Parto Normal, Natural, Humanizado

 em Medicina do Estilo de Vida, Motivacional, Espiritualidade, Ética e Cidadania, Obstetrícia

Separei algumas informações importantes sobre preparo e assistência ao trabalho de parto. Lembro-me claramente que assisti o meu primeiro parto normal na Maternidade Bandeira Filho no ano de 1998, eu estava no quinto período da faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco. Em 2000 participei da Primeira Conferência Mundial sobre Humanização do Parto e Nascimento em Fortaleza, apresentando dois trabalhos sobre parto de cócoras. De lá pra cá foram inúmeros partos. Nos últimos anos, tenho me dedicado à assistência ao trabalho de parto guiado por ultrassonografia, o que se denomina de ultrassonografia intraparto por acreditar que esta metodologia pode trazer uma segurança maior para a mãe e para o bebê. Abaixo, seguem alguns documentos técnicos históricos e atuais sobre a assistência ao parto. Em seguida aos documentos, separei algumas orientações adaptadas do Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras (ACOG) sobre os principais temas:

  • Como saber e o que fazer quando o trabalho de parto começa

  • Monitoramento cardíaco no trabalho de parto

  • Indução do Parto

  • Quando a gravidez passa da data provável do parto

  • Preparo para o parto em situações especiais

  • O que você precisa saber sobre laceração perineal

  • Técnicas de relaxamento para o manejo da dor no trabalho de parto

  • Lista resumida de recomendações sobre cuidados intraparto para uma experiência positiva de parto

Guia prático da Organização Mundial de Saúde para a Maternidade Segura, 1996 (em inglês):  GUIAOMS1996

Parto, Aborto e Puerpério: assistência humanizada, 2000 ManualFEBRASGOeABENFO 2000

Manual da FEBRASGO de Assistência ao Parto, Puerpério e Abortamento, 2010 ManualFEBRASGO2010

Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal, 2017  MS Diretrizes Parto Normal 2017

Recomendações sobre cuidados intraparto para uma experiência positiva de parto (em inglês) RecOMSExp+ 2018 

 



Monitoramento da frequência cardíaca fetal durante o parto

O que é o monitoramento da frequência cardíaca fetal?

O monitoramento da frequência cardíaca fetal é o processo de verificar a condição do seu feto durante o trabalho de parto e parto, monitorando a frequência cardíaca do feto com equipamento especial.

Por que o monitoramento da frequência cardíaca fetal é feito durante o trabalho de parto e o parto?

O monitoramento da frequência cardíaca fetal pode ajudar a detectar alterações no padrão normal da frequência cardíaca durante o trabalho de parto. Se certas alterações forem detectadas, etapas podem ser executadas para ajudar a tratar o problema subjacente. O monitoramento da frequência cardíaca fetal também pode ajudar a prevenir tratamentos desnecessários. Uma frequência cardíaca fetal normal pode tranquilizar você e seu obstetra-ginecologista (obstetra) ou outro profissional de saúde de que é seguro continuar o trabalho de parto se não houver outros problemas.

Quais são os tipos de monitoramento? Como a ausculta é realizada?

A ausculta é feita com um estetoscópio especial ou um dispositivo chamado transdutor Doppler . Quando o transdutor é pressionado contra o abdômen, você pode ouvir os batimentos cardíacos do feto. Quando a ausculta é usada, seu ginecologista ou outro profissional de saúde verificará a frequência cardíaca do feto em horários definidos durante o trabalho de parto. Se você tiver fatores de risco para problemas durante o trabalho de parto ou se surgirem problemas durante o trabalho de parto, a frequência cardíaca fetal será verificada e registrada com mais frequência.

Como é feito o monitoramento eletrônico do feto (cardiotocografia)?

O monitoramento fetal eletrônico usa equipamento especial para medir a resposta da frequência cardíaca do feto às contrações do útero. Ele fornece um registro contínuo que pode ser lido. Seu ginecologista ou outro profissional de saúde revisará o registro eletrônico dos batimentos cardíacos do feto (chamado de rastreamento da frequência cardíaca fetal) em horários definidos. O rastreamento pode ser revisado com mais frequência se surgirem problemas. O monitoramento fetal eletrônico pode ser externo, interno ou ambos. Você pode precisar ficar na cama durante os dois tipos de monitoramento eletrônico, mas pode mover-se e encontrar uma posição confortável.

Como é feito o monitoramento externo (Cardiotocografia)?

Com esse método, um par de cintos é enrolado em seu abdômen. Um cinto usa Doppler para detectar a frequência cardíaca fetal. O outro cinto mede a duração das contrações e o tempo entre elas.

Como é feito o monitoramento interno?

Com este método, um fio denominado eletrodo é usado. É colocado na parte do feto mais próxima do colo do útero , geralmente o couro cabeludo. Este dispositivo registra a freqüência cardíaca. As contrações uterinas também podem ser monitoradas com um tubo especial chamado cateter de pressão intrauterina, que é inserido através da vagina até o útero. O monitoramento interno pode ser usado somente depois que as membranas do saco amniótico se rompem (depois que “sua bolsa d’água rompe” ou rompe).

Não realizamos o monitoramento interno em Pernambuco, talvez em nenhuma maternidade do Brasil.

O que acontece se o padrão de frequência cardíaca fetal for anormal?

Padrões anormais de frequência cardíaca fetal nem sempre significam que há um problema. Outros testes podem ser feitos para se ter uma ideia melhor do que está acontecendo com seu feto. Se houver um padrão anormal de frequência cardíaca fetal, seu obstetra ou outro profissional de saúde tentará primeiro encontrar a causa. Podem ser tomadas medidas para ajudar o feto a obter mais oxigênio, como fazer você mudar de posição. Se esses procedimentos não funcionarem ou se outros resultados de testes sugerirem que seu feto tem um problema, seu obstetra ou outro profissional de saúde pode decidir fazer o parto imediatamente. Nesse caso, o parto é mais provável por cesárea ou com fórceps ou parto assistido a vácuo .

Eu defendo sim o uso da tecnologia em obstetrícia. Será a única forma de avançarmos numa assistência mais segura e consequentemente mais humanizada, afinal nada mais humanizado do que um um parto bem assistido, independente da via de parto, é um parto com resultados excelentes maternos e perinatais. A ultrassonografia intraparto inclusive mostrou-se como um método que aumenta as chances de um parto normal. Não faz sentido em 2018 (já não fazia sentido há muito tempo), acompanharmos uma paciente em trabalho de parto e não identificarmos a variedade de posição, a estimativa de peso fetal, o perfil biofísico e hemodinâmico fetal, com a utilização de Dopplerfluxometria, sequer entendermos de forma objetiva como ocorre o mecanismo do parto que assistimos. Realizamos diversas ultrassonografias no pré-natal e, de repente, no momento mais importante da vida de um indivíduo, o seu nascimento, esta monitorização não ocorre. Ao meu ver os equipamentos de ultrassonografia devem estar presentes em todas as maternidades. O preço que se paga por um equipamento e uma equipe bem treinada é muito menor do que o preço que se paga por um resultado materno e perinatal adverso. Saliento que não há evidência científica que sustente esta minha opinião, até porque poucos obstetras possuem equipamentos de ultrassonografia ou são habilitados para execução do exame e a única maneira de realmente entendermos este novo método de acompanhamento do trabalho de parto é praticando, afinal, até que se prove o contrário e mediante os trabalhos científicos atuais, a ultrassonografia intraparto tem trazido inúmeros benefícios. Também apoio a utilização da cardiotocografia anteparto, por motivos semelhantes ao que já escrevi. Mais informações em https://drglaucius.com.br/usgintraparto/

 


Indução do parto  – perguntas frequentes

O que é indução do parto?

  • A indução do parto é o uso de medicamentos ou outros métodos para provocar (induzir) o parto.

Por que o trabalho de parto é induzido?

  • O parto é induzido para estimular as contrações do  em um esforço para ter um parto vaginal. A indução do parto pode ser recomendada se a saúde da mãe ou do  estiver em risco. Em situações especiais, o parto é induzido por motivos não médicos, como morar longe do hospital. Isso é chamado de indução eletiva. A indução eletiva não deve ocorrer antes de 39 semanas de gravidez.

Quais os riscos da indução do parto?

A indução do Parto é sempre eficaz?

Se você tiver mais perguntas, entre em contato com seu obstetra.

FAQ154

Publicado: setembro de 2017

Última revisão: junho de 2018

Fonte: ACOG


Quando a gravidez passa da data provável do parto

O que é a data provável do parto (DPP) ?

A data prevista para o nascimento do seu bebê – data provável do parto – é calculada a partir do primeiro dia de sua última menstruação (DUM) , desde que esteja compatível com a ultrassonografia do primeiro trimestre. A DPP é usada como um guia para verificar o progresso da gravidez e acompanhar o crescimento do  .

Como a DPP é calculada?

Um exame de ultrassom geralmente é usado para confirmar a data provável do parto. Seu  avaliará a data de seu exame de ultrassom e a comparará com a DPP com base em sua DUM. Depois de selecionada a DPP, ela não muda, não importa quantos exames de ultrassom adicionais você possa fazer durante a gravidez.

O que é gravidez pós-termo?

A duração média da gravidez é de 280 dias, ou 40 semanas, contados a partir do primeiro dia de sua DUM. Uma gravidez que dura de 41 semanas a 42 semanas é chamada de “prolongada”. Uma gravidez que dura mais de 42 semanas é chamada de “pós-termo”. Comumente chamamos de pós-datismo, a gestação que passa das 40 semanas de gestação.

O que causa uma gestação pós-termo

As causas da gravidez pós-termo são desconhecidas, mas existem vários fatores que podem aumentar suas chances de ter uma gravidez pós-termo. Esses fatores incluem o seguinte:

  • Primeira gestação
  • Feto masculino.
  • Antecedente de gravidez pós-termo
  • Obesidade

Quais os riscos associados a uma gravidez pós-termo?

Os riscos à saúde para você e seu feto podem aumentar se a gravidez for tardia ou pós-termo, mas os problemas ocorrem apenas em um pequeno número de gestações pós-termo. A maioria das mulheres que dão à luz após as datas previstas têm um trabalho de parto sem complicações e dão à luz bebês saudáveis. Os riscos associados à gravidez pós-termo incluem os seguintes:

Outros riscos incluem maior chance de  ou  . Também há uma chance maior de infecção e  – .

Quando devo realizar exames numa gravidez pós-termo?

Uma gravidez entre 40 e 41 semanas de gestação não requer necessariamente testes, mas às 41 semanas seu obstetra ou outro profissional de saúde pode recomendar testes. Esses testes podem ser feitos semanalmente ou duas vezes por semana. O mesmo teste pode precisar ser repetido ou um teste diferente pode precisar ser feito. Em alguns casos, a entrega pode ser recomendada.

O que é monitoramento fetal eletrônico?

A cardiotocografia anteparto (CTG) mede a frequência cardíaca do feto por um período específico de tempo, geralmente 20 minutos. Os resultados do NST são anotados como reativos (tranquilizadores) ou não reativos (não-tranquilizadores). Um resultado não reativo não significa necessariamente que o feto não seja saudável. Os resultados do CTG não reativo geralmente são seguidos por outros testes para fornecer mais informações.

O que é Perfil Biofísico Fetal ?

Um perfil biofísico fetal (PBF) envolve o monitoramento da frequência cardíaca fetal, pela ultrassonografia. Avalia a frequência cardíaca fetal, respiração, movimento e tônus ​​muscular. A quantidade de líquido amniótico também é avaliada.

O que é uma Cardiotocografia sobre estresse de contração? 

A Cardiotocografia sobre estresse de contração (CTGe) avalia como a frequência cardíaca do feto muda quando o  contrai. Para fazer seu útero se contrair levemente, você pode receber ocitocina por meio de um catéter intravenoso (IV) em seu braço. Os resultados são considerados tranquilizadores ou não tranquilizadores. Os resultados também podem ser ambíguos (os resultados não são claros) ou insatisfatórios (não houve contrações suficientes para produzir um resultado significativo).

O que é indução do parto?

A indução do parto pode ser recomendada se a sua gravidez chegar a 41 semanas. A indução é iniciada com medicamentos ou outros métodos. Para induzir o parto, seu colo do útero precisa começar a amolecer na preparação para o parto. Isso é chamado de  . Medicamentos ou outros métodos podem ser usados ​​para iniciar este processo.

Como é realizada a indução do parto?

Métodos para induzir o parto podem incluir o seguinte:

  • Descolamento das membranas amnióticas – seu obstetra ou outro profissional de saúde passa um dedo enluvado sobre as membranas finas que conectam o  à parede do útero.
  • Ruptura da bolsa amniótica – seu obstetra ou outro profissional de saúde faz um pequeno orifício na bolsa amniótica para liberar o líquido (“rompendo a bolsa”).
  • Ocitocina – uma forma medicamentosa de oxitocina pode ser administrada por meio de um tubo intravenoso em seu braço. Isso fará com que o útero se contraia. A dosagem pode ser aumentada lentamente ao longo do tempo e é monitorada cuidadosamente.
  • Análogos da prostaglandina – são medicamentos colocados na vagina para iniciar o amadurecimento cervical.
  • Balão de amadurecimento cervical – seu obstetra ou outro profissional de saúde pode colocar um pequeno dispositivo semelhante a um balão no colo do útero para dilatá-lo mecanicamente e ajudar a iniciar o trabalho de parto.

Quais os riscos da indução do parto?

Os riscos da indução do parto podem incluir alterações na frequência cardíaca fetal, infecção e contrações do útero que são muito fortes. Você e seu feto serão monitorados durante todo o processo. Outra possibilidade é que a indução do parto pode não funcionar. O método usado para induzir o parto pode precisar ser repetido. Em alguns casos, pode ser necessário um parto vaginal assistido ou uma cesariana.


Preparo para o parto em situações especiais

Nós obstetras sempre desejamos às nossas pacientes um parto normal sem laceração, sem nenhum intercorrência e sem o mínimo de intervenção. Mas considero que vale a pena o preparo para situações especiais que relato a seguir. É comumente você se preparar para que tudo dê certo, mas se você cair no percentual de maior dificuldade na assistência ao parto, você se preparou para que tudo desse certo, principalmente em situações desafiadoras.

Falha na Progressão do Trabalho de parto

Em algumas situações, mesmo com adequada assistência obstétrica e empenho da gestante, o colo não dilata, o bebê não “desce”, as contrações não aumentam, enfim, existe uma série de condições que atrapalham aquele parto normal tão desejado, que chamamos de parto eutócico.

O mais importante é saber que o caminho foi percorrido de maneira correta e caso seja indicada a cesariana por este motivo, a gestante deve estar de cabeça tranquila para esta situação, ao invés de se cobrar por não conseguir o parto. O nascimento será humanizado independente da via de parto.

Insucesso na indução do parto

Na minha prática, em comum a diversos profissionais e Guidelines, uma vez que a paciente não apresente resposta à indução do parto, a cesariana será indicada quando a paciente desistir da indução ou quando tiver colocado 8 comprimidos de misoprostol 25mcg, sem resposta satisfatória.

Líquido Amniótico Meconizado

Pode indicar o sofrimento fetal, se estiver no final do trabalho de parto pode-se esperar pelo parto normal, caso contrário, em geral é optado pela cesariana, a indicação é por sofrimento fetal, é uma cesariana necessária.

Distócia de Ombro

É uma emergência obstétrica e que precisa da colaboração da gestante. As medidas são de responsabilidade do profissional que assiste o parto, mas é importantíssimo a colaboração da paciente principalmente para duas posições representadas abaixo que facilitam a saída do bebê.

Management of shoulder dystocia

Figuras representando a Manobra de Mc Roberts, que consiste em aumentar o canal de parto pela maior flexão das coxas

Shoulder Dystocia: An Update - ScienceDirectFlipFLOP: Four Steps to Remember • Midwifery Today

Em outras situações a manobra de Gaskin que consiste em ficar na posição de quatro apoios facilita o desprendimento da cabeça fetal. Outra possibilidade é ficar na posição de corredor (de largada) colocando uma perna à frente apoiada pelo pé com a perna posterior apoiada pelo joelho

 

Parto Vaginal Assistido (Instrumental): Vácuo-extrator ou Fórceps: 

E algumas situações para evitar o sofrimento fetal e ultimar o parto normal, realizamos o que chamamos de parto vaginal assistido, ou parto instrumental ou parto operatório. Para isso utilizamos o vácuo-extrator ou o fórceps. Sou provedor e instrutor do Curso Advanced Life Support in Obstetrics (ALSO)  e as aulas práticas e teóricas que ministrava era sobre este assunto. Parto vaginal assistido não é violência obstétrica. Violência obstétrica é a paciente não permitir a realização do parto vaginal assistido e o obstetra fazê-lo. Mas se houver indicação do parto instrumental de emergência, em primeiro lugar leva-se em consideração a vida do bebê. Toda paciente que deseja parto normal deveria estar preparada para a possibilidade de realização do parto operatório ou de uma cesariana de emergência.

Hospital em Recife (PE) utiliza novo equipamento para auxiliar em partos normais - Notícias - EBSERHParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo

Exemplo de vácuo-extrator e sua demonstração em manequim

O que é fórceps? Entenda essa ferramenta usada no parto normalESTUDA, MELANIA, ESTUDA!: Parto instrumental: fórceps e vácuo-extração na Obstetrícia moderna: Parte 1

Exemplo de fórceps e sua demonstração em manequim

 

Entendendo as possíveis intervenções: Fórceps e Vácuo-Extrator - Pra valer a pena

Ilustração de Parto vaginal instrumental com fórceps e vácuo-extrator

Suspeita de Sofrimento Fetal

Qual a mãe arriscaria a vida do filho. Não vale a pena insistir num parto normal quando se coloca em risco a vida do bebê. É mais uma indicação de cesariana.

Exaustão Materna

Caso você não suporte a espera pelo trabalho de parto e parto, as dores mesmo que esteja sob analgesia, o obstetra deve estar ao seu lado e compreender esta possibilidade. O parto continua sendo seu, você vai até onde acha que deve ir. Não será uma mãe melhor ou pior por causa desta exaustão. Mas saiba que é muito comum o cansaço do trabalho de parto, como diversos esforços físicos que realizamos, mas que no final ficamos satisfeitos com o resultado.

Mudança na equipe de Assistência

O parto é seu, o ideal é que o profissional de sua escolha esteja lhe assistindo durante todo o trabalho de parto. Mas é imprescindível que você entenda que este profissional tem família, precisa se cuidar, divertir-se, atender outras pacientes, ter outras urgências, ter problemas de saúde na família e pode não estar o tempo todo durante o trabalho de parto. O parto continua sendo seu, confie no seu preparo e na equipe que está lhe assistindo.

Lacerações Perineais

Saiba que podem ocorrer, independente de todo o cuidado ou posição do parto. Abaixo tem um tópico específico sobre o assunto.

Hemorragia pós-parto

Mesmo com todo o cuidado e profilaxia, o parto pode sangrar muito e exigir algumas medicações endovenosas e até pela via retal. Em um pequeno percentual dos casos pode ser preciso a realização de transfusão sanguínea.

Óbito Fetal

Todo o obstetra experiente já teve um desfecho perinatal negativo. Muitas vezes não compreendemos o porquê de numa cesariana o bebê nasce deprimido e isso também pode ocorrer no trabalho de parto e parto normal. A ciência ainda não avançou para garantirmos o desfecho perinatal positivo durante o trabalho de parto. Mas o que realmente importa é o trabalho em conjunto, tomar as decisões certas na hora certa. A confiança, o preparo psicofísico para o parto ajuda bastante. Em algumas situações você ainda continua tendo o direito de escolher a via de parto, até mesmo se houver ocorrido o óbito fetal. Em geral priorizamos o parto normal (desde que a paciente consinta) para não expor a paciente a um risco cirúrgico desnecessário.

O que você precisa saber sobre laceração perineal?

O que são lacerações perineais?

O períneo é a área entre a abertura vaginal e a passagem das costas (ânus).

É comum que o períneo se amplie até certo ponto durante o parto e apresente lacerações.

As laceraçõess também podem ocorrer dentro da vagina ou em outras partes da vulva, incluindo os lábios vaginais. Bem mais raramente pode envolver o ânus e a uretra (canal por onde passa o xixi)

Até 9 em cada 10 primíparas (mulheres que terão o primeiro parto) que têm parto vaginal apresentam algum tipo de laceração ou episiotomia. É ligeiramente menos comum para mães que tiveram um parto vaginal antes.

Para a maioria das mulheres, essas lacerações são mínimas e curam rapidamente.

Anatomia do períneo

Figura evidenciando a anatomia simplificada do períneo

Quais são os tipos de rotura perineal?

Primeiro grau

Pequenas lágrimas que afetam apenas a pele, que geralmente cicatrizam rapidamente e sem tratamento.

Eu sempre realizo a sutura para correção de defeito anatômico, mesmo nas suturas superficiais, muitas das quais apresentam sangramentos. Não é uma questão estética, é prevenção até de hemorragia pós-parto pois a sutura é hemostática (diminui risco de sangramento). Já atendi mulheres que apresentaram hemorragia pós-parto com necessidade de hemotransfusão por conta de lacerações vaginais que não foram suturadas. 

Segundo grau

Lágrimas afetando o músculo do períneo e a pele. Geralmente requerem pontos de sutura.

Lacerações de terceiro e quarto graus

Para algumas mulheres (3,5 em 100), o rasgo pode ser mais profundo. As rupturas de terceiro ou quarto grau, também conhecidas como lesões obstétricas do esfíncter anal (OASI), estendem-se para o músculo que controla o ânus (esfíncter anal). Essas lacerações mais profundas precisam ser reparadas em uma sala de cirurgia.

Tipos de laceração perinatal e episiotomia no parto

Figura demonstrando os tipos de lacerações

Por que as lacerações ocorrem?

As lacerações acontecem espontaneamente quando o bebê estica a vagina e o períneo durante o parto.

Qual é a diferença entre uma laceração e uma episiotomia?

A episiotomia é um corte feito pelo seu profissional de saúde no períneo e na parede vaginal para liberar mais espaço para o nascimento do bebê.

As episiotomias são feitas com o seu consentimento. Elas são realizadas se o seu bebê precisar nascer rapidamente, geralmente se você tiver um parto instrumental (fórceps ou vácuo-extrator), ou se houver risco de uma lesão perineal grave (o que é algo bastante subjetivo).

Eu não realizo episiotomia de rotina nos partos em que assisto. Desde 2000 já existe metanálise (tipo de estudo científico que reúne outras publicações, de alto impacto) condenando a episiotomia de rotina.

Como posso saber que tipo de laceração eu tive?

Após o nascimento de seu bebê, seu profissional de saúde examinará cuidadosamente sua vagina, períneo e ânus para ver se você tem uma laceração e, em caso afirmativo, de que tipo. Eles então o aconselharão se você precisar de pontos.

Se você tiver sofrido uma ruptura de terceiro ou quarto grau, será transferido para a sala de cirurgia, onde seus músculos serão reparados. Você receberá uma anestesia peridural ou raquidiana, para que tenha um bom alívio da dor.

Reduzindo o risco de rupturas perineais

As rupturas perineais de primeiro e segundo graus são os tipos mais comuns e provavelmente não causam problemas de longo prazo.

Para lacerações de terceiro e quarto graus, geralmente não há uma razão clara para isso acontecer, e não é possível prever. No entanto, é mais provável se:

  • Este é o seu primeiro parto vaginal
  • Seu bebê tem mais de 4 kg
  • Você tem um longo segundo estágio de trabalho de parto (o estágio durante o qual você empurra seu bebê para fora)
  • O ombro do seu bebê fica preso atrás do osso púbico (distocia de ombro)
  • Você tem um parto vaginal instrumental (fórceps ou assistido a vácuo)

Massagem perineal durante a gravidez

A partir das 35 semanas, você ou seu parceiro podem fazer massagem perineal diária até o nascimento do bebê, o que pode reduzir o risco de laceração.

Isso é particularmente benéfico para as mães que terão o parto normal pela primeira vez. Você pode optar por pedir a seu parceiro para ajudá-lo com isso.

Dicas de massagem perineal

  • Banho quente
    Sente-se em um banho quente antes de começar. Isso pode ajudá-lo a relaxar antes da massagem e a soltar os músculos ao redor do períneo.
  • Unhas curtas
    Os tecidos da vagina e do períneo são muito delicados. Certifique-se de que suas unhas são curtas para evitar arranhões na pele ou qualquer desconforto na área.
  • Posição confortável
    Você precisa estar relaxada durante a massagem, por isso é importante encontrar uma posição confortável. O melhor lugar para fazer essa massagem é na cama. Apoie-se com almofadas para apoiar as costas e dobre os joelhos.
  • Lubrificante
    Use um lubrificante como óleo de vitamina E, óleo de amêndoa ou azeite. Outra opção que sugiro é o óleo de coco.
  • Polegares
    Mantenha os polegares na posição indicada por cerca de 1 minuto (imagem abaixo). Pressione para baixo em direção ao ânus e às laterais das paredes da vagina. Mantenha os polegares nesta posição por cerca de 1 minuto. Você começará a sentir uma sensação de alongamento. Respire fundo.
  • Massagem suave
    Massageie suavemente a metade inferior da vagina usando um movimento em forma de U por 2-3 minutos. Repita 2-3 vezes.
  • Repita diariamente ou quando possível
    . Pode levar algumas semanas de massagem diária antes de você notar mais elasticidade na área perineal.


Massagem perineal

 

Proteção perineal no momento do nascimento

Posição de nascimento

  • O seu profissional de saúde trabalhará com você para que possa dar à luz na posição escolhida. Ajoelhada, ou posição de quatro, ou deitada de lado, pode ser benéfico e reduzir a gravidade da laceração.

Compressa quente (morna)

  • O profissional de saúde pode colocar delicadamente uma compressa quente (compressa, cotonete ou gaze) no períneo enquanto a cabeça do bebê estica os tecidos perineais. Isso pode ajudar a reduzir a gravidade do lacrimejamento.

Um nascimento ‘prático’

  • O seu profissional de saúde pode apoiar o seu períneo durante o nascimento do seu bebê. Isso é chamado de proteção perineal manual ou parto “Hands On”. Sou a favor desta técnica. 
  • A proteção perineal manual pode ser fornecida em qualquer posição de parto, exceto na água.
  • É usado apenas por um curto período, durante o nascimento do seu bebê, e pode ajudar a reduzir a gravidade das lacerações.

O seu profissional de saúde também deve trabalhar com você para garantir que você tenha um parto traqnuilo e controlado.

Se você estiver preocupada com as lacerações perineais ou tiver alguma dúvida, fale com seu profissional de saúde. Ele poderá discutir quaisquer fatores de risco acrescidos relacionados ao seu nascimento e o que eles e você podem fazer para tentar evitá-los.

O que acho que é fundamental você saber sobre este assunto?

  1. Inicialmente conhecer sua anatomia, entender o que é e quais os tipos de laceração.
  2. Compreender que se for o primeiro parto normal é mais frequente (9 em cada 10 de acordo com a fonte utilizada) a ocorrência da laceração, mas que apenas 3,5% das mulheres que tiveram parto normal apresentam lacerações perineais de terceiro e quarto grau.
  3. Você terá um maior risco de laceração perineal se:
    1. Este é o seu primeiro parto vaginal
    2. Seu bebê tem mais de 4 kg
    3. Você tem um longo segundo estágio de trabalho de parto (o estágio durante o qual você empurra seu bebê para fora)
    4. O ombro do seu bebê fica preso atrás do osso púbico (distocia de ombro)
    5. Você tem um parto vaginal instrumental (fórceps ou vácuo extrator)
  4. A episiotomia não realizada de rotina (pelo menos não deve ser).
  5. A massagem perineal diária, a partir de 35 semanas de gestação, pode ajudar a diminuir o risco de laceração perineal.
  6. As lacerações serão suturadas com pontos absorvíveis (não necessitam de retirada, “caem” por eles mesmos) sob anestesia local ou pela própria analgesia de parto se for realizada. Ah, nós obstetras, em geral não contamos os pontos de suturas, estamos preocupados em realizar a sutura mais estética e hemostática para a paciente.
  7.  O preparo psicofísico para o parto normal seguida pela assistência humanizada ao trabalho de parto, parto e puerpério, por mais que talvez não tenhamos evidências científicas robustas, ajuda bastante na diminuição da ocorrência das lacerações bem como de suas correções.
  8. Risco de laceração perineal não é indicação de cesariana.
  9. Hemorróida ou varizes vulvares não é indicação formal de cesariana, mas pode ocorrer um maior incômodo no trabalho de parto e risco de laceração. Nós obstetras ficamos preocupados quando da ocorrência destas situações. Mas a escolha do parto é da mulher.
  10. Após o parto, a crioterapia (gelo local) ajuda na recuperação vaginal e representa um método analgésico simples, bem como a utilização de analgésicos, antiinflamatórios e até mesmo soluções (líquida ou spray) a base de solução fisiológica, anestésicos e antiinflamatórios locais ajuda bastante.

Fonte: Adaptado de https://www.rcog.org.uk/en/patients/tears/tears-childbirth/ e https://www.rcog.org.uk/en/patients/tears/reducing-risk/


WhatsApp Image 2018-02-17 at 14.35.31

Lista resumida de recomendações sobre cuidados intraparto para uma experiência positiva de parto

1. Recomenda-se o atendimento de maternidade respeitoso – que se refere aos cuidados organizados e prestados a todas as mulheres de forma a manter sua dignidade, privacidade e confidencialidade, garantem a ausência de danos e maus tratos, e permite a escolha informada e o apoio contínuo durante o parto e parto. (Recomendado)

2. É recomendável a comunicação efetiva entre profissionais de maternidade e mulheres no trabalho de parto, utilizando métodos simples e culturalmente aceitáveis. (Recomendado)

3. Um companheiro de escolha é recomendado para todas as mulheres ao longo do trabalho e do parto. (Recomendado)

4. Os modelos de cuidados dirigidos pela parteira, em que uma parteira conhecida ou pequeno grupo de parteiras conhecidas apoiam uma mulher ao longo do pré-natal, intraparto e pós-natal, são recomendados para mulheres grávidas em ambientes com programas de obstetrícia que funcionam bem. (Recomendação de contexto específico)

5. Recomenda-se o uso das seguintes definições dos primeiros estágios ativos e latentes do trabalho para a prática.
O primeiro estágio latente é um período de tempo caracterizado por contrações uterinas dolorosas e alterações variáveis do colo do útero, incluindo algum grau de apagamento e progressão mais lenta de dilatação de até 5 cm para trabalhos iniciais e subsequentes.
O primeiro estágio ativo é um período de tempo caracterizado por contrações uterinas dolorosas regulares, um grau substancial de apagamento cervical e dilatação cervical mais rápida de 5 cm até dilatação completa para trabalhos iniciais e subsequentes. (Recomendado)

6. As mulheres devem ser informadas de que uma duração padrão do primeiro estágio latente não foi estabelecida e pode variar amplamente de uma mulher para outra. No entanto, a duração do primeiro estágio ativo (de 5 cm até a dilatação cervical completa) geralmente não se prolonga além de 12 horas nos primeiros trabalhos, e geralmente não se prolonga para além de 10 horas em trabalhos subsequentes. (Recomendado)

7. Para as mulheres grávidas com início de trabalho espontâneo, o limiar da taxa de dilatação cervical de 1 cm / hora durante o primeiro estágio ativo (conforme representado pela linha de alerta do partograma) é impreciso para identificar as mulheres com risco de desfecho adverso e, portanto, não é recomendado para este propósito. (Não Recomendado)

8. Uma taxa mínima de dilatação cervical de 1 cm / hora ao longo do primeiro estágio ativo é pouco realista para algumas mulheres e, portanto, não é recomendada para identificação da progressão normal do trabalho. Uma taxa de dilatação cervical mais lenta que 1 cm / hora por si só não deve ser uma indicação de rotina para a intervenção obstétrica.  (Não Recomendado)

9. O trabalho não pode naturalmente acelerar até atingir um limiar de dilatação cervical de 5 cm. Portanto, o uso de intervenções médicas para acelerar o parto e o nascimento (como o aumento da oxitocina ou a cesariana) antes deste limiar não é recomendado, desde que as condições fetais e maternas sejam tranquilizadoras.  (Não Recomendado)

10. Para as mulheres grávidas saudáveis que se apresentam em trabalho espontâneo, uma política de atrasar a admissão da sala de trabalho até o primeiro estágio inicial é recomendada apenas no contexto de pesquisas rigorosas. (Recomendação em contexto de pesquisa)

11. A pelvimetria clínica de rotina na admissão no trabalho de parto não é recomendada para mulheres grávidas saudáveis.

12. A cardiotocografia de rotina não é recomendada para a avaliação do bem-estar fetal na admissão do trabalho em mulheres grávidas saudáveis ??apresentando trabalho espontâneo.

13. Ausculta dos batimentos cardíacos fetaisusando um dispositivo de ultra-som Doppler ou estetoscópio fetal Pinard é recomendada para a avaliação do bem-estar fetal na admissão de trabalho.

14. Não é recomendado a tricotomia perineal / pubiana de rotina antes de dar parto vaginal.

15. A administração de enema para reduzir o aumento do trabalho de parto não é recomendada.

16. O exame vaginal digital em intervalos de quatro horas é recomendado para a avaliação rotineira do primeiro estágio de trabalho ativo em mulheres de baixo risco.

17. A cardiotografia contínua não é recomendada para avaliação do bem-estar fetal em mulheres grávidas saudáveis ??submetidas a trabalho espontâneo.

18. A ausculta intermitente da freqüência cardíaca fetal com um aparelho de ultra-som Doppler ou estetoscópio fetal Pinard é recomendada para mulheres grávidas saudáveis ??no trabalho de parto.

19. A analgesia epidural é recomendada para mulheres grávidas saudáveis ??que solicitam alívio da dor durante o parto, dependendo das preferências de uma mulher.

20. Os opióides parenterais, como fentanil, diamorfina e petidina, são opções recomendadas para mulheres grávidas saudáveis ??que pedem alívio da dor durante o trabalho de parto, dependendo das preferências de uma mulher.

21. As técnicas de relaxamento, incluindo relaxamento muscular progressivo, respiração, música, atenção plena e outras técnicas, são recomendadas para mulheres grávidas saudáveis ??que solicitam alívio da dor durante o trabalho de parto, dependendo das preferências de uma mulher.

22. Técnicas manuais, como massagem ou aplicação de embalagens quentes, são recomendáveis ??para mulheres grávidas saudáveis ??que solicitam alívio da dor durante o parto, dependendo das preferências de uma mulher. (Recomendado)

23. Não é recomendado o alívio da dor para prevenir o atraso e reduzir o  aumento no trabalho de parto. (Não recomendado)

24. Para mulheres de baixo risco, recomenda-se a ingestão de líquidos e alimentos durante o trabalho de parto. (Recomendado)

25. É recomendável encorajar a adoção da mobilidade e uma posição vertical durante o trabalho em mulheres de baixo risco. (Recomendado)

26. Não é recomendada a limpeza vaginal de rotina com clorexidina durante o trabalho de parto com a finalidade de prevenir morbidades infecciosas. (Não recomendado)

27. Não é recomendado um pacote de cuidados para o manejo ativo do trabalho de parto para a prevenção do atraso no trabalho de parto. (Não recomendado)

28. O uso da amniotomia sozinho para prevenir o atraso no parto não é recomendado. (Não recomendado)

29. Não é recomendado o uso de amniotomia precoce com aumento precoce de oxitocina para prevenção de atraso no trabalho de parto. (Não recomendado)

30. Não é recomendado o uso de oxitocina para prevenção do atraso no trabalho em mulheres que recebem analgesia peridural. (Não recomendado)

31. Não é recomendado o uso de agentes antiespasmódicos para prevenção de atraso no trabalho de parto. (Não recomendado)

32. Não é recomendado o uso de fluidos intravenosos com o objetivo de encurtar a duração do trabalho de parto. (Não recomendado)

33. O uso da seguinte definição e duração da segunda etapa do trabalho de parto é recomendado para a prática.
– O segundo estágio é o período de tempo entre dilatação cervical completa e nascimento do bebê, durante o qual a mulher tem um desejo involuntário de suportar, como resultado de contracções uterinas expulsivas.
– As mulheres devem ser informadas de que a duração do segundo estágio varia de uma mulher para outra. Em gestantes no primeiro trabalho de parto, o nascimento geralmente é completado dentro de 3 horas, enquanto em trabalhos de parto subsequentes, o nascimento geralmente é concluído dentro de 2 horas. (Recomendado)

34. Para as mulheres sem analgesia peridural, recomenda-se incentivar a adoção de uma posição de nascimento da escolha da mulher individual, incluindo posições verticais. (Recomendado)

35. Para as mulheres com analgesia peridural, recomenda-se incentivar a adoção de uma posição de nascimento da escolha individual da mulher, incluindo posições verticais. (Recomendado)

36. As mulheres na fase expulsiva da segunda etapa do trabalho devem ser encorajadas e apoiadas para seguir seu próprio impulso de empurrar. (Recomendado)

37. Para as mulheres com analgesia peridural no segundo estágio do trabalho de parto, o atraso de empurrar durante uma a duas horas após a dilatação total ou até que a mulher recupere o desejo sensorial de suportar é recomendado no contexto em que os recursos estão disponíveis para maior permanência no segundo estágio e a hipoxia perinatal pode ser adequadamente avaliada e gerenciada. (Recomendação específica do contexto)

38. Para as mulheres na segunda fase do trabalho, são recomendadas técnicas para reduzir o trauma perineal e facilitar o nascimento espontâneo (incluindo a massagem perineal, compressas quentes e a proteção do períneo), com base em uma mulher preferências e opções disponíveis. (Recomendado)

39. O uso rotineiro ou liberal da episiotomia não é recomendado para mulheres submetidas a parto vaginal espontâneo. (Não recomendado)

40. Não é recomendável a aplicação da pressão manual do fundo uterino para facilitar o parto durante a segunda etapa do trabalho. (Não recomendado)

 41. O uso de uterotônicos para a prevenção da hemorragia pós-parto (PPH) durante a terceira etapa do trabalho de parto é recomendado para todos os partos. (Recomendado)

42. A oxitocina (10 UI, IM / IV) é a droga uterotônica recomendada para a prevenção da hemorragia pós-parto (PPH). (Recomendado)

43. Nas situações em que a oxitocina não está disponível, recomenda-se o uso de outros uterotônicos injetáveis ??(se apropriado, ergometrina / metilergometrina, ou a combinação fixa de oxitocina e ergometrina) ou misoprostol oral (600 ?g). (Recomendado)

44. O clampeamento tardio do cordão umbilical (não superior a 1 minuto após o nascimento) é recomendado para melhorar os resultados de saúde e nutrição materna e infantil. (Recomendado)

45. Nas situações onde os assistentes de partos qualificados estão disponíveis, a tração de cordão controlada (CCT) é recomendada para partos vaginais se o médico e a mulher parturiente considerem uma pequena redução na perda de sangue e uma pequena redução na duração da terceira etapa do parto como importante. (Recomendado)

46. ??A massagem uterina sustentada não é recomendada como uma intervenção para prevenir a hemorragia pós-parto (HPP) nas mulheres que receberam oxitocina profilática (não recomendado).

47. Em neonatos nascidos com líquido amniótico claro que começam a respirar sozinhos após o nascimento, a sucção da boca e do nariz não deve ser realizada. (Não recomendado)

48. Os recém-nascidos sem complicações devem ser mantidos em contato pele a pele com suas mães durante a primeira hora após o nascimento para prevenir a hipotermia e promover a amamentação. (Recomendado)

49. Todos os recém-nascidos, incluindo bebês de baixo peso ao nascimento (BPN) que possam amamentar, devem ser colocados no peito o mais rápido possível após o nascimento quando são clinicamente estáveis ??a mãe e o bebê. (Recomendado)

50. Todos os recém-nascidos devem receber 1 mg de vitamina K por via intramuscular após o nascimento (ou seja, após a primeira hora em que a criança deve estar em contato pele a pele com a mãe e a amamentação deve ser iniciada). (Recomendado)

51. O banho deve ser adiado até 24 horas após o nascimento. Se isso não for possível devido a razões culturais, o banho deve ser adiado por pelo menos seis horas. Recomenda-se roupas apropriadas do bebê para a temperatura ambiente. Isso significa uma ou duas camadas de roupas mais do que adultos, e uso de chapéus / bonés. A mãe e o bebê não devem ser separados e devem permanecer no mesmo quarto 24 horas por dia.  (Recomendado)

52. Recomenda-se a avaliação do tônus uterino abdominal pós-parto para identificação precoce da atonia uterina para todas as mulheres. (Recomendado)

53. A profilaxia antibiótica de rotina não é recomendada para mulheres com parto vaginal sem complicações (não recomendado).

54. A profilaxia antibiótica de rotina não é recomendada para mulheres com episiotomia. (Não recomendado)

55. Todas as mulheres pós-parto devem ter uma avaliação regular do sangramento vaginal, contração uterina, altura fundamental, temperatura e freqüência cardíaca (pulso) rotineiramente durante as primeiras 24 horas a partir da primeira hora após o nascimento. A pressão arterial deve ser medida logo após o nascimento. Se normal, a segunda medida da pressão arterial deve ser tomada dentro de seis horas. O esvaziamento de urina deve ser documentado dentro de seis horas. (Recomendado)

56. Após um parto vaginal sem complicações em um centro de saúde, mães saudáveis e recém nascidos devem receber cuidados nas instalações pelo menos 24 horas após o nascimento. (Recomendado)

 

Para acessar o documento na íntegra, clique aqu


Técnicas de relaxamento para o manejo da dor no trabalho de parto

Publicado pela primeira vez: Grupo Editorial: Cochrane Pregnancy and Childbirth Group
DOI: 
10.1002 / 14651858.CD009514.pub2

Resumo

Muitas mulheres gostariam de evitar métodos farmacológicos ou invasivos de controle da dor no trabalho de parto, o que pode contribuir para a popularidade de métodos complementares de tratamento da dor. Esta revisão examinou evidências atualmente disponíveis sobre o uso de terapias de relaxamento para o manejo da dor em trabalho de parto. Esta é uma atualização de uma revisão publicada pela primeira vez em 2011.

Objetivos

Examinar os efeitos das técnicas de relaxamento mente-corpo para o manejo da dor no trabalho de parto no bem-estar materno e neonatal durante e após o parto.

Métodos de pesquisa

Pesquisamos Cochrane Pregnancy and Childbirth’s Trials Register (9 de maio de 2017), Cochrane Central Register de Ensaios Controlados (CENTRAL) ( The Cochrane Library , Issue 5 2017), MEDLINE (1966 a 24 de maio de 2017), CINAHL (1980 a 24 de maio de 2017 ), o Registo Australiano de Ensaios Clínicos da Nova Zelândia (18 de maio de 2017), ClinicalTrials.gov (18 de maio de 2017), o Registo ISRCTN (18 de maio de 2017), a Plataforma Internacional de Registos de Ensaios Clínicos da OMS ( ICTRP ) (18 de maio de 2017) e listas de referência de estudos recuperados.

Critério de seleção

Ensaios clínicos randomizados (incluindo ensaios quase randomizados e de cluster), comparando os métodos de relaxamento com o tratamento padrão, sem tratamento, outras formas não farmacológicas de controle da dor em trabalho de parto ou placebo.

Coleta e análise de dados

Dois revisores avaliaram independentemente os ensaios para inclusão e risco de viés, extraíram os dados e verificaram sua precisão. Tentamos entrar em contato com os autores do estudo para obter informações adicionais. Avaliamos a qualidade das evidências com a metodologia GRADE.

Resultados principais

Esta atualização de revisão inclui 19 estudos (2519 mulheres), 15 dos quais (1731 mulheres) contribuem com dados. Intervenções examinadas incluíram relaxamento, yoga, música e atenção plena. Aproximadamente metade dos estudos teve um baixo risco de viés para geração de sequência aleatória e viés de atrito. A maioria dos estudos apresentava um alto risco de viés para viés de desempenho e detecção, e risco de viés pouco claro, ocultação de alocação, viés de notificação e outros vieses. Nós avaliamos a evidência desses estudos como variando de baixa a muito baixa qualidade e, portanto, os efeitos abaixo devem ser interpretados com cautela.

Relaxamento

Descobrimos que o relaxamento comparado ao tratamento usual reduz a intensidade da dor (medida em uma escala de 0 a 10, com baixos escores indicando menos dor) durante a fase latente do parto (diferença média (MD) -1,25, intervalo de confiança de 95% IC) -1,97 a -0,53, um ensaio, 40 mulheres). Quatro estudos relataram intensidade da dor na fase ativa; houve alta heterogeneidade entre os estudos e evidências de qualidade muito baixa sugeriram que não havia fortes evidências de que os efeitos fossem diferentes entre os grupos para esse desfecho (MD -1,08, IC 95% -2,57 a 0,41, quatro ensaios, 271 mulheres, aleatórios -efeitos de análise). Evidências de baixa qualidade mostraram que as mulheres que receberam relaxamento relataram maior satisfação com o alívio da dor durante o trabalho de parto (razão de risco (RR) 8,00, 95% CI 1,10-58,19, um estudo, 40 mulheres), e não mostraram nenhum benefício claro para a satisfação com a experiência de parto (avaliada usando diferentes escalas) (diferença média padrão (SMD) -0,03, IC 95% -0,37 a 0,31, três ensaios, 1176 mulheres). Para os desfechos de segurança, houve evidências de baixa qualidade de ausência de redução do parto vaginal assistido (RR médio 0,61, IC95% 0,20 a 1,84, quatro estudos, 1122 mulheres) ou em taxas de cesarianas (média RR 0,73, IC95% 0,26). para 2,01, quatro ensaios, 1122 mulheres). Sentido de controle no trabalho de parto e amamentação não foram relatados sob esta comparação. 1122 mulheres) ou em taxas de cesariana (média RR 0,73, IC 95% 0,26 a 2,01, quatro ensaios, 1122 mulheres). Sentido de controle no trabalho de parto e amamentação não foram relatados sob esta comparação. 1122 mulheres) ou em taxas de cesariana (média RR 0,73, IC 95% 0,26 a 2,01, quatro ensaios, 1122 mulheres). Sentido de controle no trabalho de parto e amamentação não foram relatados sob esta comparação.

Ioga

Ao comparar o yoga para controlar as intervenções, houve evidências de baixa qualidade de que a ioga reduziu a intensidade da dor (medida em uma escala de 0 a 10) com baixos escores indicando menos dor) (MD -6,12, 95% IC -11,77 a -0,47). , 66 mulheres), maior satisfação com o alívio da dor (MD 7,88; IC 95% 1,51 a 14,25, um ensaio, 66 mulheres) e maior satisfação com a experiência de parto (MD 6,34; IC 95% 0,26 a 12,42 um ensaio, 66 mulheres utilizando a Escala de Conforto Materno, com maior pontuação indicando maior conforto), não tendo sido relatada sensação de controle no trabalho de parto, amamentação, parto vaginal assistido e cesariana.

Música

Ao comparar a música para controlar as intervenções, houve evidência de menor intensidade de dor na fase latente para mulheres que receberam música (medida em uma escala de 0 a 10, com baixa pontuação indicando menos dor) (MD -0,73, 95% CI -1,01 a -0,45) , análise de efeitos aleatórios, dois ensaios, 192 mulheres) e evidência de muito baixa qualidade de nenhum benefício claro na fase ativa (MD -0,51, IC 95% -1,10 a 0,07, três ensaios, 217 mulheres). Evidência de muito baixa qualidade sugeriu nenhum benefício claro em termos de redução do parto vaginal assistido (RR 0,41, IC 95% 0,08 a 2,05, um ensaio, 156 mulheres) ou taxa de cesariana (RR 0,78, IC 95% 0,36-1,70, dois ensaios , 216 mulheres). Satisfação com o alívio da dor, sensação de controle no trabalho de parto, satisfação com a experiência do parto e amamentação não foram relatados nesta comparação.

Analgesia de áudio

Um estudo avaliando analgesia auditiva versus controle relatou apenas um desfecho e não demonstrou evidência de benefício na satisfação com o alívio da dor.

Mindfulness

Um ensaio avaliando mindfulness versus usual care encontrou um aumento no senso de controle para o grupo mindfulness (usando o Childbirth Self-Efficacy Inventory) (MD 31,30, IC 95% 1,61 a 60,99, 26 mulheres). Não há fortes evidências de que os efeitos foram diferentes entre os grupos para satisfação no parto, taxa de cesárea, necessidade de parto vaginal assistido ou necessidade de alívio farmacológico da dor. Nenhum outro resultado foi relatado neste estudo.

Conclusão dos autores

Relaxamento, ioga e música podem ter um papel na redução da dor e no aumento da satisfação com o alívio da dor, embora a qualidade das evidências varie de muito baixa a baixa. Não há evidências suficientes para o papel da atenção plena (mindfullness) e da audioanalgesia. A maioria dos estudos não relatou a segurança das intervenções. Mais estudos randomizados controlados de modalidades de relaxamento para o manejo da dor em trabalho de parto são necessários. Os ensaios devem ser adequadamente fortalecidos e incluir resultados clinicamente relevantes, como os descritos nesta revisão.

Resumo de linguagem simples

Técnicas de relaxamento para o manejo da dor no trabalho de parto

Qual é o problema?

Esta revisão da Cochrane analisou se as técnicas mente-corpo para relaxamento, como técnicas de respiração, visualização, ioga ou música, ajudariam a reduzir a dor e melhorar as experiências de trabalho das mulheres. Coletamos e analisamos todos os estudos relevantes para responder a essa pergunta (data da pesquisa: maio de 2017).

Por que isso é importante?

A dor do parto pode ser intensa, com a tensão corporal, a ansiedade e o medo piorando. Muitas mulheres gostariam de passar pelo trabalho de parto sem usar drogas, ou métodos invasivos, como a epidural. Essas mulheres recorrem frequentemente a terapias complementares para ajudar a reduzir a intensidade da dor no trabalho de parto e melhorar suas experiências de trabalho de parto.

Muitas terapias complementares são usadas por mulheres em trabalho de parto, incluindo acupuntura, técnicas mente-corpo, massagem, reflexologia, fitoterapia ou homeopatia, hipnose, música e aromaterapia. As técnicas mente-corpo para relaxamento podem ser amplamente acessíveis às mulheres através do ensino dessas técnicas durante as aulas pré-natais. As técnicas de relaxamento incluem imagens guiadas, relaxamento progressivo e técnicas de respiração. Nós também incluímos yoga e música nesta revisão. Outros artigos da Cochrane Reviews analisaram a hipnose no parto, métodos manuais (como massagem e reflexologia), aromaterapia e acupuntura / acupressão. Muitas dessas técnicas de relaxamento são estratégias de enfrentamento usadas para reduzir a experiência da dor. Essas técnicas utilizam práticas que visam reduzir o estresse e reduzir a percepção da dor.

Que evidência encontramos?

Encontramos 15 estudos envolvendo 1731 mulheres que contribuíram com dados para as análises. Estudos foram realizados em todo o mundo, incluindo países da Europa e Escandinávia, e Irã, Taiwan, Tailândia, Turquia e EUA.

Descobrimos que técnicas de relaxamento, yoga e música podem ajudar as mulheres a controlar a dor do parto, embora a qualidade da evidência varie entre baixa e muito baixa, e mais dados são necessários. Além disso, nesses ensaios houve variações em como essas técnicas foram utilizadas. Não houve evidência clara de que essas terapias tiveram impacto no parto vaginal ou por cesariana assistida. Não havia dados suficientes para dizer se essas técnicas influenciavam a condição do bebê ao nascer.

O que isto significa?

O uso de algumas terapias de relaxamento, ioga ou música pode ser útil para reduzir a intensidade da dor e ajudar as mulheres a se sentirem mais no controle e satisfeitas com seus trabalhos. No entanto, as grandes variações nos tipos de técnicas usadas nesses estudos tornam difícil dizer especificamente o que poderia ajudar as mulheres. Portanto, estudos adicionais são necessários.


 

WhatsApp Image 2017-05-20 at 18.06.58 (1)

Bateu a lembrança de @petizfotografia@pollyanasoledadede @raquelbfr@fernanda_souza_toledo @emanuelasena@mariamaiavfreitas @desafio_da_fefa
.
Trabalhar com amor é fundamental, sem perder a técnica, seja teoria ou prática
.
Estou esperançoso demais por novos desafios e confiante pelas novidades que surgiram
.
Os milagres acontecem diariamente, poder viver já é um milagre, poder gestar algo divino e acompanhar o nascimento de uma nova vida é uma honra!!!
.
Poder identificar os primeiros batimentos cardíacos, identificar e tratar algumas patologias, orientar mudanças de hábitos e diminui os riscos maternos e perinatais, suplementar nutracêuticos de forma personalizada e baseada na individualidade da gestante e do bebê, encaminhar para profissionais de outras especialidades rainha participarão parto… Ah, isso é pré-natal e parto humanizado SIM!


 


partohumanizado

 

 

.
Para os defensores do parto domiciliar, não estou me colocando frontalmente contra um parto domiciliar de algumas gestantes que tem condições financeiras e montam uma estrutura muitas vezes superior a de uma maternidade de baixo risco, incluindo UTI neonatal móvel, equipe médica completa e que se preparam durante toda a gestação para este tipo de parto. Esta não é a realidade dos partos nem na rede pública, nem na privada. Mas segue um artigo científico publicado em abril de 2017 no Jornal Americano de Ginecologia e Obstetrícia
.
Os partos domiciliares planejados nos Estados Unidos estão associados a menos intervenções, mas com aumento dos resultados neonatais adversos, como mortes perinatais e neonatais, convulsões neonatais ou disfunção neurológica grave e escores baixos de Apgar de 5 minutos. O Comitê de Prática Obstétrica do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas afirma que para reduzir a morte perinatal e melhorar os resultados no partos domiciliares planejados, critérios estritos são necessários para orientar a seleção de candidatos adequados para o nascimento domiciliar
.
O comitê lista três contra-indicações absolutas para um nascimento domiciliar planejado
– Má-apresentação, Apresentação fetal anômala (pélvica, córmica)
– Gestações múltiplas
– História de parto cesáreo.
.
Neste estudo, foram apresentados 2 fatores de risco com taxas de mortalidade neonatal significativamente aumentadas em partos domiciliares planejados, além dos 3 fatores listados pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas. Esses fatores de risco adicionais têm taxas de mortalidade neonatal que estão se aproximando ou excedendo aqueles para o parto domiciliar planejado após parto cesáreo: nascimentos de primeira vez e uma idade gestacional de 41 semanas
.
Portanto, devem ser adicionados 2 fatores de risco adicionais
– Nascimentos de primeira vez (Primeiro Parto) e
– idade gestacional de 41 semanas)
– As 3 contraindicações absolutas de partos domiciliares planejados listados pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (parto cesáreo anterior, má apresentação, gestações múltiplas )totalizando 5 contraindicações para partos domiciliares planejados
.
Escrevi este post porque frequentemente me perguntam se faço parto domiciliar. Eu respondo: não faço, não fui treinado para isso e já tive inúmeras situações no Hospital que tive que agir MUITO rápido e depender de infraestrutura hospitalar boa e de profissionais bem capacitados (neonatologistas sobretudo). Uma paciente mesmo recentemente após ter um parto cesariano pensou em realizar o parto domiciliar e eu mesmo orientei: olha, o parto é seu, você escolhe como quer, mas eu não faço parto no domicílio. Agora, formalmente, depois de uma cesariana existe um estudo de uma importante literatura científica que contraindica o parto domiciliar depois de uma cesariana, bem como para apresentação fetal não cefálica, idade gestacional superior a 41 semanas, primeiro parto e gestação gemelar.
.
#partohumanizadoépartoseguro#consultóriodrglauciusnascimento#riomartradecenter3sala1010

ans
– Nota de Orientação à Gestante
.
– O sistema de Saúde Suplementar apresenta altos índices de cirurgias cesarianas desnecessárias. Esta nota atende decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. O objetivo desta nota é esclarecer à gestante acerca dos riscos e benefícios da cesariana e do parto normal.
.
O parto normal é o método natural de nascer durante o qual a mãe produz substâncias capazes de proteger o recém-nascido e favorecer a amamentação, por isso é importante que a mulher entre em trabalho de parto. A sua recuperação é imediata, pois, após o nascimento a mãe poderá levantar-se e cuidar de seu filho. Contudo, algumas mulheres apresentam contraindicação para este tipo de parto devido a condições de saúde preexistentes ou por complicações durante o trabalho de parto havendo indicação para a realização da cirurgia. O parto normal pode também apresentar risco de lesão no períneo.
.
A cesariana, quando indicada por razões clínicas, é uma cirurgia segura e com baixa frequência de complicações graves. No entanto, quando realizada sem uma razão médica que a justifique, apresenta riscos de complicações cirúrgicas, como infecções e hemorragia6,7,8 que podem resultar em morte materna. Quanto ao recém-nascido, podem ocorrer lesões no momento da retirada do bebê ou outras complicações após o nascimento como infecções e pneumonias,
riscos de prematuridade e internação em UTI, nos casos em que a cirurgia é feita antes de 39 semanas de gestação, além de aumentar em 120 vezes a chance do bebe apresentar dificuldade respiratória quando a cirurgia é feita entre 37 e 38 semanas.
.
Persistindo dúvidas não hesite em voltar a discutir com seu médico sobre riscos e benefícios que afetam a sua segurança e a do bebê.


tecni
Mais um artigo legal, desta vez publicado na revista FEMINA
.
RESUMO
-Atualmente, o número de cesarianas vem aumentando cada vez mais; em contrapartida a isso, foi criado o programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento que busca tornar o processo de parturição mais fisiológico através do uso de tecnologias não invasivas que proporcionam diversos benefícios para a parturiente, entre eles, alívio da dor
-O objetivo desta revisão foi avaliar a importância destas tecnologias e as vantagens oferecidas por elas, com base em evidência científica
-Pode-se concluir que as tecnologias não invasivas interferem positivamente sobre a dor e o desconforto materno, reduzindo a ansiedade e o estresse, proporcionando autoconfiança e conforto à parturiente, além de possuírem baixo custo e estarem associadas a poucas contraindicações e efeitos colaterais.
.
Seguem os principais métodos de alívio não-farmacológico para dor:
-Deambulação e posturas verticais
-Respiração
-Massagem
– Bola suíça
– Banho quente
– Neuroeletroestimulação Transcutânea (TENS)
– Acupressão
.
Fonte: http://www.febrasgo.org.br/site//srv/htdocs/wp-content/uploads/2016/07/FEM_v44n2.pdf página 65-69
.
Uma equipe multiprofissional pode permitir um nascimento seguro, natural e humanizado. Valorize todos os bons profissionais envolvidos na assistência ao parto!!!
Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar