . Famoso fármaco e princípio em várias farmácias (tradicionais ou de manipulação). E pouca gente conhece o fruto…
.

WhatsApp Image 2017-05-20 at 09.59.45
Segue um estudo de 2016, originalmente produzido por pesquisadores brasileiros e publicado numa revista científica indiana, estudou os seguintes frutos:
Garcinia achachairu
Rubus imperialis
Rubus rosaefolius
Solanum quitoense
Solanum sessiliflorun
Diospyros inconstans e Plinia glomerata, .
➡️Extratos destes sete frutos comestíveis encontrados no sul do Brasil foram avaliados quanto ao seu teor de fenóis totais e atividade antioxidante em diferentes modelos in vitro de eliminação de radicais livres
➡️Além disso, foram realizados estudos sobre a viabilidade celular de extratos das sementes de G. achachairu contra células de melanoma murino
➡️A casca e as sementes de G. achachairu frutos foram muito promissores em termos de teor total de fenol (dados em equivalente de ácido gálico por grama), como avaliado pelo método de Folin-Ciocalteu, com valores de 9,70 e 8,40 ± 3,2 ± 1,1, respectivamente
➡️Por outro lado, a atividade antioxidante utilizando o ensaio de eliminação de 2,2-difenil-1-picrilhidrazil mostrou que a polpa da fruta e da casca de P. glomerata apresentou o melhor perfil, com valores de a 16,3 ± 1,8 e 15,9 ± 2,4 ug / ml , respectivamente
➡️Em relação ao efeito citotóxico do extrato de metanol e guttiferone A a partir de G. achachairu, observou-se que ambos inibem o crescimento de células tumorais B16F10, com valores de IC50 calculados de 49,6 ± 2,1 mg / mL e 48,6 ± 5,4 mM, respectivamente
.
✅Em conclusão, deve-se estudar esses frutos, particularmente P. glomerata e G. achachairu que mostraram resultados promissores e que poderiam ser repassados, a fim de orientar as pessoas que usam estas plantas com a finalidade terapêutica

 WhatsApp Image 2017-05-20 at 10.16.21
Ensaio clínico randomizado de 2007 de um grupo de pesquisadores da Itália e de Brunei avaliou “A influência da suplementação de Selênio na função tireoideana no pós-parto em grávidas com anticorpos anti-TPO positivos”
.
➡️Grávidas com anticorpos anti-TPO positivos estão mais propensas a desenvolver disfunção tireoideana pós-parto e hipotiroidismo permanente
.
➡️Selênio diminui a atividade inflamatória em pacientes com tireoidite auto-imune
.
✔️77 grávidas com anticorpos anti-TPO positivos receberam 200ug de seleniometionina (S1), 74 grávidas com anticorpos anti-TPO positivos receberam placebo (S0) e 81 grávidas foram consideradas como grupo controle, pois seus anticorpos anti-TPO eram negativos (C)
.
✔️Disfunção tireoideana pós-parto e hipotireoidismo permanente respectivamente foram significativamente mais baixos (p<0,01) no grupo S1 (28,6% e 11,7%)que no grupo S0 (48,6% e 20,3%)
.
✅O estudo conclui afirmando que a suplementação de selênio durante a gravidez e no período pós-parto reduz a atividade inflamatória da tireoidite auto-imune e a incidência de hipotiroidismo
.
Fonte: http://press.endocrine.org/doi/pdf/10.1210/jc.2006-1821
.

WhatsApp Image 2017-05-20 at 10.25.15
Artigo de 2016 da Índia estabeleceu a curva de distribuição normal (Gauss) dos valores dos hormônios envolvidos com o funcionamento da glândula tireoide em cada trimestre
✔️TSH
✔️T4livre
✔️T3livre
✔️ Concentração urinária de Iodo
.
➡️As gestantes com anticorpos anti-tireoperoxidase (TPO) positivos foram excluídas do estudo
.
➡ O oligoelemento Selênio não foi avaliado no estudo
.
➡️Lembrando que a distribuição normal de 95% da população não significa o bom funcionamento da tireoide
.
➡️No primeiro trimestre o TSH deve ser < 2,5uUI/ml e no segundo e terceiro trimestres deve ser < 3,0uUI/ml
.
✅ O conhecimento quanto aos mesmos parâmetros deste estudo na população brasileira pode contribuir enormemente para uma adequação na suplementação iódica se necessário, ingestão de alimentos ricos em selênio, bem como conhecer o percentual de mulheres com tireoidite auto-imune ou distiroidismo e permitir o diagnóstico e tratamento correto das patologias tireoideanas
.
*️⃣ A avaliação dos hormônios tireoideanos não é um procedimento recomendado pelo ministério da saúde. Infelizmente, porque se deixa de diagnosticar e tratar um número importante de mulheres com maior risco de abortamentos, demais complicações da gravidez, além do hipotireoidismo congênito
.
Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4743369/?report=classic
.

 WhatsApp Image 2017-05-20 at 17.42.08
Esta revisão sistemática publicada na Cochrane agora em 2016 teve como objetivo verificar se a suplementação de Vitamina D isoladamente ou em combinação com o cálcio no pré-natal seria benéfico, uma vez que a deficiência de vitamina D ou insuficiência é comum entre as mulheres grávidas
.
✅Foram selecionados quinze estudos, envolvendo cerca de 3000 mulheres
.
☀️Os estudos evidenciam que a suplementação de vitamina D isolada reduz o risco de parto prematuro e baixo peso ao nascer. .
☀️A diminuição do risco de pré-eclâmpsia é mais evidente quando a vitamina D é administrada em associação com o cálcio, o que por sua vez, aumenta o risco de parto prematuro. Ou seja, muito cuidado com a suplementação de cálcio!
.
☀️Vitamina D sozinha também parece aumentar o comprimento do recém-nascido, e também a sua circunferência cefálica (ATENÇÃO, mais uma evidência que corrobora outro nutriente importante no desenvolvimento cerebral!!!)
.
☀️Não há dados sobre a ocorrência de efeitos adversos com a suplementação de vitamina D
.
☀️São necessários mais estudos com maior rigor científico que possam confirmar os efeitos benéficos da suplementação de rotina de vitamina D que deve ser recomendada para todas as gestantes, a fim de melhorar os resultados maternos e perinatais
.
➡️Enquanto isso vamos avaliando e suplementando a vitamina D, de acordo com as necessidades de cada gestante
.
Fonte: Texto resumido: http://www.scielo.br/pdf/spmj/v134n3/1806-9460-spmj-134-03-00274.pdf Revisão Sistemática da Cochrane http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD008873.pub3/epdf

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.21.24
Recente artigo publicado no IDD Newsletter, identificou uma quantidade pequena de iodo nos polivitamínicos utilizados para gestantes no BrasilO trabalho objetivou
1. Identificar a disponibilidade de suplementos alimentares para grávidas no Brasil;
2. Verificar a quantidade de presente iodo nestes suplementos;
3. Correlacionar os níveis com as novas recomendações globais da American Thyroid Association (ATA)Assim foi possível saber que: .
– Atualmente, existem 25 polivitamínicos para grávidas no Brasil
– 48% (12/25) desses polivitamínicos não contêm iodo
– 16% (4/25) possuem iodo na concentração entre 1-149ug
– 36% (9/25) possuem os 150ug recomendados pela ATA e Organização Mundial de SaúdeFonte: http://www.ign.org/cm_data/IDD_feb16_mail_1.pdf

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.21.48
. ✳️ A partir de apenas 17 trabalhos científicos publicados sobre o assunto, a avaliação do iodo em amostras populacionais brasileiras, somente 2 trabalhos estudaram as gestantes e com resultados díspares, apenas 1 estudo no Norte, 1 estudo no Nordeste, 2 no Cetro-Oeste, 3 no Sul e 13 no Sudeste. .
✳️ A ANÁLISE REAL DA PREVALÊNCIA DE DESORDENS POR DEFICIÊNCIA IÓDICA (IDD) É COMPLEXA PORQUE FORAM DETECTADOS VIÉSES DEVIDO A INFLUÊNCIA DE ESTUDOS INDIVIDUAIS E ELEVADA HETEROGENEIDADE. .
✳️ Nossa hipótese é que mudanças na dieta, as diferenças no consumo de alimentos relacionados ao bócio, características demográficas, geográficas e sociais, Construção de Estradas, negociação / comércio e disponibilidade de alimentos processados podem explicar a coexistência de IDD e ingestão excessiva de iodo em diferentes áreas do país. .
✳️ A maioria dos estudos foram realizados há muitos anos e a geração de um programa nacional para a análise real da situação do iodo em todas as regiões é uma necessidade urgente crucial para estabelecer a iodização do sal específicos necessários para cada região. .
Fonte: http://www.scielo.br/pdf/aem/v59n1/2359-3997-aem-59-1-0013.pdf

WhatsApp Image 2017-05-21 at 10.22.15
Recente artigo de revisão (Janeiro de 2016) estabeleceu algumas orientações sobre a suplementação de iodo na gravidez.
. ➡️As necessidades de iodo são maiores na gravidez porque há um aumento no clearance renal do iodo e o uso do mesmo para produção do hormônio tireoideano.
. ➡️A deficiência de iodo na gravidez está relacionada com alterações no neurodesenvolvimento fetal. . O artigo conclui baseado no consenso estabelecido pela Organização Mundial de Saúde, UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e o ICCIDD (Conselho Internacional para o Controle das Desordens causadas pela Deficiência Iódica, hoje conhecido como Rede Global do Iodo) que: .
✔️As mulheres que vivem em uma população com uma excreção urinária de iodo média (UIC = Iodúria) igual ou superior a 100 mg / L não necessitam de suplementação de iodo na gravidez. .
✔️Por outro lado, se a Iodúria (UIC) da população é abaixo de 100 ug / L, as mulheres grávidas devem tomar suplementos contendo iodo até que a população em geral seja considerada suficiente para o iodo, pelo menos, 2 anos através da iodação do sal. .
E agora, duas perguntas:
1️⃣ Qual a iodúria de nossa população, sobretudo em gestantes? – Não sei. Os dados por mim pesquisados estão desatualizados e sem especificar o grupo de gestantes (MINHA OPINIÃO)
2️⃣ Existem diferenças entre as regiões, estados ou entre as diversas cidades do nosso Brasil? – Óbvio, mas não existe um controle adequado (MINHA OPINIÃO) .
Agradeço a própria autora do trabalho, Dra. Stine Linding Andersen, que gentilmente enviou o seu artigo para o email da minha amiga e companheira dos estudos da medicina integrativa, @dragermanamartiniano

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar